Com negativa Ultragaz terá que pagar R$ 280 milhões de multa para Liquigás.

Nesta quarta-feira, dia 28 de fevereiro, foi reprovado pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica, o Cade, a compra da empresa Liquigás pela Ultragaz. O projeto teve uma votação contra de cinco votos e de dois a favor.

Com essa rejeição, a Ultragaz será obrigada a pagar uma multa à Liquigás no valor de R$ 280 milhões, já que essa constava em contrato no caso de que o conselho barrasse a operação.

Apesar de não ser uma surpresa, já que o Broadcast, um serviço de notícias do Grupo Estado, se antecipou aos fatos e relatou a possível reprovação do negócio, entende-se que essa foi uma operação de teor complexo desde o seu início. Isso porque a líder no mercado pretendia a compra da segunda colocada, de forma a elevar a sua participação em alguns Estados em mais de 60%.

Sendo assim, desde 2017 a Ultragaz apresentou diversas propostas em conformidade para que conseguisse aprovar a negociação. Porém, o conselho não foi convencido em um julgamento marcado pela divisão e que teve a duração de mais de cinco horas.

A última oferta do grupo e que foi apresentada oficialmente na sexta-feira passada, no dia 23 de fevereiro, previa a venda dos ativos que equivaliam a 45% do patrimônio da Liquigás. Conforme apuração realizada pelo site do Broadcast, os ativos também incluíam as marcas secundárias, como é o caso da Tropigás, as bases de abastecimento e os botijões que são grafados com as marcas.

Relatora do caso e votação

Conforme a relatora do caso, sob coordenação de Cristiane Alkmin, mesmo com a venda de quase metade da Liquigás, não havia argumentos suficientes para a proposta, já que, ainda assim, toda a concentração de mercado da Ultragaz ultrapassaria somente os 40% em alguns dos Estados tidos como meta.

Sendo assim, para Cristiane, somente estaria garantida a concorrência no mercado se fosse limitada a fatia de mercado da organização em 30% em cada unidade da federação. Para isso, todavia, a Ultra teria que negociar 65% da Liquigás, fato esse que não foi de interesse para a empresa.

Nas palavras da relatora, apesar de ser um valor alto, não é de responsabilidade do Cade a viabilização do negócio a qualquer custo, já que a sociedade pagaria pelo preço pelo programa de desinvestimento da Petrobras. Sendo assim, ao justificar o seu voto contrário, Alkmin sugeriu que seja feita uma nova venda da empresa Liquigás, porém, para uma organização que detenha menos de 10% da participação total do mercado.

Além da relatora do caso, mais quatro outros conselheiros optaram pela reprovação do negócio. São eles: João Paulo Resende, Paula Azevedo, Paulo Burnier e o presidente do Cade Alexandre Barreto. Optaram ainda pela aprovação o conselheiro Maurício Maia e a conselheira Polyanna Vilanova.

Para Vilanova, o conjunto de todos os ativos colocados diante da mesa para a proposta da compra garantem a entrada na negociação de uma organização que terá condições de criar uma concorrência saudável no mercado em que atua a Ultragaz. Sendo assim, todos os compromissos seriam suficientes para que se elimine as preocupações relacionadas com a operação, em si. Outro fato citado por Polyanna é de que a empresa compradora no negócio teria o direito a um pacote completo como contratos com clientes, suprimentos, botijões e bases de abastecimento, podendo assim atuar e concorrer com as outras imediatamente.

A conselheira rebateu ainda as críticas que foram feitas pelas concorrentes de que o Cade estaria sofrendo pressões para a aprovação do acordo, devido ao acordo feito e pagamento de multa contratual. Sendo assim, seu voto foi justificado somente pela sua própria convicção e após um profundo estudo realizado em seu gabinete sobre o caso.

Kellen Kunz


Processo de venda deverá ser finalizado nas próximas semanas.

Foi anunciado nesta quarta-feira, dia 19 de julho de 2017, pela varejista francesa de música e livros Fnac Darty, um acordo que fará a venda de suas operações no país para a Livraria Cultura.

De acordo com as informações apresentadas pela Fnac Darty, será realizada a licenciatura da marca da Fnac para essa nova empresa e será feita uma recapitalização para auxiliar a companhia a tornar melhor sua posição dentro do mercado.

Todavia, o grupo francês, porém, não deixou público o tamanho da recapitalização e também não deu demais detalhes acerca do acordo feito com a Livraria Cultura.

De acordo com informações disponíveis no site do G1, ao serem procuradas pelas equipes de reportagem no Brasil, as duas empresas optaram por não se manifestar acerca do assunto, ao menos não de imediato. A conclusão a que se chega é de que o processo de venda deverá acontecer nas próximas semanas.

Sabe-se que a operação da Fnac no Brasil engloba 12 lojas distribuídas por 7 estados do território nacional, além das atividades de comércio eletrônico. A companhia francesa está operando no país desde o ano de 1999 e atualmente está empregando cerca de 550 colaboradores. De acordo com a varejista francesa, as operações que acontecem no Brasil acabam sendo responsáveis por menos 2 por cento das vendas do grupo por ano (que são de 7,4 bilhões de euros).

A unidade da Fnac do Brasil estava no grupo de empresas do setor de varejo (de eletrodomésticos e eletrônicos) colocadas à venda após o modelo de negócios de lojas amplas e pequeno giro de estoque passou a ser cada dia mais insustentável dentro do pior período de recessão vivido no país.

Já no que se refere à Livraria Cultura, sua fundação ocorreu há mais de 70 anos e hoje em dia possui 18 lojas físicas, além da operação realizada por meio de comércio eletrônico. Em comunicado à imprensa, a companhia fez a afirmação de que a união entre esses dois grupos irá criar sinergias e valores, a partir do compartilhamento de suas culturas similares e permitirá que a Livraria Cultura possa diversificar seus negócios, somando a eles novas linhas de serviços e também de produtos.

Iris Gonçalves


Negociação deve envolver cerca de 664 milhões de euros. Objetivo da Heineken é se tornar a segunda maior fabricante de cervejas do Brasil.

A gigante holandesa Heineken divulgou nessa segunda-feira (13) um acordo feito com a empresa japonesa Kirin Holdings Company que vai permitir a compra da fabricante de refrigerantes e cervejas o mais breve possível.

O maior intuito da Heineken é se tornar a segunda maior fabricante de cervejas do Brasil e pretende expandir seus negócios em 2017 por aqui.

Segundo fontes oficiais, o valor da negociação gira em torno de 664 milhões de euros, mas a transação ainda precisa da aprovação de alguns órgãos fiscalizadores e a previsão é que tudo seja acertado até o meio do ano.

As marcas da bebida do grupo Brasil Kirin incluem a famosa marca Schin, Baden Baden e Eisenbahn, que também são conhecidas por um público mais seleto. O grupo japonês, perante comunicado oficial, informou que devido à crise econômica e os altos riscos para investimentos, além da acirrada concorrência da indústria da cerveja, tornavam o Brasil inviável para investimentos, do ponto de vista econômico. A Heineken espera que esse novo investimento aumente muito as vendas de seus produtos no Brasil, inclusive da cerveja, que já é bastante apreciada pelo seu paladar por muitos brasileiros, além de fortalecer ainda mais o nome e as marcas do grupo.

A Brasil Kirin fez um investimento total de 3 bilhões de dólares em 2011, na compra da marca Schincariol, que na época era considera a segunda maior fabricantes de cerveja do Brasil, tendo o seu nome mudado, posteriormente, para Kirin Brasil. O grupo japonês terminou o ano de 2015 amargando perdas na casa de 1 bilhão de dólares e se viu obrigado a se desfazer de uma das suas fábricas no estado do Rio de Janeiro para um poderoso grupo alemão do mesmo ramo. Em setembro do ano passado, começava as negociações com prováveis sócios investidores para tentar aumentar todas as operações na quase falida Schin e a Heineken se ofereceu para comprar o império e o martelo foi batido.

O Brasil é considerado o terceiro país em comércio de cerveja do mundo e só perde para China e Estados Unidos.

Rodrigo Souza de Jesus


Negociação entre a Dona da Maguary e a Bela Ischia pode chegar a R$ 218 milhões.

Uma importante notícia para o mercado brasileiro. A Britvic, um importante grupo britânico que é detentor da tradicional marca de sucos Maguary, fez uma oferta quase que irrecusável para uma fabricante no Brasil de sucos, a marca Bela Ischia Alimentos.

A britânica ofereceu o equivalente a R$ 218 milhões para comprar a brasileira, como forma de expansão de sua presença em todo o mercado mundial referente a sucos concentrados. A oferta acompanha um ciclo de investimentos da Britvic no País, uma vez que foi em 2015 que a mesma adquiriu a Empresa Brasileira de Bebidas e Alimentos, a Ebba, que até então comercializava o suco Maguary. A negociação, na época, foi fechada por R$ 580 milhões.

Em comunicado oficial divulgado na última terça-feira, dia 3 de janeiro, a britânica anunciou que a união com a Bela Ischia irá garantir a participação do grupo em terras brasileiras, em áreas como Minas Gerais e Rio de Janeiro. Até então, a empresa atuava fortemente somente na região Nordeste e em São Paulo.

Anteriormente, segundo fontes da Reuters, houve interesse da Britvic com a fabricante dos sucos Natural One, sob comando do empresário Ricardo Ermírio de Moraes. Todavia, não houve acerto nas negociações, fato esse que desencadeou na venda da participação minoritária da Natural One para a Gávea Investimentos.

A Bela Ischia

Presente no mercado do Brasil desde o ano de 1967, a Bela Ischia começou os seus trabalhos comercializando frutas frescas no Rio de Janeiro. Porém, após esse período, a mesma fez uma forte aposta no mercado de polpas, começando a produzir sucos com o verdadeiro sabor da fruta, levando à inauguração de uma unidade de produção em Astolfo Dutra, em Minas Gerais.

E a expansão foi tão grande que, somente no ano de 2016, a empresa teve faturamento de aproximadamente R$ 160 milhões, com lucro bruto de R$ 18,5 milhões. Garantindo a qualidade de seus produtos, a Bela Ischia aposta em pomares próprios e possui mão de obra especializada, com rigoroso controle nas frutas selecionadas.

Para o grupo britânico Britvic, há expectativas que, ainda, até o final do mês de março a empresa consiga adquirir a brasileira. Isso ocorrerá após a análise de números da organização e processo de auditoria. Resta-nos aguardar o desfecho.

Kellen Kunz


Novo Pacote de Medidas Econômicas pode regulamentar cobrança com valores diferenciados para compras feitas com cartão.

No último dia 15 de dezembro, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, marcou presença no evento realizado para a divulgação do anúncio oficial do novo pacote de medidas econômicas que será adotado pelo governo. Durante a sua participação, Henrique Meirelles tratou, entre outras questões e medidas, da regulamentação da cobrança sobre valores diferenciados em relação as compras feitas no cartão ou ainda em dinheiro. Até agora, o lojista se vê na obrigação, estabelecida por lei, a fazer a cobrança do mesmo valor que é cobrado pelo pagamento à vista tanto no cartão de débito quanto no cartão de crédito.

Segundo o ministro da Fazenda, essa é uma prática que o governo tem conhecimento de que existe, principalmente entre os pequenos comerciantes e lojistas. Entretanto, que ainda é proibida.

A mudança entrará em ação por meio de um Medida Provisória. O principal objetivo é promover a alimentação do comércio com a hipotética redução nos valores que são pagos pelos consumidores. Isso basicamente é possível porque as lojas devem taxas oscilantes que partem de 2% do valor da compra em transações que são feitas via cartão (tanto de débito quanto de crédito).

Ainda nesse sentido, Henrique Meirelles também anunciou a diminuição das taxas de juros do cartão de crédito e do prazo de pagamento ao lojista.

Em um prazo de cerca de 10 dias, segundo o ministro, o governo analisa apresentar uma solução para baixar o custo financeiro que comumente se encontra embutido, mas que quase nunca é percebido pelo usuário.

Em outras palavras, isso significa dizer que os comerciantes poderão oferecer para os seus clientes que efetuarem pagamentos à vista descontos.

O governo destaca que o pacote de medidas microeconômicas irá auxiliar para que haja uma redução dos custos das empresas. Além disso, deverá ainda aliviar um pouco as dívidas oriundas de pessoas jurídicas e físicas e promover a redução da burocracia que envolve o comércio exterior.

O ministro da Fazenda afirma que esse pacote se trata de um complemento das medidas macroeconômicas que envolvem o teto para o aumento dos gastos públicos bem como da reforma da Previdência.

No caso de serem aprovadas, o governo estima que haverá a redução de custos para o consumidor (crédito).

Por Denisson Soares


Negociação com a locadora de carros chega a R$ 337 milhões.

A Localiza anunciou a compra das operações da Hertz Brasil no início desta semana. Essa aquisição tem o valor estimado de R$ 337 milhões, em que está incluso o patrimônio líquido e dívida da companhia. Porém, essa transação financeira não se trata de uma participação societária de nenhuma das companhias.

Aquisição também terá parceria estratégica

Nesse caso, foi realizada uma aliança estratégica com a The Hertz Corporation, em que ocorrerá a combinação das duas marcas: “Localiza Hertz”. Isso incluirá também o uso da marca Localiza em aeroportos com maior fluxo do público brasileiro, como nos Estados Unidos e alguns países da Europa.

Dessa forma, os clientes da Localiza que viajarem para o exterior (com exceção dos países da América do Sul) serão atendidos pela Hertz. Os clientes desta que vierem até o Brasil serão atendidos pela Localiza.

Essa parceria entre as marcas terá um prazo de 20 anos. Caso seja favorável para ambas as partes poderá renovada por mais 20 anos.

A transação ainda está em fase de aprovação

O valor final dessa transação ainda não foi fechado, pois depende de aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Até que isso aconteça, as companhias trabalharão de maneira autônoma e independente. Após o fechamento da operação as dívidas da Hertz serão liquidadas.

Com isso, a rede brasileira receberá uma frota de aproximadamente 9.200 automóveis da empresa americana. Dentre eles, 3.700 estão voltados para a gestão de frotas. Além disso, ambas terão trocas de novas tecnologias, visando o melhor atendimento de seus clientes.

Localiza e Hertz: quem são

A Localiza é atualmente a maior rede de aluguel de carros da América do Sul, operando em 7 países e com um total de 564 agências. Sua frota total é de 136.000 carros.

Já a Hertz Global é detentora das marcas de aluguel de veículos Hertz, Thrifty e Dollar. A empresa de origem americana possui franquias em países da América do Norte, América Latina, Europa, Oriente Médio, Ásia, Austrália e Nova Zelândia. É, portanto, uma das maiores redes do mundo no segmento.

Assim, a mudança tornará a Localiza uma rede mais influente e presente em outros países, facilitando a locomoção de brasileiros nesses locais. A empresa conta com diversas tecnologias digitais que visam a facilidade durante o processo de aluguel de seus veículos.

Camilla Silva


Compra da Monsanto foi aceita após Bayer oferecer US$ 128 por ação da Monsanto.

A Bayer anunciou nesta semana a compra da multinacional norte-americana Monsanto, que atua no ramo de agricultura e biotecnologia. O acordo do negócio divulgado pela Bayer envolve o montante de US$ 66 bilhões pela aquisição, que possibilitará à empresa alemã reforçar sua posição no ramo do agronegócio.

A compra da Monsanto pela Bayer estava sendo esperada já há algum tempo pelo mercado mundial, uma vez que a companhia alemã já havia feito diversas propostas pela compra da multinacional com sede nos Estados Unidos. A primeira oferta feita pela Bayer pela Monsanto foi em 9 de maio, quando ofereceu o valor de US$ 122 por ação, que acabou sendo recusada pela Monsanto. Desta vez, o valor oferecido de US$ 128 por ação da Monsanto foi aceita, e corresponde a um incremento de 44% no valor de fechamento das ações da companhia no dia 9 de maio.

A Bayer deve levantar US$ 19 bilhões em emissões de títulos de dívidas conversíveis e angariar cerca de US$ 57 bilhões através de empréstimos em diversos bancos para pagar pela transação de compra da Monsanto. Juntas, as duas companhias tiveram receita de US$ 23 bilhões no ano passado. Os investimentos de ambas somam 2,5 bilhões de euros anuais em pesquisa e desenvolvimento nas áreas em que atuam.

A aquisição permitirá que a Bayer incremente seu portfólio, já que o principal negócio da alemã está na área de produtos voltados à saúde. Com a Monsanto, a companhia aumentará sua presença no mercado do agronegócio e biotecnologia, direcionando esforços, pesquisas e produtos, inclusive para o desenvolvimento de soluções sustentáveis para cultivo e plantações em todo o mundo.

Sobre as Empresas:

A Bayer é uma empresa alemã fundada em 1863, por Friedrich Bayer, e atua principalmente na área farmacêutica e da saúde. De acordo com dados divulgados pela companhia em 2013, o grupo emprega mais de 113 mil pessoas e possui um volume de negócios superior a 40 bilhões de euros.

Já a companhia Monsanto foi fundada em 1901 e está sediada nos Estados Unidos desde sua fundação. A empresa é líder mundial na produção de pesticida e agrotóxico, além de ser uma das principais companhias a produzir sementes geneticamente modificadas em todo o mundo. Sua intensa atuação na área de agricultura e biotecnologia é alvo de protestos periódicos de ativistas ambientais, principalmente por conta da produção de sementes transgênicas.

Por Luana Neves


Por ora, a edição desta quinta-feira debate a defasagem de small caps sobre as blue chips em 2014. O SMLL cai 6,42%, contra uma alta de 10,32% do Ibovespa no período.

As small caps estão simplesmente abandonadas em Bolsa, com o fluxo muito concentrado em nomes mais líquidos. Veja, por exemplo, como se comportam os fundos de investimentos em empresas pequenas no ano – mesmo gestores formidáveis estão perdendo dinheiro. A culpa não é deles – há exceções claro -, mas do péssimo momento para small caps.

Honestamente, não acho que a dinâmica vá mudar no curto prazo. As pequenas devem continuar largadas, pois Brasil virou um call de fluxo, que vem atraído, por ora, apenas por suposições, precipitadas ou não, de que a oposição pode ganhar a eleição.

Seja como for, grandes discrepâncias não podem durar para sempre. O investidor de longo prazo já pode garimpar excelentes oportunidades geradas pelas menores abandonadas.

Créditos: Felipe Miranda, CNPI (Empiricus Research)


Esta semana o Facebook, a rede social mais conhecida do mundo, divulgou um comunicado oficial informando que chegou a um acordo com a Oculus VR para adquiri-la. Esta companhia atende serviços de tecnologia em realidade virtual e o Facebook quer concluir a compra com o objetivo de acelerar o crescimento dos óculos nos setores de games, comunicações e experiências sociais. A negociação está no valor aproximado de US$ 2 bilhões e a previsão é de que a transação conclua ainda no segundo trimestre de 2014.

O capital para a compra da Oculus VR vai ser dividido em US$ 400 milhões em dinheiro e 23,1 milhões de dólares serão formados em ações da rede social, que no total vale cerca de 1,6 bilhão de dólares segundo o mercado econômico. Outros US$ 300 milhões estão sendo negociados como ganhos com estrutura na conquista de bater metas estipuladas.

O fundador do Facebook e o empreendedor das negociações feitas pela rede social, Mark Zuckerberg, afirmou que o Mobile é a plataforma de hoje e agora o Facebook também está se preparando para as plataformas de amanhã. Segundo Zuckerberg o Oculus VR tem a chance de criar a melhor plataforma social e mudar a nossa forma de trabalhar, jogar e se comunicar.

Dentro da empresa da Oculus VR, que atende a demanda de tecnologia e realidade virtual, a empresa produz produtos como o Óculos Rift, um equipamento que possui uma tela de 720p e lentes especiais para um desempenho exclusivo para jogos. A pretensão de Zuckerberg é dar continuidade a esse desenvolvimento tecnológico.

Já a companhia Oculus VR declarou que: "Estamos muito animados para trabalhar com o Mark e com o time do Facebook para oferecer a melhor plataforma de realidade virtual do mundo". A afirmação foi dada pelo CEO da fabricante dos óculos e um dos fundadores da Oculus VR, Brendan Iribe.

Por Carolina Miranda


A crise econômica que está arrasando a Europa e os Estados Unidos está passando longe da China que registrou nesta segunda-feira, dia 31 de dezembro de 2012, um índice PMI para o setor de compras de 51,5 pontos.

Este valor indica um crescimento da economia chinesa e representa o maior aumento da produção industrial do país nos últimos 19 meses reforçando, assim, a confiança do mercado financeiro na recuperação da segunda maior economia no mundo atual.

Fonte: AFP

Por Ana Camila Neves Morais


O Banco Central por meio do seu boletim Focus divulgou nesta segunda-feira, dia 31 de dezembro de 2012, que a mediana das projeções para o câmbio no ano de 2013 foi modificada de R$2,08 para R$2,09.

Outras estimativas para 2013 divulgadas foram a do déficit em conta corrente de US$63 bilhões e um IED (Investimento Estrangeiro Direto) de US$60 bilhões.

Com relação ao superávit da balança comercial, o seu valor esperado para 2013 é de US$15,22 bilhões enquanto que a projeção para a dívida líquida do setor público para o próximo ano é de 34% do valor global do PIB.

Fonte: Valor Online

Por Ana Camila Neves Morais


A busca por combustíveis alternativos como o etanol nos Estados Unidos está fazendo com que os seus produtores busquem outros mercados para garantir o faturamento de suas produções.

Para isso eles estão tentando vender o produto para outros países bem como estão fazendo produtos variados com o milho como alimentos e insumos para a indústria.

Esta situação se deve ao fato de que o E85 (com 85% de etanol e 15% de gasolina) não caiu no gosto dos motoristas norte-americanos ficando, assim, em um preço mais elevado.

Por isso, é esperado que o uso do etanol enquanto combustível tenha um crescimento de menos de 1% em 2012 fazendo os agricultores do milho se voltarem novamente para o seu setor de origem: a alimentação.

Por Ana Camila Neves Morais


Mais um negócio importante foi realizado no mercado brasileiro, pois a WEG – especializada na produção de motores elétricos – informou que comprou a Paumar que fabrica tintas e vernizes.

Com esta aquisição, a WEG passa a ser proprietária da fábrica da Paumar em Mauá no estado de São Paulo em um terreno de 37,5 mil metros quadrados.

Apesar desta compra, a WEG informou que não terá nenhum tipo de direito com relação aos acionistas da empresa já que o valor da compra não irá interferir nesta questão.

Por Ana Camila Neves Morais


A Petrobrás irá registrar neste ano de 2012 o seu maior nível de déficit comercial desde o ano de 1995.

Na análise da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, a variação entre suas importações e exportações era 30% maior do que em novembro do ano anterior com 9,8 bilhões de dólares.

Deste modo, houveram mais importações de petróleo, diesel e gasolina do que exportações de óleo combustível e petróleo.

Esta situação ocorre pelo aumento do consumo de combustível pelos brasileiros que deve continuar aumentando em 2013.

Para melhorar esta situação é preciso, segundo Walter de Vitto analista da Tendências Consultoria aumentar a capacidade de refino no país para diminuir as importações, pois o Brasil exporta petróleo pesado e importa o petróleo leve por não ter as tecnologias necessárias para a sua melhoria.

Diante deste panorama, não é esperada uma recuperação na capacidade de refino antes de 2015 com a abertura da refinaria de Abreu e Lima em Pernambuco.

Por Ana Camila Neves Morais


O Banco Central divulgou dados sobre o uso de pagamento eletrônico no Brasil durante o ano de 2011.

Segundo dados da pesquisa realizada, houve uma redução de 5% o uso de pagamento por meio de cheques ao mesmo tempo em que aumentou 14% o uso de cartões – crédito e débito – na realização deste tipo de atividade.

Além disso, a autoridade bancária revelou um aumento de 63% nas transações feitas por meio de canais eletrônicos nos bancos como caixas automáticos e internet.

Fonte: EFE

Por Ana Camila Neves Morais


As empresas General Electric e Renova Energia fecharam um acordo milionário neste mês de dezembro.

A transação comercial, no valor de 394 milhões de dólares, foi referente à compra de 230 turbinas eólicas do tipo 1.68-82.5.

Esta negociação integra um plano da empresa Renova Energia para o complexo do Alto Sertão II que irá criar na Bahia cerca de 15 parques eólicos com capacidade instalada de 386 megawatts.

Com o acordo firmado junto à General Electric, a Renova Energia pretende obter a energia adicional que precisa para ativar o completo de Alto Sertão II.

O contrato fechado terá duração de 10 anos e a empresa americana irá operar as turbinas eólicas diretamente de seu centro de controles sem a necessidade de vir ao Brasil.

Por Ana Camila Neves Morais


O Banco Central realizou neste mês de dezembro a venda de dólares no mercado futuro com o objetivo de melhorar a economia nacional e diminuir aspectos negativos como aumento de juros e inflação.

Para isso, a autoridade bancária fez um leilão com a oferta de 20 mil contratos de swap cambial tradicional que consistem na oferta de dólares no mercado futuro.

Nesta transação foram concretizadas as vendas de todos os títulos ofertados com uma movimentação de 997,2 milhões de dólares.

Deste modo, foram vendidos pelo Banco Central 2,0863 bilhões nos dois leilões realizados permitindo uma liquidez de 211,3 milhões de dólares; sendo assim, a instituição bancária passou a ficar vendida por meio de swaps cambiais em dólares.

A medida surtiu os efeitos desejados pelo BC já que conseguiu manter o dólar com baixa cotação  além de evitar uma alta exagerada dos juros e da inflação no país.

Por Ana Camila Neves Morais


No mês de dezembro de 2012 foi divulgada uma pesquisa realizada na ESALQ (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz) da USP, em Piracicaba, que avaliou a oferta de alimentos orgânicos nas casas brasileiras.

Este estudo foi baseado na Pesquisa de Orçamentos Familiares do IBGE entre maio de 2008 e maio de 2009 e abordou 55.970 domicílios em todo o Brasil.

Segundo a pesquisa há uma relação direta e importante entre o aumento da renda familiar e o consumo de alimentos orgânicos.

O uso de alimentos orgânicos está aumentando cada vez mais tanto para garantir uma melhoria na qualidade de vida tanto para auxiliar na preservação do meio ambiente.

O estudo mostrou um maior consumo de produtos orgânicos de origem animal, como laticínios, em detrimento de alternativas mais baratas como frutas, verduras e legumes.

Ao analisar o Valor Energético Total que avalia a presença de macronutrientes energéticos como vitaminas, fibras e carotenóides vindos dos alimentos orgânicos consumidos foi percebido um valor baixo para todas as regiões.

Enquanto isso, a energia média diária obtida por meio destes alimentos tem uma tendência crescente que se eleva à medida que a renda familiar também aumenta.

Sobre o perfil da população que consome alimentos orgânicos ela se constitui, na maioria das vezes, em pessoas acima de 60 anos, em domicílios com poucos moradores e em um aumento na disponibilidade à medida que a renda se eleva.

Diante destas questões, a pesquisa sugere a criação de ações voltadas para fortalecer a agricultura orgânica bem como para realizar mudança de hábitos alimentares na população brasileira.

Por Ana Camila Neves Morais


O ano de 2012 está sendo um dos períodos com grande nível de dívidas dos brasileiros. Apesar desta questão, o número de pessoas que regularizam seus débitos está aumentando.

De acordo com avaliação do instituto Serasa Experian houve um número recorde de brasileiros que procuraram limpar seus nomes com um total de 16 milhões de consumidores que representou um aumento de 16,3% em relação ao ano de 2011.

Ainda segundo o estudo, esta melhoria se deve ao bom momento do setor de trabalho no país com baixos índices de desemprego e ganhos salariais acima da inflação que permitem, assim, a negociação e quitação de dívidas em atraso.

Além disso, outras iniciativas permitem a volta da credibilidade dos brasileiros endividados como feirões Limpa Nome e o serviço online da Serasa Experian chamado de Limpa Nome.

Esta facilidade pode ser utilizada desde o mês de outubro de 2012 e cria uma comunicação entre as empresas e consumidores com pendências financeiras possibilitando descontos e negociações para a quitação dos débitos existentes.

Por Ana Camila Neves Morais


Mais uma venda milionária foi realizada no ramo bancário e a negociação desta vez foi feita entre o conglomerado tailandês Dhanin Chearavanont e o banco HSBC.

A transação teve um valor final de 9,4 bilhões de dólares para a compra pelo CP Group da participação em 15,6% de uma fatia da seguradora chinesa Ping An Insurance sob o domínio da instituição bancária.

Esta ação consiste em parte da estratégia de mercado do HSBC em vender ativos da empresa que são considerados não essenciais e o grupo tailandês efetivou a compra por meio de empréstimo do Banco de Desenvolvimento da China.

Por Ana Camila Neves Morais


A crise econômica na Europa continua arrasando o velho continente e para tentar evitar efeitos mais severos para os países o Banco Central europeu informou que pode parar de comprar títulos soberanos.

Segundo a autoridade do BCE Jorge Asmussen esta ação será tomada se o programa de Transações Monetárias Diretas for criado e se algum país descumprir as suas normas.

Esta reação da autoridade bancária vem depois de experiência na compra de títulos italianos por meio do Programa de Mercados de Ativos cujas regras não foram seguidas pelo governo local.

Nesta situação o país mais beneficiado poderá ser a Espanha que espera integrar o programa de conta de títulos para reformas e cumprimento de metas orçamentárias.

Fonte: Reuters

Por Ana Camila Neves Morais


 O mercado da música está perto de concretizar mais um importante negócio, pois nesta sexta-feira – dia 14 de dezembro de 2012 – foram divulgados indícios de que a Audiogalaxy foi comprada pelo grupo criado do Dropbox.

A Audiogalaxy, empresa especializada em streaming de música teria sido comprada para que o grupo Dropbox obtivesse a recepção de informações e tivesse acesso á tecnologia usada para a criação de um serviço de streaming de mídia.

A partir desta obtenção, tudo indica que os membros do Dropbox pretendem criar serviços de streaming para concorrer com outros presentes no mercado como Google Music, iTunes Match e Amazon Cloud Player.

 O Dropbox não confirmou de forma oficial a efetivação desta compra, mas a Audiogalaxy já divulgou que irá interromper suas atividades em 2013 e que irá oferecer aos 100 milhões de usuários do Dropbox experiências novas em músicas.

Por Ana Camila Neves Morais


O Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) aprovou nesta semana mais uma aquisição importante no ramo empresarial.

Desta vez a novidade consiste na autorização para a Ri-Happy comprar a PBKids sem nenhum tipo de restrição.

O início da operação ocorreu em junho de 2012 e para o Cadê o mercado e brinquedos no Brasil ainda não tem barreiras para a entrada de novas empresas e existe rivalidade suficiente para evitar tentativas de dominar este mercado específico.

Agora, a transação entre as empresas terá prosseguimento com a concretização do negócio com valores não revelados para a imprensa.

Fonte: Valor Online

Por Ana Camila Neves Morais


A CNI (Confederação Nacional da Indústria) divulgou nesta quarta-feira – dia 12 de dezembro de 2012 – os resultados de uma pesquisa sobre o consumo dos brasileiros.

Este estudo foi conduzido pelo Ibope e apresentou uma realidade de redução do nível de consumo no país.

Os dados foram obtidos com 2.002 pessoas em 141 município no mês de junho de 2012 e mostrou que 60% dos participantes desejam reduzir o nível de consumo.

Esta situação se justifica por diversos fatores como a crise econômica e o alto nível de dívidas dos brasileiros com 42% das pessoas estando em um limite de comprometimento das contas mensais.

Com relação a isso, cerca de 38% daqueles que possuem dívidas estão com valores atrasados e mais da metade destes consumidores estão com um volume de dívidas maior do que no ano anterior.

Ao considerar as empresas para as quais os brasileiros possuem parcelamentos ou empréstimos, a maioria (41%) são de bancos, 31% para lojas comerciais e 29% para cartões de crédito.

Outra questão interessante mostrada pela pesquisa da CNI é a pretensão de 63% dos entrevistados comprar um bem durável e que se ganhasse mais iriam aumentar seu nível de consumo.

Por Ana Camila Neves Morais


O setor de aviação brasileiro está em constante modernização e a notícia do momento neste mercado vem da Embraer.

A empresa de aviação comercial do Brasil está aguardando para o início do processo de licitação destinado à compra de jatos regionais com a American Airlines.

Segundo Paulo César de Souza e Silva, presidente da Embraer Aviação Comercial, a licitação deve ser iniciada já nas próximas semanas; no entanto, mesmo que a negociação não ocorra a empresa brasileira não irá reduzir a sua produção para o ano de 2013.

A crise na Europa está pressionando o setor de aviação comercial, mas a Embraer espera fechar o negócio com a American Airlines e espera também uma manutenção do crescimento das suas receitas no próximo ano.

Fonte: Reuters

Por Ana Camila Neves Morais


Uma informação interessante movimentou o mercado econômico nesta sexta-feira – dia 30 de novembro de 2012 – já que a Petrolífera Rosneft localizada na Rússia anunciou que irá assinar até o mês de dezembro um acordo de compra com o consórcio AAR.

Nesta negociação, a Rosneft irá comprar metade da empresa TNK-BP que pertence ao consórcio por um valor de US$ 28 bilhões.

Além da TNK pertencente ao consórcio AAR, a petrolífera Rosneft já assinou termos de compra para obter a outra parte desta empresa em uma transação com um valor total de US$55 bilhões.

Esta outra parte da terceira maior petrolífera da Rússia está hoje nas mãos do grupo britânico BP.

O negócio da Rosneft como um todo com o grupo de magnatas russos da AAR deve estar concluído já no início de 2013 fazendo com que esta petrolífera se torne uma das maiores do mundo com cerca de 4,6 milhões de barris de óleo sendo produzidos por dia.

Fonte: Reuters

Por Ana Camila Neves Morais


Por um acordo de R$ 83 milhões, a rede de lojas de varejo Magazine Luiza comprou as lojas do Baú da Felicidade (Grupo Sílvio Santos). A partir de agora, quem comandará as 121 lojas espalhadas pelos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Paraná será uma das empresas que mais tem crescido nos últimos anos, atrás apenas dos três grupos mais poderosos do ramo, que são o Carrefour, o Pão de Açúcar e o Walmart.  

O acordo foi fechado no último dia 10 de junho, mas o Magazine Luiza terá um prazo até 31 de julho para fechar o pagamento integral dessa aquisição.

As lojas do Baú deixaram de ser as mesmas há um bom tempo, fato que se agravou principalmente após o desfalque descoberto nas contas do Banco Panamericano (hoje de propriedade do BGT Pactual, que o comprou por cerca de 450 milhões de reais).

De acordo com um dos executivos da empresa, Frederico Trajano, a incorporação das lojas do Baú trará ao Magazine Luiza um reforço nos “mercados onde já atua” e aumentará significativamente a cartela de clientes da rede, favorecendo inclusive a expansão do seu e-commerce (lojas virtuais) nos Estados em que o Baú atuava.

Por Alberto Vicente

Fonte: R7


Os brasileiros têm a seu dispor momento econômico altamente viável para investimentos e compras, tanto que a Pesquisa Trimestral de Intenção de Compra no Varejo, do Programa de Administração do Varejo (Provar), assinalou que 76,2% das pessoas indagadas no levantamento almejam adquirir ao menos uma mercadoria no último trimestre, período antecedente ao Natal e demais festas de final de ano.

O índice representa alta de 0,6% em comparação ao terceiro trimestre deste ano, porém, arrefecimento de 0,8% ante os últimos três meses de 2009, ocasião em que 77% dos consultados se mostraram propensos em comprar produtos. Para Claudio Felisoni, coordenador-geral do Provar, o baque é leve, mas tem-se de levar em consideração a alta base comparativa do ano passado.

São dez os grupos de bens analisados pelo Provar, segundo o portal de Economia UOL, entre eles eletroeletrônicos, linha branca (fogões, geladeiras e máquinas de lavar), automóveis e motos, material de construção, informática e telefonia e celulares. Os itens compreendidos em Cine e Foto são os destaques, pois 14,2% dos cidadãos entrevistados almejam adquirir pelo menos uma mercadoria da categoria.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Um dos destinos mais vislumbrados pelos brasileiros, Buenos Aires é tido como um local bem atrativo e simpático. O tango, dança amplamente fomentada na Argentina, atrai atenção especial devido à sensualidade e precisão dos passos, tanto que é representada, por exemplo, por meio de competições de danças promovidas em canais de televisão do Brasil.

No mês passado, segundo dados divulgados pela Global Blue, uma das companhias locais responsáveis por operar o sistema de restituição do Imposto sobre Valor Agregado (IVA), as compras de turistas brasileiros, em Buenos Aires, aumentaram 214% em comparação a setembro de 2009.

A alta foi tão considerável, de acordo com o portal de Economia UOL, que uruguaios, chilenos, norte-americanos, venezuelanos e espanhóis não conseguiram chegar a índices semelhantes. Por outro lado, uma estatística nada positiva acompanhou o crescimento de compras feitas pelos brasileiros: foco de quadrilhas especializadas em furtar mochilas, bolsas e carteiras na capital argentina.

Em setembro, por exemplo, mais de 2,1 mil brasileiros buscaram o documento Autorização de Retorno ao Brasil (ARB), fornecido excepcionalmente pelo consulado quando são reportados casos de roubo ou perda de documentos. No período igual do ano passado, foram menos de 1,4 mil autorizações.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Um dos setores de maior crescimento e produtividade no pós-crise financeira dentro do Brasil, o ramo imobiliário tem conjeturado novas tendências, pois a classe C, que até pouco tempo não possuía com tanta veemência condições de adquirir imóveis, agora tem. O programa do governo “Minha Casa, Minha Vida” tem prestado sua participação, mas o poder de compra e o acesso mais próximo ao crédito surtem como outros dois indicadores potenciais.

Enquanto o cenário brasileiro é otimista, em termos globais isso parece estar longe de acontecer. Segundo relatório emitido pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), as expectativas para o segmento imobiliário são nebulosas e a depressão pode durar em torno de oito anos, sobretudo se considerados como base de análise Irlanda, Espanha, Estados Unidos e alguns países em situação de recuperação, como é o caso dos situados na região Ásia-Pacífico e países escandinavos.

Reportagem do Estadão assinala que nos States os investimentos no segmento residencial permanecem amplamente deprimidos em comparação a ciclos anteriores (pré-crise). A dívida imobiliária em circulação e em alguns Estados, o aumento do desemprego, são fatores que incidem atual e negativamente.

Para o FMI, há riscos de uma dupla recessão se a geração de empregos permanecer baixa no Reino Unido e nos EUA.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Já não é qualquer tipo de novidade enumerar alguns pontos que conseguem atribuir ao Brasil bons prognósticos, principalmente se o assunto em questão for a economia. Aumento das vagas formais, ampliação no acesso ao crédito e diminuição da inadimplência (dependendo da base avaliativa), poder aquisitivo em alta e projeções do Produto Interno Bruto (PIB) são os tópicos de grande relevância.

O otimismo, algo que até resume certos pontos, pode ser observado também nos gastos feitos com cartões. Em setembro, o cidadão do país gastou, em média, R$ 77 a cada compra realizada por meio desse sistema. Segundo a Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), o tíquete médio foi 2,67% acima dos R$ 75 observados no mês passado.

Os cartões de crédito lideram os gastos, de acordo com a Band Online, com média por operação de R$ 107. Os de débito, por outro lado, quase metade do valor, exatamente R$ 56. Já os cartões próprios das redes de lojas por todo o país tiveram contabilização de gastos de R$ 54 por compra.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Nesta última quinta-feira, 16 de setembro, a Hypermarcas, que detém os direitos de marcas como Pom Pom, Doril e Assolan, anunciou a compra da empresa York, num investimento de R$95 milhões, valor este que, segundo empresa, poderá sofrer reajustes.

A York atua na produção e distribuição de hastes flexíveis, algodão, curativos e absorventes e com a aquisição, a Hypermarcas detém cerca de 99% de seu capital, ação que faz parte da estratégia de se tornar a maior empresa do ramo de bens de consumo do Brasil.

No mês de agosto deste ano, a Hypermarcas adquiriu 100% do capital da Mabesa, tornando-se a partir daí, a maior produtora de fraldas descartáveis do país.

Por Elizabeth Preático

Fonte: UOL


Nesta segunda-feira, 23 de agosto, o Banco Central informou que os brasileiros tiveram um gasto de US$ 8,58 bilhões em despesas com viagens para fora do país, e com compras em sites estrangeiros, no período de janeiro a julho deste ano, o que representa um valor recorde da série do Banco Central para o período.

Com relação ao valor registrado em 2009, que foi de US$ 5,49 bilhões, os gastos dos brasileiros no exterior aumentaram em quase 60% de janeiro a julho deste ano. Já com relação às despesas de turistas estrangeiros que vieram para o Brasil, os sete primeiros meses de 2010 somaram um valor de US$ 3,37 bilhões, o que em 2009 somou um valor total de US$ 3,01 bilhões.

Por Elizabeth Preático

Fontes: Band, O Globo


O comércio eletrônico no Brasil conseguiu definitivamente transmitir confiabilidade aos consumidores. Desde o ano passado, quando parte da população temia adquirir produtos por meio da rede mundial de computadores, o valor movimentado nesse canal já chamava bastante a atenção. Há vários fatos que contribuíram e continuam a contribuir para essa expansão, entre eles diversas modalidades de pagamento, financiamento e a praticidade de ser possível comparar preços virtualmente.

Na medida em que a comercialização de acessórios distintos entre si ascendem, outra questão negativa também é configurada: aumento no número de reclamações -independente de quais. Em vista disso, o Ministério da Justiça deliberou propagar uma cartilha específica ao setor para explanar aos consumidores questões cruciais, inerentes à segurança.

Mariana Tavares, secretária de Direito Econômico do Ministério da Justiça, revelou que o intento tem por base conferir aos órgãos de Defesa do Consumidor (Procon) de todo o país uma série de pontos estritos da esfera eletrônica, antes cingidas somente pelo Código de Defesa do Consumidor. Para ela, após isso, conforme menção veiculada pelo Estadão, haverão estímulos para as pessoas adquirirem produtos em virtude da maior proteção a si.

Uma medida inédita existente somente em algumas lojas físicas é o grande trunfo das novas determinações, decorrente quando o consumidor adquire um produto, não gosta dele (ou se esse apresentar defeito), uma devolução em até sete dias pode ser feita.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Para um país ser considerado emergente ou desenvolvido, uma série de fatores é levado em consideração, tais como o potencial econômico, os índices de desigualdade e outras questões que os brasileiros ultimamente ouvem da boca dos candidatos à presidência da República: infraestrutura, educação, saúde e sistema de transportes.

Os últimos meses de 2009 marcaram uma nova tendência para o Brasil, remetendo o discurso do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, quando este afirmou ser a crise financeira mundial somente uma "marolinha". A nação tupiniquim, uma das últimas a fazer parte desse contexto econômico e uma das primeiras a sair, conquistou tal feito por meio de inúmeras medidas adotadas pelo governo e toda sua equipe.

Benefícios fiscais, certamente parte dos brasileiros não sabe do que se trata na teoria, mas na prática sabem sim. A exoneração do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) a veículos automotores, linha branca (geladeira, fogões e máquinas de lavar) e materiais de construção possibilitou o alcance de inúmeros bens, portanto, confirmando tais estímulos.

Por essas e outras características, a intenção de consumo da população do país cresceu mais uma vez, pela quarta oportunidade seguida. Segundo a Confederação Nacional do Comércio (CNC) em reportagem expedida pelo portal de notícias G1, o Índice medidor de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) saltou de 133,6 pontos para 134,4 pontos entre julho e agosto, representando consequentemente, acrescimento de 0,7%.

Os lares mais endinheirados, segundo a entidade, foram os principais responsáveis por essa elevação, que tiveram em seu favor a melhoria na renda per capita e uma maior satisfação para com o mercado de trabalho.

Contudo, nem tudo é positivo. A CNC revelou que a intenção de compras a prazo cedeu um pouco, de 145,9 pontos para 144,1 pontos do mês de julho para agosto – representando recuo aproximado de 1,2%.

Por Luiz Felipe T. Erdei


De acordo com a consultoria e-bit, os consumidores da classe C estão cada vez mais aumentando sua participação no setor de compras via internet. Isto é um reflexo do melhor poder aquisitivo e disponibilidade de crédito.

Os dados revelam que a maioria dos novos consumidores virtuais apresentam uma renda familiar de até três mil reais. De acordo com a e-bit, no primeiro semestre deste ano o número de pessoas que já fizeram pelo menos uma compra via internet chegou a vinte milhões e os consumidores da classe C já fazem parte de trinta por cento deste total.

Segundo Alexandre Umberti, diretor do e-bit, os clientes da classe C tem uma média de dois acessos à internet por ano com objetivo de aquisição de produtos. No entanto, os pedidos geralmente possuem valor alto e ocorrem após grande pesquisa de preços.

Por Elizabeth Preático

Fontes: Folha de São Paulo, W2 Websites


De acordo com pesquisa divulgada nesta segunda-feira, 09 de agosto, pelo Programa de Administração do Varejo (PROVAR) da Fundação Instituto de Administração (FIA), o terceiro trimestre deste ano terá como produtos líderes de compras através da internet os eletroeletrônicos e de informática.

A pesquisa foi realizada em parceria com a e-bit, empresa de informações sobre comércio eletrônico e a Felisoni Consultores Associados. Os resultados apontam uma elevação 6,3% no número de consumidores que pretendem adquirir produtos via internet no terceiro trimestre de 2010, em relação ao mesmo período do ano de 2009.

De acordo com o coordenador geral do PROVAR, Claudio Felisoni de Ângelo, isto reflete a confiança que o consumidor está tendo no uso do cartão de crédito, em função de um maior rendimento profissional e da estabilidade da economia do país nos últimos tempos.

Por Elizabeth Preático

Fonte: R7


Foi anunciada nesta quinta-feira, 05 de agosto de 2010, a oferta da empresa de telecomunicações Embratel para compra de 100% das ações preferenciais da operadora de TV a cabo Net.

A oferta foi feita aos acionistas de forma direta, através da chamada OPA (Oferta Pública de Ações), onde eles não precisam do aval da controladora para decidirem sobre a venda de suas ações.

O valor a ser pago por ação é de R$23,00, em dinheiro e a vista, sob o intermédio do banco Itaú BBA, e caso haja adesão de cem por cento dos acionistas da Net Serviços, o valor total investido pela Embratel será de R$4,57 bilhões.

Por Elizabeth Preático

Fontes: Folha de São Paulo, O Globo


Algumas empresas de aviação brasileiras estão investindo bastante na compra de novas aeronaves. É o caso da Azul, que possuía apenas aviões da Embraer e agora está ampliando sua frota com unidades adquiridas da ATR, em um investimento total aproximado de oitocentos e cinquenta milhões de dólares. E a Azul continua comprando da Embraer também, desembolsando duzentos milhões de dólares na aquisição de mais cinco jatos 195.

A compra de aeronaves menores de setenta lugares pela Azul visa atender regiões que possuem poucos serviços neste segmento. Já a empresa Trip, que já tinha trinta aeronaves adquiridas da ATR, agora está comprando mais duas unidades da Embraer, modelo 190, totalizando um investimento de oitenta milhões de dólares.

Por Elizabeth Preático

Fontes: Abril, O Estadão


Ontem, depois de mais de um mês de especulações, e após dizer que não estava à venda, finalmente a Palm foi comprada. E nada de HTC nem de Lenovo, quem levou a melhor foi a HP, por mais de 1 bilhão de dólares. O detalhe é que o preço por ação da empresa ficou bem acima do mercado.

A HP agora espera ampliar sua presença no mercado de smartphones e dispositivos móveis inteligentes através do sistema operacional webOS.

A Palm, que já foi a pioneira na fabricação de dispositivos portáteis chamados palmtops acabou aos poucos ficando estagnada. Com a evolução de empresas como Nokia, Samsung, HTC e Apple no mercado de smartphones, a companhia que já chegou a ser sinônimo de smartphone, começou a enfrentar dificuldades financeiras, e viu suas ações despencarem.

Assim, a aquisição da empresa por outra companhia acabou sendo a única saída para evitar a falência.

Por Maximiliano da Rosa


Em todas as redes de comunicação e aqui mesmo, neste espaço, a crise financeira mundial é fortemente mencionada, seja pelas perdas registradas por pequenas e grandes empresas, seja pela superação de muitos países no já denominado pós-crise. Entretanto, durante esse período de grande apreensão, não houve somente prejuízos.

Os consumidores brasileiros, independente se por hábito ou para esquecerem problemas, passaram a bebericar uma das bebidas mais preferidas dos adultos: a cerveja. Registros apontam, segundo a Agência Estado, que o mercado cervejeiro cresceu mais de 5% em 2009 e ultrapassou, acreditem, a Alemanha, conforme ranking mundial do setor.

Novamente, o consumo da Classe C é uma das justificativas apontadas por especialistas. Não somente isso, mas o marketing registrado e visualizado nas embalagens e a comercialização de unidades com 1 litro e 260 mililitros impulsionaram as vendas.

O faturamento das empresas, com essa ascensão, apresentou aumento de 11% somente entre janeiro e novembro de 2009 em relação ao mesmo período de 2008. Isto porque, o acréscimo médio do valor por litro chegou ao percentual de 7,3%.

Leia mais aqui.

Por Luiz Felipe T. Erdei


A cada dia que passa a compra da Cadbury por outras grandes empresas ganha novos capítulos. Desta vez, a Ferrero, de origem italiana, decidiu parar de ofertar, permitindo, assim, que a norte-americana Kraft Foods continue praticamente solitária na negociata. Conforme apregoado no início desta semana, a última oferta dada pela companhia estadunidense foi de US$ 17 bilhões.

Com isso, outras grandes no segmento de delícias e guloseimas não sabem como serão seus próprios futuros. A Hershey e a Nestlé, que também haviam se interessado pela Cadbury, pretendem deixar de lado novas propostas.

A Reuters divulgou que o atual momento é um dos últimos em que a Kraft tem a seu dispor para novas ofertas. No entanto, o mercado global crê que a norte-americana consiga estabelecer um preço, no mínimo, aceitável.

Confira outras informações aqui

Por Luiz Felipe T. Erdei


O Google é a grande “esfomeada” do momento. Parece que poucas empresas conseguem resistir à tentação de ser angariada pela gigante da internet. Recentemente, um anúncio de compra da AdMob, companhia de tecnologia voltada a anúncios em aparelhos móveis, por US$ 750 milhões foi efetivado, um dos maiores acordos cerrados pela corporação.

É perceptível e explícito que essa aquisição tem por finalidade propiciar ao Google um atendimento mais próximo e certeiro aos anunciantes, que notam nos aparelhos móveis, cada vez mais, um nicho eficaz para atingir objetivos.

Tudo leva a crer que, com isso – e com vitória –, o Google passou a se afastar um pouco do seu principal meio de obtenção de renda, que é a venda de anúncios pela rede mundial de computadores. Mesmo assim, a empresa não deixa de tentar gerar renda com o Youtube, adquirido por ela há três anos.

Por Luiz Felipe T. Erdei


A empresa Cemig assumiu que está em negociações para a aquisição das participações da Andrade Gutierrez e da Equatorial Energia no consórcio Rio Minas Energia (RME), acionista controlador da companhia Light.

No entanto, em comunicado proferido algum tempo antes, a Cemig admitiu ter dado início a estudos que visavam identificar ocasionais oportunidades de investimentos na Light, mas não citou, na ocasião, com quais empresas negociava. O novo anúncio foi um revide a um documento feito pela Comissão de Valores Imobiliários (CVM) em torno de notícias transmitidas nos últimos dias sobre as operações.

Na nova nota, a Cemig reiterou a promessa com o mercado, que é a de propagar toda informação de relevância significativa quando concretizada, mesmo que de maneira preliminar.

Por Luiz Felipe T. Erdei


A utilização do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) para a compra de ações da Petrobras foi endossada, há pouco, por Edemir Pinto, diretor-presidente da BM&FBovespa. O apoio a esta medida foi enunciado durante audiência na comissão especial da Câmara dos Deputados, esta, que pondera o projeto de capitalização da estatal brasileira.

Edemir apóia, além disso, o uso do FGTS não somente aos trabalhadores que selecionaram pela utilização do fundo na aquisição de ações no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, mas, também, aos que demonstraram a interesse em ingressar no mercado na época atual.

Para Pinto, uma das temeridades para o mercado de capitais do Brasil é o de não garantir ao trabalhador condições para o exercício de preferências, exclusivamente àqueles que já são acionistas da Petrobras e que utilizam parte do rendimento do FGTS.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Em uma transição bilionária, a Unilever anunciou a aquisição da unidade norte-americana de cuidados pessoais da Sara Lee, em valor que alcança a cifra de 1,28 bilhão de euros (atualmente 1,88 bilhão de dólares).

O investimento tem por finalidade fortalecer as operações da Unilever na Ásia e na Europa Ocidental. A aquisição é a primeira fusão da Sara Lee desde que Paul Polman assumiu o cargo de executivo-chefe da companhia. Com o pacto, a Unilever acrescentará ao seu catálogo o segmento de produtos de limpeza para o corpo, desodorantes e outros já bem conhecidos do público, entre eles Rexona, Dove e Axe.

Com isso, a Unilever conquista maior notoriedade no mercado, pois os produtos da Sara Lee possuem reconhecimento inegável ante o público. Assim, o investimento passa a oferecer um crescimento potencial para a companhia.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Os índices de inadimplência reduziram 6,9% no mês de julho em relação ao mesmo período do ano passado apesar do aumento de 2,8% em relação a junho, é o que informam os dados do Indicador Serasa Experian de Inadimplência do Consumidor. Segundo o Serasa, essa desaceleração se deve a uma melhora nas atividades econômicas e à redução das taxas de juros.

A perspectiva dos economistas para os próximos meses é de que haja uma queda gradual, fator que indica um resgate da confiança do consumidor, após um significativo aumento da inadimplência registrado especialmente no primeiro trimestre do ano em decorrência da crise econômica.

De qualquer forma, o ano de 2009 deve fechar com um acréscimo em relação a 2008, quando a economia vivia um período de crescimento.


Para comprar ações
 

Não. O limite é igual ao capital que você tem disponível para investir. Apenas saiba que comprar ações no momento mais agitado do dia é como pegar um ônibus em uma grande capital em horário de rush – uma verdadeira lata de sardinha.

Enquanto você luta para que sua ordem seja executada, existe um batalhão de investidores do outro lado que ficam torcendo pelo seu fracasso. 

E para vender as ações?
 

Você pode vendê-las a qualquer tempo, porém, existe um fator crítico para que esta seja realizada de forma rápida ou não: a liquidez do papel.

A liquidez é basicamente a quantidade de compradores dispostos em adquirir suas ações no momento que você quer vendê-las, e essencialmente no preço que você estipulou. Ações com baixa liquidez podem demorar meses para serem vendidas no preço desejado.

Geralmente as ações de primeira linha (blue chips) possuem uma boa liquidez. Na seqüência será comentado um pouco mais sobre elas.





CONTINUE NAVEGANDO: