Há muito tempo a poupança era vista como um investimento pouco interessante, pois tinha rendimentos pequenos oscilando em 0,5% ao mês.

Mas em 2012, a velha amiga dos brasileiros se tornou uma aplicação atraente já que está com um ganho líquido de 6,48% ao ano.

Ao ser comparada com os fundos DI, a poupança se torna mais interessante ainda já que aquele investimento está cobrando altas taxas de administração que reduzem consideravelmente os rendimentos.

Além da poupança, outras possibilidades interessantes no mercado financeiro atual é a compra de ouro que registrou uma valorização em 2012 de 15,32%.

Por Ana Camila Neves Morais


O Bradesco, segundo maior banco privado do país, apresentou nesta segunda-feira (dia 23 de abril) um lucro líquido de R$ 2,793 bilhões no primeiro trimestre de 2012, apontando um aumento de 3,4% com relação ao mesmo período do ano passado, quando o lucro atingiu R$ 2,702 bilhões.

Com relação ao trimestre passado, os ganhos também foram positivos, pois houve um crescimento de 2,5%, registrando um lucro de R$ 2,726 bilhões.

De acordo com informações divulgadas por meio do banco, é possível afirmar que a carteira de crédito neste primeiro trimestre obteve um aumento de 14,6% na comparação anual, tendo sido incentivado, principalmente, por avanços de 17% em empréstimos à pessoa jurídica e de 9,4% para pessoa física.

Segundo a consultoria Economatica, o lucro líquido registrado pelo Bradesco neste trimestre é o quarto maior da história dos bancos de capital aberto brasileiro.

Com esse avanço, o Bradesco fechou o trimestre com ativos totais de R$ 789,55 bilhões, ou seja, alta de 17% com relação aos três primeiros meses do ano passado.

Por Anne A. Matioli Dias


O Google apresentou esta semana um balanço com o seu lucro no primeiro trimestre de 2012. De acordo com o documento, o aumento foi de 61%. Mesmo com esse resultado, o valor desembolsado pelos anunciantes por clique apresentou queda pela segunda vez seguida.

De acordo com a companhia, o lucro apresentado até o último dia de março foi de US$ 2,89 bilhões, sendo que no mesmo período de 2011 o lucro foi de US$ 1,8 bilhão.

A receita total foi de mais de US$ 10 bilhões, esse valor representa um aumento de 24% quando comparado ao ano passado.

Com relação ao custo por clique, a queda foi de 12% quando comparado ao ano de 2011, sendo que o último trimestre apresentou uma baixa de 8%.

No mesmo relatório, a empresa afirmou que pretende aumentar, através de uma engenharia contábil, o volume de ações disponibilizadas no mercado, mas os administradores não perderão o poder de voto, pois eles não serão reduzidos.

O objetivo é criar uma nova modalidade de ação onde os donos não terão direito de voto, essas ações seriam negociadas na bolsa eletrônica Nasdaq. Segundo um comunicado oficial da companhia, essa nova abordagem está alinhada com os atuais interesses da empresa.

Por Joyce Silva


O Banco do Brasil divulgou um relatório informando que o seu lucro líquido em 2011 foi de R$ 12,126 bilhões, um crescimento de 3,6% se comparado ao ano anterior.

O lucro recorrente da instituição, que exclui eventos extraordinários, somou R$ 11,751 bilhões em 2011, esse valor apresentou um volume 10,2% maior que o de 2010. Com relação aos ativos totais do Banco do Brasil, o valor foi de R$ 981,230 bilhões, um crescimento de 21%. Outro ponto divulgado pela instituição foi o crédito ampliado, que envolve as garantias prestadas e os títulos e valores mobiliários privados, que alcançou o valor de R$ 465,093 bilhões, o que representa um aumento de 19,8% em 12 meses.

A instituição financeira ficou com uma participação no mercado de crédito no Brasil de 19,2% em dezembro de 2011. 

Foi analisado também o crédito imobiliário voltado para pessoas físicas que encerrou o ano com um montante de R$ 6,035 bilhões, isso representa um aumento de 20%, no quarto trimestre de 2011 o valor gasto chegou a R$ 1,098 bilhão. 

Mesmo com esses números, o Banco do Brasil ficou abaixo de outras instituições, como, por exemplo, o Itaú.  

Por Joyce Silva


Segundo a consultoria Economatica, em 2011, o lucro do Bradesco foi o terceiro maior da história dos bancos brasileiros. Houve um aumento de 10% em relação a 2010, registrando um valor de lucro líquido de R$ 11,028 bilhões, ficando atrás apenas do Banco do Brasil (R$ 11,296 bi) e do Itaú (R$ 11,708 bi).

No quarto trimestre do ano passado, ocorreu uma queda de 8,7% comparada ao mesmo período de 2010, ocorrendo um lucro líquido de R$ 2,726 bilhões.

Excluindo eventos extraordinários, é considerado o lucro líquido ajustado, o qual resulta R$ 2,771 bilhões no quarto trimestre, equivalendo a um aumento de 3,2% comparado ao mesmo período de 2010.

O crescimento da margem financeira total do banco  no período  de outubro a dezembro  foi de 13,8%.

Com isso o mês de dezembro encerrou sua carteira de crédito total em R$ 345,724 bilhões, um aumento de 17,1% ao ano anterior. Sendo que as operações com pessoas físicas tiveram alta de 10,6%, totalizando R$ 108,671 bilhões, e com pessoas jurídicas um crescimento de 20,4%, atingindo R$ 237,053 bilhões.

No final de 2011 os depósitos totais do banco tiveram um aumento de 12,5% comparado ao final de 2010, resultando em um valor de R$ 217,424 bilhões.

Já os recursos captados e administrados tiveram um aumento de 16,9%, um valor de R$ 1,020 trilhão.

Por Anaí Barbieri


O lucro líquido da BM&FBovespa no terceiro trimestre deste ano é de R$ 292 milhões, considerado estável em relação ao mesmo período de 2010.

Entre os meses de julho e setembro deste ano, a receita líquida da empresa obteve uma variação positiva de 0,9%, saltando para R$ 493,7 milhões. Entretanto, a Receita Federal contesta a operação que resultou em ganho fiscal para a BM&FBovespa.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, medidos pelo Ebitda, da companhia subiu para R$ 347,5 milhões, com uma alta de 2,5%. O índice tem uma margem de 70,4%, contra os 69,2% do mesmo período do ano passado.

Devido à crise que afeta países na Europa, o orçamento de investimentos, que antes girava entre R$ 235 milhões e R$ 255 milhões, foi revisado, e a companhia espera que fique no intervalo de R$ 180 milhões a R$ 210 milhões.

A BM&FBovespa aprovou o pagamento de R$ 233,6 milhões em dividendos. O pagamento deve ser feito no dia 31 de janeiro de 2012, baseado no registro de acionistas de 17 de novembro deste ano. O montante a ser pago equivale a 80% do lucro líquido contábil.

Por Lorena Matuziro


O balanço trimestral da Hypermarcas, divulgado ontem (6/11), aponta prejuízo de R$ 190,5 milhões no terceiro trimestre em relação ao mesmo período do ano passado, quando o lucro líquido foi de R$ 78 milhões.

A receita líquida da empresa, entretanto, cresceu 10,4% em relação ao mesmo período do ano passado, saltando para R$ 908 milhões. O EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) deste ano foi revisado, e a estimativa é de que atinja o patamar de R$ 700 milhões.

Para justificar os números, a Hypermarcas apontou a “continuidade da deterioração do cenário macroeconômico externo, principalmente pela intensificação da crise financeira na Europa, com impactos cada vez mais claros no Brasil”. A empresa também assinalou a desaceleração do crescimento econômico brasileiro, cuja previsão, em 2010, era de 4,5% ao ano, mas hoje atingiu o patamar de 3,3% ao ano, segundo pesquisa Focus do Banco Central. A inflação de 6,5% também influenciou os resultados.

“Acreditamos que este cenário afeta as decisões de compras de nossos clientes (sell in), principalmente os distribuidores e atacadistas”, afirmou a empresa em relatório.

A Hypermarcas ressaltou, entretanto, que seus produtos independem de crédito, além de ter um preço médio baixo, e que, portanto, esses dados não refletem na queda significativa da demanda final de seus produtos.

Clique aqui e leia o relatório.

Por Lorena Matuziro


O ano de 2010 foi maravilhoso para a Petrobras. A Empresa divulgou recentemente o balanço do ano passado e fechou o ano com um lucro líquido nada menos do que R$ 35,189 bilhões (isso mesmo), 17% acima do arrecadado no ano anterior.

Segundo o comunicado da empresa, este resultado se deu pelo fato da alta da cotação do petróleo e pelo aumento de 11% na venda de derivados.

A Petrobrás prevê a ampliação neste ano em 2,5% da produção de petróleo, podendo chegar a incríveis 2,100 milhões de barris por dia. Com essa produção e o fato de sermos um país auto-suficiente, não consigo entender porque pagamos pela alta do petróleo no exterior, e quando seu preço é recuado aqui no Brasil ele continua o mesmo.

Talvez esse seja o motivo para o belo lucro da Petrobrás, afinal de contas, quem paga quase R$ 3,00 pelo litro da gasolina somos nós.

Por Henrique Pereira


O mercado mundial de computadores é um setor que possivelmente não atravessará dificuldades num breve ou futuro momento, pois toda a sociedade, ou grande parte, se baseia nas tecnologias para desenvolver suas atividades, desde uma pequena loja de varejo até grandes empresas.

Ao mesmo tempo em que essa tendência poderá vir a se confirmar com o passar dos anos, o aumento da concorrência prevalece, tanto que a Positivo Informática registrou no terceiro trimestre deste ano queda de 74,1% de seu lucro líquido em comparação ao período análogo de 2009. O real valorizado perante o dólar e o arrefecimento nos preços de notebooks foram os dois pontos contribuintes para o resultado.

Em termos financeiramente palpáveis, o lucro líquido entre julho e setembro foi de R$ 15,3 milhões, contra R$ 59,1 milhões de antes. Além desse tombo, no confronto anual houve diminuição na comparação trimestral, pois de abril a junho o lucro chegou a R$ 30,2 milhões.

Apesar de assegurar bom crescimento de computadores no mercado brasileiro, de acordo com a Folha UOL o preço médio dos PCs decresceu 4,5% no terceiro trimestre ante os mesmos três meses de 2009. O valor dos notebooks, certamente, foram os principais responsáveis pela queda como assegura a Positivo, uma vez que tiveram desvalorização de 16,9% na mesma base comparativa descrita anteriormente.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Com vários segmentos de atividade em seu portfólio, o grupo JBS, considerado o maior processador mundial de carne bovina, revelou na semana passada queda de 11,9% em seu lucro líquido no terceiro trimestre deste ano. Com isso, o montante representado é de R$ 133,5 milhões, abaixo em R$ 3,7 milhões ao assinalado entre abril e junho.

Matéria coordenada pela agência de notícias Reuters aponta que o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ficou em R$ 1,026 bilhão de julho a setembro, avanço significativo se comparado os R$ 291,9 milhões no confronto anual.

O mercado está atento em relação às operações da JBS na Argentina, porém, o grupo afiança que embora existam dificuldades estruturais em nossos vizinhos, soluções têm sido procuradas incansavelmente, tais como a demissão de 1,5 mil funcionários em quatro de suas unidades, término de atividades em outras três e a transferência da sede para outro local (Rosário).

Um anúncio feito em agosto último ainda pode contribuir às medidas levadas adiante pelo JBS, entre os quais a redução da produção de carne ou venda de algumas unidades produtivas argentinas.

Por Luiz Felipe T. Erdei


A crise financeira mundial prejudicou as atividades em todo o planeta, arrefecendo índices em várias áreas entre 2008 e 2009. Atualmente, países desenvolvidos, não em sua totalidade, enfrentam impasses para restabelecer números econômicos, porém, ao que tudo indica, consumidores e empresas instaladas no Brasil enfrentam cenário diferenciado, tal como é percebido na China e na Índia.

A Lojas Americanas, que entre julho e setembro do ano passado apresentou lucro líquido de R$ 7,9 milhões, observou no terceiro trimestre de 2010 alta quase seis vezes maior, atingindo, pois, R$ 45,1 milhões. Analistas consultados pela agência de notícias Reuters projetavam valor bem abaixo, de R$ 25,5 milhões.

De janeiro a setembro a Americanas acumula rendimento de R$ 104,6 milhões, superior em cerca de sete vezes ao montante vislumbrado no período igual de 2009. A receita líquida verificada entre julho e setembro foi de R$ 2,25 bilhões, incremento de 12,6% no confronto anual.

Por Luiz Felipe T. Erdei


A Lojas Marisa, rede varejista especializada em moda feminina, reportou avanço de 57,9% em seu lucro no terceiro trimestre deste ano em comparação ao período igual de 2009. Alguns fatores econômicos atuais ajudam a explicar o crescimento, tais como maior número de vagas formais criadas ao longo dos últimos anos, acesso ao crédito e poder de renda crescente por parte dos consumidores brasileiros.

A Lojas Renner, outra varejista de renome, assinalou lucro líquido de R$ 57 milhões no mesmo trimestre reportado pela Lojas Marisa, ou, em percentuais, aumento de 86,3% na mesma base comparativa. De acordo com a rede, a sustentação do ambiente macroeconômico favorável resultou em maior número de vendas e nível de inadimplência em menor patamar.

Assim como sua concorrente, a justificativa é o lançamento da coleção primavera-verão. Segundo Adalberto Santos, diretor de Relações com Investidores da varejista, o cenário era desafiador, porém a rede contou com o ajuste de vendas fortes e nível ameno de inadimplência para o sucesso.

Reportagem conduzida pelo portal de notícias G1 assinala que no acumulado entre janeiro e setembro deste ano a empresa acumula lucro próximo de R$ 185 milhões. Em relação a lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) foi constatado R$ 105 milhões no terceiro trimestre, superior em 18,5% ao observado nos três meses análogos do ano passado.

Por Luiz Felipe T. Erdei


A economia brasileira tem sustentado relativamente bem o crescimento de inúmeras empresas por aqui instaladas. As instituições bancárias, participantes atividades do cenário atual, conseguem aumentar seus lucros em conformidade à alta da renda da população, principalmente porque o cenário empregatício atravessa boa fase.

Recentemente, o Bradesco anunciou lucro maior em 39,5% no terceiro trimestre ante período igual de 2009. Outro banco de grande atuação no país, o Santander Brasil, divulgou rendimento líquido de R$ 1,93 bilhão na mesma base comparativa, obtendo avanço de 31,4% de acordo com a IFRS (norma contábil global).

No padrão nacional de contabilidade, segundo a agência de notícias Reuters, o lucro entre julho e setembro chegou a R$ 1,826 bilhão, também superior ao R$ 1,275 bilhão constatado no período similar do ano passado.

Para Carlos Galán, vice-presidente executivo de Finanças do Santander Brasil, o Brasil figura um cenário singular, em especial no crescimento do crédito. Toma-se como base desse discurso a carteira de financiamentos da instituição, que abarcou valor superior a R$ 159 bilhões no mês passado, incremento de 16,8% em um ano.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Uma das maiores instituições financeiras presentes no Brasil, o Bradesco anunciou à imprensa nacional obtenção de lucro líquido de R$ 2,527 bilhões no terceiro trimestre, crescimento de 39,5% no confronto anual. De acordo com a agência de notícias Reuters, em bases correntes a receita alcançou R$ 2,518 bilhões, aumento de 40,3% na mesma base comparativa.

Além de ser um número altamente significativo, o resultado assinalado também se vigorou pouco além das previsões de mais de dez analistas sondados pela Reuters, que aguardavam, na verdade, lucro recorrente de R$ 2,466 bilhões.

O montante divulgado pelo Bradesco contou com outro dado positivo. A carteira de crédito no final de setembro chegava a R$ 255,618 bilhões, progresso de 18,6% no acumulado dos últimos 12 meses. A justificativa para esse caso deveu-se ao crescimento de 23% dos empréstimos realizados para pessoas físicas, que aglomeraram R$ 92,9 bilhões.

Por Luiz Felipe T. Erdei


A Vale registrou excelente desempenho no terceiro trimestre deste ano, de acordo com informações divulgadas pela própria empresa ao mercado financeiro. De acordo com o balanço da Vale, o lucro líquido da empresa atingiu R$ 10,5 bilhões no período.

A marca atingida entre os meses de julho e setembro é recorde e representa uma elevação de 253% em relação ao lucro frente ao mesmo período no ano passado. O lucro da Vale até o mês de setembro deste ano somou cerca de R$ 20 bilhões.

A receita líquida obtida pela vale no trimestre foi de R$ 25,67 bilhões ante o montante de R$ 13,2 bilhões conquistado nos mesmos três meses no ano passado.

Por Luana Neves


Apesar da dificuldade que a AmEx vem tendo na realização de novos financiamentos, devido ao alto índice de desemprego e da relutância dos clientes em estarem adquirindo dívidas, o American Express conseguiu atingir, apenas neste trimestre, um lucro acima do esperado e muito superior ao obtido no mesmo período do ano passado, referindo-se a um lucro líquido de aproximadamente US$ 1,1 bilhão, ou US$ 0,90 por ação, sendo que no período do ano passado o ganho registrado foi de US$ 640,00 milhões, ou US$ 0,54 por ação.

A explicação válida para este avanço, é a dos benefícios que o cartão oferece a seus usuários, como juros mais baixos, e ganhos com taxas e programas fidelidade relacionados a viagens. A AmEx, apesar dos bons resultados obtidos no trimestre, permanece atenta a economia, e esperam continuar com estes resultados, investindo na fortificação do bom relacionamento com os donos de cartões corporativos e da linha premium.

Por Bruna Coradete


Uma longa reestruturação tem marcado a “recente” história da fabricante de bicicletas Caloi. Depois de duas décadas penando para retomar saudavelmente suas atividades, a empresa deverá encerrar este ano com lucro líquido de R$ 10 milhões, avanço de 50% sobre a constatação de 2009. Com situação a ser confirmada, será este o segundo ano consecutivo dessa tendência.

Eduardo Musa, presidente da Caloi, revela que o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, ou Ladija, deverá abiscoitar R$ 30 milhões, 35% de incremento. Em relação à cadeia produtiva, a empresa poderá terminar 2010 com a confecção de 800 mil bicicletas, 15% acima dos dados de 2009.

Os números poderiam ser ainda melhores se a capacidade de produção não estivesse no limite. Para suprir essa carência, segundo o portal de Economia UOL, a Caloi iniciou um plano de investimento de R$ 30 milhões para modernizar e expandir sua capacidade de produção pelos próximos três anos.

Os bons ventos não param por aí. Em janeiro próximo a Caloi inaugurará uma filial em Xangai, na China, no intuito de apertar o relacionamento com os fornecedores daquele país. Não à toa, a asiática é o maior mercado consumidor do mundo e o maior fabricante de componentes do setor.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Segundo balanço financeiro divulgado nesta segunda-feira, 16 de agosto de 2010, o Banco do Brasil apresentou neste primeiro semestre de 2010 um lucro líquido de R$ 5,1 bilhões, o que representa um aumento de 26,5% em relação ao mesmo período do ano anterior.

O bom resultado, de acordo com a instituição, veio principalmente da diminuição na inadimplência e do aumento do crédito. Neste segmento, o destaque foi para o crédito consignado, que chegou a R$40,5 bilhões, o que levou a instituição a uma participação de 32,5% no mercado, reforçando sua liderança no setor.

Neste primeiro semestre o lucro líquido do Banco do Brasil só foi inferior ao do Banco Itaú, que foi registrado em R$ 6,4 bilhões.

Por Elizabeth Preático

Fontes: Folha de São Paulo, Band


A Petrobras informou nesta semana que obteve lucro líquido de R$ 16,2 bilhões nos seis primeiros meses deste ano. O montante corresponde a 111% do lucro obtido pela empresa no mesmo período do ano passado, quando foi registrado um lucro de R$ 14,4 bilhões.

Parte do crescimento do lucro da Petrobras se deve ao crescimento nas vendas da estatal no mercado brasileiro. Segundo informações da Petrobras, o aumento registrado no volume das vendas no Brasil foi de 11% no período. Já a produção de petróleo e gás cresceu 3% em relação ao mesmo período do ano passado.

Não foi somente o lucro e a produção da Petrobras que teve crescimento no semestre. De janeiro a junho, a Petrobras investiu mais de R$ 38 bilhões em sua estrutura, o que significa um crescimento de 17% em relação ao montante investido nos mesmos meses em 2009.

Por Luana Neves


A produtora de bebidas AmBev informou ao mercado nesta semana que obteve lucro líquido de R$ 3,2 bilhões nos primeiros seis meses do ano. O número é 17,4% maior que o lucro registrado no mesmo período do ano passado.

Em comparação com os meses de abril a junho de 2009, o crescimento registrado no segundo semestre deste ano em relação à receita líquida da Ambev subiu R$ 330 milhões. A receita obtida pela empresa no segundo trimestre de 2010 chegou ao montante de R$ 5,67 bilhões.

A companhia informou, ainda, que a receita por hectolitro de cerveja no mercado brasileiro cresceu 5,2% no semestre, alcançando o valor de R$ 163,70 por hectolitro. O custo de vendas pela quantidade também aumentou em 15,2%, segundo a Ambev.

Por Luana Neves


Nesta última segunda-feira, 09 de agosto de 2010, a MRV Engenharia, construtora e incorporadora, divulgou que houve um crescimento de 103,6% em seu lucro líquido neste segundo trimestre de 2010, que é o melhor resultado já conseguido no período pela empresa.

O valor do lucro líquido registrado foi de R$150,5 milhões, perante uma estimativa anterior de R$137 milhões por parte de analistas da área. Considerando todo o primeiro semestre deste ano, a MRV apresentou um lucro 116,6% maior em relação ao mesmo período do ano anterior.

De acordo com Leonardo Corrêa, vice-presidente financeiro da incorporadora, os resultados positivos são consequentes de uma maior disponibilidade de crédito imobiliário, aumentando a demanda no setor. A MRV pretende comercializar até o final do ano um valor entre R$3,7 bilhões e R$ 4,3 bilhões. Só neste segundo trimestre as vendas somaram um número recorde de R$ 981,9 milhões.

Por Elizabeth Preático

Fontes: Folha de São Paulo, O Globo


A montadora BMW informou nesta semana ao mercado a obtenção de um lucro líquido de 834 milhões de euros no segundo trimestre do ano. O resultado alcançado pelo grupo alemão foi sete vezes superiores ao lucro da BMW no setor no mesmo período do ano passado.

De acordo com a BMW, o montante obtido no período se deu graças ao aumento nas vendas dos utilitários de luxo do grupo nos principais mercados mundiais, após o período de crise financeira no setor que assolou os principais países do globo.

A previsão de lucro líquido para a BMW nos meses de abril, maio e junho, de acordo com analistas norte-americanos, era de 614 milhões de euros. Ao todo, foram vendidas 380 mil unidades no período, que custaram, ao todo, 15,3 bilhões de euros.

Por Luana Neves


O Itaú Unibanco terminou o primeiro semestre de 2010 com um lucro líquido de R$ 6,4 bilhões, de acordo com a instituição, considerado o maior banco privado de todo o país.

O lucro obtido foi 39,6% superior ao valor obtido nos mesmos meses do ano passado. De acordo com um comunicado enviado ao mercado nesta terça-feira, o lucro da instuição entre os meses de abril e junho foi de R$ 3,1 bilhões. O montante é 23,1% maior que o lucro registrado durante igual período em 2009.

O resultado obtido pelo Itaú Unibanco foi recorde histórico entre as instituições bancárias no mercado brasileira no semestre.

Não foi informada a previsão do lucro líquido total do Itaú Unibanco até o final de 2010.

Por Luana Neves


Uma das mais notáveis empresas do mundo no segmento de bovinos é a JBS Friboi, que recentemente revelou alta em seu lucro líquido para R$ 99,4 milhões no 1º trimestre de 2010, número bastante superior ao prejuízo de quase R$ 323 milhões nos primeiros três meses do ano passado.

Reportagem emitida pelo portal de economia do Estadão informa que a receita líquida da empresa, também investidora no segmento educacional a partir de escolas-modelo, foi de R$ 12,550 bilhões entre janeiro e março de 2010, mais de 35% acima do assinalado no período igual de 2009.

A empresa assegura que a alta ocorreu em virtude da compra da Pilgrims’s Pride e da incorporação do Bertin, contribuindo, inclusive, para a redução de despesas, abaixo 17,8% em relação ao trimestre inicial do ano passado se comparado aos três meses inaugurais de 2010.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Estadão


A Google, considerada a maior empresa operante na rede mundial de computadores, tem conquistado, mês a mês, ano a ano, alta em seus lucros líquidos. Desta vez, o primeiro trimestre deste ano foi superior, nesse quesito, em 37% ante os três primeiros meses de 2009.

Segundo a empresa, o faturamento no período especificado ascendeu 23%, ao mesmo instante em que o lucro operacional foi 32% acima do período igual do ano passado. Patrick Pichette, responsável de finanças da empresa, pondera que o aumento nas receitas se deve à presença dos negócios em todas as regiões e áreas do globo.

Os cliques pagos, que serão auditados em breve, representam um bom rendimento à companhia segundo o portal de notícias G1, tanto que cresceram cerca de 15% de janeiro a março de 2010 em comparação aos mesmos meses do ano passado.

Confira mais dados sobre a matéria aqui.

Por Luiz Felipe T. Erdei


A crise financeira mundial foi um dos eventos mais sufocantes dos últimos tempos, levando, inclusive, inúmeras companhias de grande porte à redução de lucros e, vez ou outra, prejuízos, bem como a falência de micro e pequenas empresas espalhadas pelo mundo. Inúmeros setores sofreram, também, com perdas em importação e exportação.

O JBS Friboi, considerado o maior grupo de proteína animal do planeta, finalmente conseguiu se livrar de maus momentos. No último trimestre de 2008, por exemplo, o prejuízo angariado foi de R$ 53,2 milhões, porém, nos últimos três meses do ano passado, o lucro líquido assinalado alcançou aproximadamente R$ 128 milhões.

De acordo com o Portal de Notícias G1, Joesley Batista, presidente do grupo, avalia que as melhorias no mercado daqueles países em que a empresa tem seus produtos como destino foi um dos principais motivos para JBS transformar prejuízo em lucro.

Para saber mais, acesse aqui.

Por Luiz Felipe T. Erdei


A concorrência vista no comércio farmacêutico possibilita que o cidadão opte por um determinado ponto que melhor apresente preços, variedades ou, simplesmente, por meta comodidade. A Drogasil, por exemplo, é uma das boas possibilidades dispostas em ruas ou em shoppings.

E como a palavra é concorrência, economia não pode passar despercebida. O ano passado representou para a rede acima citada bons motivos de comemoração, pois houve um lucro líquido, de acordo com o Portal de Economia UOL com base em informações do Valor Online, de R$ 74,6 milhões, um salto de 45,8% ante 2008 à Drogasil.

A venda de medicamentos executada pela rede apresentou, também, ascensão, mas de 34,5%. Os não-medicamentos, ou seja, produtos de perfumaria, higiene pessoal etc., conquistaram, também, aumento, porém menor, de 30,9%.

No final do ano passado um dos setores que melhor se saiu após a crise financeira foi a área envolta em produtos e equipamentos médicos. A indústria farmacêutica, pelo visto, tenderá a obter um crescimento cada vez mais notável durante este ano. Se a economia não sucumbir, esta é uma área a ser bem investida.

Para conferir outros dados do segmento, acesse aqui.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Na início deste mês a empresa Energias do Brasil (negociada sobre o ticker ENBR3) divulgou resultados referentes ao quarto trimestre de 2009, bem como o acumulado do ano.

Os resultados mostraram avanço do lucro líquido, com alta de 74,5% em relação ao mesmo trimestre de 2008 e 60,8% se comparado ao acumulado de 2008.

A empresa, com base nesses resultados, prevê o pagamento de dividendos aos acionistas no valor de R$296,3 milhões, que dependem ainda de aprovação em Assembléia Geral para serem distribuídos ainda nesse ano de 2010.

A empresa atua no setor de utilidade pública, gerando, distribuindo e comercializando energia elétrica. Possui unidades de geração de energia elétrica nos estados do Tocantins, Ceará, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina, atuando no segmento de distribuição de energia nos estados de São Paulo e Espírito Santo. Para saber mais, clique aqui .

Créditos: Cris Keller


Em 2009, o lucro do Banco do Brasil atingiu R$10,15 bilhões, sendo o maior lucro de um banco já registrado pela história, no Brasil. O banco não só superou o seu último resultado, de R$8,803 bilhões, em 2008, apresentando um crescimento de 15,2%; como também superou o outro maior resultado do ano de 2009, do Itaú Unibanco, que foi de R$10,067 bilhões.

Esse crescimento foi impulsionado pelo segmento ‘pessoa física’, que apresentou um aumento de quase 90% nos seus financiamentos. Além disso, houve uma diminuição da inadimplência, que chegou a 3,6% em setembro, mas que recuou para 3,3% em todo o terceiro semestre.

Com isso, no fim de 2009, os ativos totais do banco aumentaram cerca de 36%, chegando a R$708,549 bilhões.


A Net, conhecida operadora de TV a cabo, internet e telefonia encerrou o último trimestre de 2009 positivamente. Nos últimos três meses de 2008, a empresa havia terminado o ano com um prejuízo estimado em mais de R$ 75 milhões, mas no período mensurado anteriormente, o lucro líquido verificado alcançou as cifras de R$ 306 milhões.

Em reportagem veiculada pelo portal de Notícias G1, 2009, como um todo, representou um lucro líquido de R$ 736 milhões à companhia, muito superior, então, a 2008, que teve apenas R$ 20 milhões nesse ponto de vista.

Segundo a própria empresa, os dados positivos ocorreram em virtude do reflexo nas melhorias do sistema operacional da NET e o importante impacto da variação cambial adotada no país.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Diferentemente de empresas como Ericsson e Sony – para efeito exemplificativo –, a Samsung Electronics divulgou que encerrou suas atividades do ano passado com um lucro líquido 75% maior que 2008. As vendas, no mesmo período citado, atingiram pouco mais de US$ 114 bilhões.

Por conta desse resultado extraordinário, o Portal de Economia UOL, em paráfrase à agência de notícias EFE, revelou que as informações apregoadas pela Samsung foram maiores, em vendas, que a norte-americana Hewlett-Packard (HP) e a empresa de origem alemã Siemens.

A receita total da Siemens em suas vendas pelo globo inteiro foi de quase US$ 117,5 bilhões, enquanto a HP somou exatamente US$ 114,6 bilhões. Ainda de acordo com o UOL, a companhia pretende manter os bons resultados obtidos no transcorrer de 2009 para este ano.

Para tanto, a Siemens almeja aumentar as vendas de telefones em 10% – atualmente, quatro em cada dez telefones vendidos no globo pertencem à Samsung.

Leia mais sobre o assunto aqui.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Grande parte das montadoras espalhadas pelo mundo conseguiu bons resultados diante da crise financeira. Há pouco, a fábrica Ford divulgou que conquistou seu primeiro lucro líquido desde 2005, permitindo, inclusive, que 2010 seja avaliado como um ano de maior participação no mercado e de melhor recuperação nas vendas de veículos aos Estados Unidos.

Segundo a Agência de notícias Reuters, para identificar seus ganhos, a Ford divulgou que o lucro líquido de 2009 foi de US$ 2,7 bilhões devido a cortes em custos, redução de dívidas, fortes resultados na divisão financeira e preços cada vez mais competitivos no mercado.

A Ford, ao final das contas, tem muito a comemorar. Com os índices positivos obtidos no ano passado, ainda com chances de melhorarem em 2010 e somados aos inúmeros problemas das concorrentes General Motors e Chrysler, a montadora se deu ao luxo, de acordo com a Reuters, de não participar do resgate financeiro proposto pelo governo.

Por fim, a receita da montadora, que antes figurava exatamente US$ 29 bilhões, subiu para US$ 35,4 bilhões.

Leia mais aqui

Por Luiz Felipe T. Erdei


A Ford Motors, uma das mais tradicionais montadoras do mundo, anunciou que seu lucro líquido alcançou a cifra de 997 milhões de dólares somente no terceiro trimestre deste ano. De acordo com a companhia, corte de custos, ganho de participação no competitivo mercado e as vendas estimuladas pelo programa do governo “Dinheiro por Sucata” foram as causas positivas para esse saldo.

A Ford almeja, para daqui dois anos, ser uma empresa concretamente lucrativa. Isto segue um contra-fluxo estimado pela própria montadora, que em ocasiões anteriores, apreciava terminar ano após ano com um lucro insignificante, ou, mais otimista, com um lucro próximo do modesto.

O grupo estadunidense da montadora assinalou um rendimento, antes do imposto de renda, de 357 milhões de dólares no terceiro trimestre de 2009, o primeiro saldo positivo desde os primeiros três meses de 2005. Apesar de todos os seus ganhos, a Ford registrou uma queda em sua receita de 800 milhões de dólares, isto em relação ao resultado conquistado em 2008.

Por Luiz Felipe T. Erdei





CONTINUE NAVEGANDO: