Entenda aqui o que significa e como é o funcionamento do Mercado de Opções.

Se você é um pequeno investidor e está pensando em algo maior em seus investimentos para ganhar mais dinheiro, tenho a certeza de que você já pensou em investir em ações. Se afirmativo, podemos dizer que o negócio é lucrativo, entretanto, antes de por os pés, ou melhor, o seu suado dinheiro no concorrido mercado das bolsas de valores, é melhor você estar por dentro de alguns conceitos bastantes elementares nesta área.

Para começar, os iniciantes devem aprender o conceito de opções. Se uma determinada empresa ou uma pessoa física possui uma ação do mercado, então ela é dona de uma opção e o seu dono é o titular. São estas opções que podem ser negociadas no mercado, como nas bolsas de valores.

Estas opções podem fazer parte do leque dos chamados ativos de cada titular. Entende-se por ativos aquilo que podemos negociar e transformá-lo em dinheiro. É a parte positiva(+) de um balanço financeiro.

Quando se tem opções disponíveis, os seus titulares podem tanto vendê-las quanto comprá-las num determinado espaço do tempo, que chamamos de exercício. Elas possuem um preço que pode ser negociado em um determinado intervalo, o chamado strike price.

Algumas ações só podem ser negociadas até um determinado prazo ( sistema americano). Outras só poderão ser negociadas, ou seja, vendidas ou compradas no dia do vencimento daquele prazo (sistema europeu).

Neste ponto, devemos entender o conceito de lançador, ou seja, aquele que se compromete negociar as opções de um titular em um determinado. Entram aí as bolsas de valores, que irão receber do dono das ações um prêmio pela especulação do montante a ser negociado e o titular pode receber um valor a qualquer hora pelo risco de colocar seus ativos nas mãos daquele operador.

E quando falamos em compra e venda, como podemos entender tudo isto?

Se o lançador vai vender as ações de uma empresa, antes ele recebe um prêmio por isto e assume o compromisso da venda.

Se ações estão cotadas naquele dia da venda a R$ 50,00, por exemplo, no mercado e a própria empresa consegue comprar as mesmas ações a R$ 30,00, ele terá um lucro com a venda de seus ativos. Se o lançador percebeu que o preço iria cair e vendeu mais barato, o dono das ações apostou na subida e se deu bem. Conseguiu comprar mais barato e ganhou dinheiro no mercado.

O processo contrário também é verdadeiro. Caso o lançador se comprometa a comprar as ações de um titular, ele recebe um prêmio também. Se o preço das ações for cotado no mercado estiver abaixo do valor da venda, então o titular terá lucro ao vendê-las.

Este são apenas alguns dos conceitos básicos utilizados no complexo mundo do mercado de ações mundiais. Para quem quiser se aprofundar mais, um dos sites bastante interessantes é o Infomoney, que além de dar dicas sobre investimentos, pode esclarecer ao leitor sobre todos os conceitos e termos utilizados no mundo dos negócios.

Emmanoel Gomes


O Ibovespa respondeu positivamente após a condenação do ex-presidente Lula e encerrou o dia 12 de julho em alta.

Com a notícia de que o ex-presidente do país, Luiz Inácio Lula da Silva, foi condenado a cumprir 9 anos de prisão, pelo juiz Sérgio Moro, o principal índice da bolsa de valores de São Paulo acabou fechando em alta nesta quarta-feira, dia 12 de julho de 2017.

O Ibovespa já estava apresentando uma trajetória positiva neste dia que é posterior à aprovação da reforma trabalhista no país, pelo Senado, aumentando a alta no começo da tarde.

O índice aumentou 1,57%, chegando aos 64.835 pontos. Na semana e neste mês, a bolsa tem, respectivamente, acumulado alta de 4,03% e 3,08%. No ano, existe um avanço de 7,65%. Quanto aos destaques, a Petrobras aparece entre as principais altas, aumentando 3,9% nas ações ordinárias e 4,95% nas ações preferenciais.

O mercado de câmbio também apresentou um efeito parecido. O dólar, que já diminui para cerca de R$ 3,23, fechou em R$ 3,20.

De acordo com especialistas entrevistados pelo site do G1, diante dos desdobramentos da denúncia contra o atual presidente, Michel Temer, os mercados não apresentaram reações com tanta força. A condenação do ex-presidente Lula indica para o mercado que a operação Lava Jato, de fato, possui efeitos reais, caindo por terra as dúvidas sobre a capacidade do juiz Moro de fazer a condenação de uma grande figura pública.

É preciso ter em mente que a decisão do juiz Sérgio Moro traz ainda mais incertezas no que se refere cenário político e econômico do Brasil, de acordo com especialistas, tendo em mente que torna maiores as chances de que demais figuras políticas que estão hoje no poder também possam ser condenadas, o que inclui o atual presidente do Brasil, Michel Temer.

Sobre a Reforma Trabalhista

Antes que fosse divulgada a notícia da condenação do ex-presidente Lula, o mercado já apresentava reflexos da aprovação da reforma trabalhista, que foi feita pelo Senado Federal. Na véspera dessa aprovação, o Ibovespa chegou a 1,28%, alcançando os 63.832 pontos. Por mais que tenha apresentando uma alta maior que 1% pelo segundo dia consecutivo, os operadores afirmam que ainda é muito cedo para dar certezas de que o mercado está ingressando em uma tendência de alta.

Por Iris Gonçalves

Ibovespa em alta


No dia 11 de julho a Ibovespa operou em alta após a aprovação da reforma trabalhista que implica na modificação de mais de 100 pontos da CLT.

Apresentando um tom positivo, com amparo na aprovação da reforma trabalhista na noite de terça-feira, 11 de julho, o principal índice da bolsa paulista operou em alta ao longo do dia, apresentando o terceiro pregão seguido de ganhos.

Constatou-se que às 11h20, o Ibovespa aumentava 0,44 por cento, a 64.111 pontos, após avançar 1 por cento, que foi a máxima da sessão até então. No que se refere ao giro financeiro, constatou-se 1,95 bilhão de reais.

A aprovação da reforma trabalhista implica na modificação de mais de 100 pontos da CLT, tendo sua aprovação no plenário do Senado por 50 votos a favor e 26 votos contra, além de uma abstenção.

Confira alguns destaques da Bolsa de Valores, em especial no que se refere ao Ibovespa, nesse cenário:

· PETROBRAS PN: aumentava 2,84 por cento e PETROBRAS ON subia 2,6 por cento, tendo uma linha que demonstrava ganhos dos preços do petróleo dentro do mercado internacional. Neste mesmo radar constavam os resultados de julgamentos na CVM (Comissão de Valores Mobiliários) favoráveis à empresa, bem como a aprovação do conselho de administração da Petrobras para abrir o capital da BR Distribuidora.

· USIMINAS PNA: aumentava 2 por cento, depois que anunciou o reajuste de 10,7 por cento no valor dos laminados a quente.

· CSN ON apresentava alta de 1,16 por cento, ao passo que a GERDAU PN aumentava 0,73 por cento.

· BRADESCO PN crescia 1,82 por cento, auxiliando no tom positivo do Ibovespa em função do peso na sua composição.

· ITAÚ UNIBANCO PN apresentava uma leve queda de 0,32 por cento, com investidores analisando a decisão da superintendência-geral do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), sobre a recomendação para aprovar a aquisição das operações de varejo oferecidas pelo Citibank.

· GPA PN apresentava uma valorização de 0,42 por cento e depois fez o registro de alta de 9 por cento na receita líquida do segmento de varejo alimentar.

· VALE PNA baixava 0,46 por cento e VALE ON apresentava diminuição de 0,7 por cento, dando de volta os ganhos observados mais cedo e estando na contramão do desempenho dos contratos futuros de mineração de ferro na China.

Por Iris Gonçalves

Ibovespa em alta


Confira aqui as ações de empresas indicadas pelas Corretoras neste mês de abril de 2017.

Para um ano recém-saído de um período de turbulências econômicas, 2017 parece dar mostras de quem poderá iniciar um período mais calmo, porém, com muitas surpresas ainda. Um exemplo disto é a reação no mercado econômico de papéis de empresas que foram alvo de muita polêmica no ano passado.

Um exemplo daquilo que promete ser uma da maiores surpresas em 2017 é crescente valorização das ações da Petrobras, cujo aporte de valores foi recomendado por quase 100% das corretoras de valores no país. Em segundo, se destacou o Itaú Unibanco e em terceiro a B3.

A indicação da estatal brasileira de petróleo foi corroborada pela Bradesco Corretora, que justificou o fato de que os preços do barril foram mantidos no mercado internacional, assim como o fato da recuperação da empresa no mercado internacional frente aos problemas judiciais enfrentados com a justiça dos Estados Unidos.

Segundo a avaliação da corretora, a Petrobras mostrou uma ampla recuperação, em virtude da adoção de políticas internas de reestruturação e corte de gastos, o que auxiliaram na eficiência em manter uma produção adequada de barris de petróleo, o que ajudou a manter estável a sua cotação internacional. Isto levou a uma recuperação de sua credibilidade frente aos investidores e possibilitou a sua reabilitação como estatal de peso frente ao mercado mundial.

A avaliação positiva do Itaú Unibanco feita pela Citi Corretora mostrou que a o balanço positivo da instituição publicado neste ano mostrou um lucro que deu maior credibilidade e estabilidade frente ao mercado econômico. O seu capital positivo mostrou aos investidores que o lucro é certo para uma organização bancária que é capaz de crescer através de um investimento próprio.

Para a B3, a sua avaliadora concluiu que a fusão da Bovespa, da Cetip e da BM&F, geraram um patrimônio positivo e um retorno garantido de lucro aos seus investidores, o que a credencia como uma das melhores ações para se investir atualmente no mercado, ao lado da Petrobrás e do Itaú Unibanco.

Emmanoel Gomes


Dólar disparou e Bolsa de Valores caiu com a possibilidade de Lula ser nomeado ministro no governo de Dilma Rousseff.

Nos últimos dias um verdadeiro vendaval passou por Brasília, no Governo de Dilma Rousseff, graças à delação de Delcídio do Amaral, os protestos contra o governo, a possível prisão do ex-presidente Lula, além da crise econômica já sabida por todos. Para tentar amenizar os problemas e evitar a prisão de Lula, Dilma deve nomear nos próximas dias o ex-presidente como Ministro de seu governo, o que gerou uma péssima recepção do mercado econômico.

O dólar disparou na terça-feira, 15, com a notícia da possível nomeação de Lula a um Ministério, o que barraria as investigações da Lava Jato, comandadas por Sergio Moro, que pode até mesmo declarar prisão preventiva a Lula nos próximos dias, exatamente pelas investigações em que Lula está envolvido, no caso do Tríplex, graças ao foro privilegiado.

O dólar que já vinha em queda, acabou tentando alta recorde para os últimos meses. Em Março, principalmente após os primeiros dias, quando Lula foi interrogado pela Polícia Federal, a moeda norte-americana sofreu com uma desvalorização de 6,01%, o que acabou caindo por terra nesta terça-feira.

A moeda teve alta de 3,03% em relação ao real, fechando com o preço de R$ 3,7600 no caso de compra e R$ 3,7630 nos casos de venda de dólar. A moeda oscilou durante o dia com alguns períodos de baixa e outros de alta, e nem mesmo a notícia da delação de Delcídio, que revelou que Aloizio Mercadante tentou barrar sua delação com ajuda política e financeira, bem como sua declaração, de que Dilma teria escolhido Lula para barrar a Lava Jato, foram capazes de conter a alta do dólar. Desde 13 de Outubro do ano passado, o dólar não sofria uma valorização tão grande em relação ao real, quando bateu uma alta de 3,58%.

Bem como o dólar, o Banco Central sofreu uma grande desvalorização com a possível nomeação de Lula, apenas na terça-feira, a perca foi estimada em 13,5 bilhões de reais em relação ao seu valor de mercado. O Ibovespa também sofreu com quedas, fechando com uma queda de 3,56%, sendo a sua segunda queda seguida, gerando também uma redução nos valores no mês de Março em relação aos números de Fevereiro, em 10,13%.

Por Paulo Henrique

 

Economia


As ações da CSN, Hypermarcas e Petrobras foram as que mais valorizaram no dia. O dólar encerrou a R$ 3,7705, com queda de 2,39%.

A Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) finalizou com alta forte nesta terça-feira, dia 03 de novembro. Após o feriado, os investidores realizaram alguns ajustes e comemoraram com notícias corporativas positivas, o que promoveu uma grande disposição nos estrangeiros para tomar ativos de risco.

O Ibovespa, considerado o principal índice de ações na bolsa, fechou com alta de 4,76%, aos 48.053 pontos. Esta foi a maior alta diária desde 21 de novembro de 2014, quando houve uma subida de 5,02%. Isso ocorreu na mesma época que o Ministro da Fazendo, Joaquim Levy, foi o mais cotado para ocupar o cargo atual.

A alta do Ibovespa de hoje ampliou os ganhos do desempenho positivo dos ADRs (American Depositary Receipts) no feriado.

O mercado ainda espera a votação do projeto da repatriação na Câmara dos Deputados e o envio da defesa do Governo da Presidente Dilma ao senado em relação às “pedaladas fiscais” apuradas.

O dólar fechou a R$ 3,7705 a venda com uma queda de 2,39%, totalizando uma baixa de 8 centavos comparado a última sessão. É a maior queda do dólar comercial desde 24 de setembro do ano corrente.

O pregão foi caracterizado pela disparada das ações da CSN, Hypermarcas e Petrobras.

O volume financeiro do pregão foi notável, somando cerca de R$ 8,9 bilhões.

A ação da Hypermarcas, com uma valorização de 21,14%, liderou as altas desta terça-feira. A valorização foi reflexo do acordo apreçado em R$ 3,8 bilhões para vender a divisão de cosméticos para a Coty.

A CSN ON superou a queda de 11,8% da semana passada e avançou com mais de 16% de aumento.

A Petrobras também finalizou o dia com uma considerável alta. O aumento nos preços do combustível contribui para o momento positivo, mesmo com as notícias sobre a possibilidade de paralisação dos trabalhadores e os consequentes impactos na produção.

Outro destaque do dia foi a alta da BM&FBovespa, que chegou a uma valorização de aproximadamente de 9%, após divulgar que está negociando a fusão das operações com a Cetip.

Outra ação que chegou a subir foi a do Itaú Unibanco, aumentando mais de 6% após informação sobre o lucro líquido de R$ 5,945 bilhões no terceiro trimestre.

Com relação às piores baixas registradas, as ações da JBS  e BRF lideraram com mais de 2% de queda.

Apesar de fechar o dia com forte alta, a bolsa brasileira concentra uma perda de 3,91% no ano.

Por Bruna Rocha Rodrigues

Bovespa


Governo anunciou que vai cortar gastos e aumentar as receitas vindas de impostos e isso impactou na Bovespa do dia 14 de setembro, que encerrou o dia em alta.

Foi divulgado na última segunda-feira, dia 14 de setembro, que a Bovespa conseguiu fechar em alta, depois que foi anunciado o corte de gastos com relação ao Governo e ao mesmo tempo o aumento com relação às receitas provenientes dos impostos, que por sinal são direcionados para cobrir uma parte do déficit do orçamento do próximo ano (2016).

O que significa todas essas informações acima mencionadas?

Significa que as principais mudanças nessa regra são o corte de gastos que chegou à marca de R$ 64,9 bilhões, além de um aumento de receita, mas em outro ponto (menos favorável) temos situações muito preocupantes, pois para o ano de 2016 vai ocorrer a suspensão de concursos públicos e também o funcionalismo público vai ter o reajuste salarial de inúmeros profissionais adiado.

A Bovespa está em alta, mas outros mercados enfrentam uma situação oposta como as bolsas da Europa que ficaram em queda, deixando muitos profissionais do mercado financeiro em posição de alerta e também de olho na expectativa do primeiro aumento com relação aos juros justamente dos EUA nessa última década.

Com tudo isso acontecendo temos ainda no território brasileiro as expectativas com relação às ações de importantes empresas que uma hora estão em alta e em outros momentos essas mesmas ações chegam a registrar uma baixa como, por exemplo, a Petrobras, famosa nos últimos meses por problemas como a investigação da Operação Lava Jato. No dia 14 havia poucas chances de ocorrer alguma alteração na sua situação perante o mercado financeiro, mas ela conseguiu fechar em alta.

A Vale do Rio Doce, a CSN, a Gerdau e ainda a Usiminas são alguns exemplos de empresa que sofreram queda, enquanto que empresas como o Banco do Brasil, o Itaú Unibanco e o Banco Bradesco conseguiram ter uma valorização nas suas ações e acabaram chegando a cifras com altas que vão de 4% até quase 6%.

Por Fernanda de Godoi

Bovespa


Algumas ações e dividendos são as melhores opções para lucrar mais no mês de agosto.

Quem investe na bolsa de valores deve estar sempre atento às projeções para este mês, para fazer bons investimentos e obter o máximo de lucros que puder. Algumas ações são altamente recomendadas para o mês de agosto, segundo 20 corretoras famosas pesquisadas pela revista Exame.com. Confira quais são:

Itaú Unibanco e Ambev:

14 das 20 carteiras indicaram as ações do Itaú Unibanco e da Ambev que lideram a preferência dos investidores para o mês de agosto.

O Itaú (ITUB4) teve alta recomendação, pois o banco teve um aumento de spreads, ou seja, a diferença entre o pago para captar seus recursos e o cobrado ao cliente ao conceder um empréstimo. O aumento dos spreads do Itaú foi impulsionado pelo aumento da Taxa Selic e é um dos fatores pelos quais o banco possui bons resultados para os investidores.

Já a Ambev (ABEV3) teve bons resultados no segundo trimestre do ano, segundo o relatório Planner. E Apesar do registro de uma pequena queda na venda de cervejas no país a fabricante conseguiu mesmo assim elevar seu lucro durante o período e é uma excelente aposta de investimentos para o mês.

Suzanno:

12 das 20 carteiras sugeriram as ações da Suzanno (SUZB5) para o corrente mês. Segundo os analistas, os papéis da empresa se beneficiam muito com a alta do dólar, pois grande parte de sua produção (celulose e fibra de eucalipto) é vendida em outros países e boa parte de sua receita é recebida em dólar.

Boas pagadoras de lucros (dividendos):

A revista Exame.com também pesquisou quais as ações melhores pagadoras de dividendos para o mês de agosto. Dentre estas podem estar algumas que não têm tanta variação no seu capital, mas que oferecem bons lucros aos investidores. A pesquisa contou com 12 corretoras do mercado de ações.

As empresas que pagam dividendos aos acionistas geralmente são líderes de mercado e altamente estáveis (geralmente da área de energia ou financeira) e, portanto, não sofrem tantas alterações na bolsa, como as outras empresas cujo capital oscila de acordo com o cenário econômico do país. Os investimentos nessas carteiras são recomendados para investidores mais tradicionais, que não querem correr tanto risco com as variações de mercado.

Alupar – Transmissora e geradora de energia: Ocupa o primeiro lugar de 8 dentre as 12 pesquisadas.

Telefônica Vivo: Ocupa o segundo o lugar no ranking das que mais pagam lucros aos seus investidores.

– Em terceiro lugar empatam as empresas: BB Seguridade (seguradora do Banco do Brasil) e a Valid, empresa que atua no setor de certificação digital e meios de pagamento informatizados.

Seja em meio de Dividendos ou ganho de capitais o importante para quem aposta em investimentos na Bolsa de Valores é acompanhar de perto não só o cenário econômico do pais, mas também o histórico das empresas e suas notícias internas, como forma de se prevenir de perdas de grandes quantias.

Por Patrícia Generoso

Bolsa de valores


Bolsa de Valores encerrou o dia em alta influenciada pela valorização das ações da Vale. Índice encerrou em alta de 1,95% com 55.617 pontos.

A quinta-feira (23/04) teve um resultado melhor do que muitos na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), que fechou em alta de quase de 2%. A alta foi alavancada principalmente pela valorização de mais de 9% dos papéis da Vale, após o aumento do preço do minério de ferro e dos dados de produção da companhia. O Ibovespa subiu 1,95% a 55.617 pontos no fechamento, sendo a primeira vez que opera acima dos 55 mil pontos em 2015.

A Vale, responsável pela alta, divulgou pela manhã, a produção de 74,5 milhões de toneladas de minério de ferro no primeiro trimestre de 2015. O que representa um aumento de 4,9% em relação ao mesmo período do ano passado. Além dela, os bancos também tiveram participação, com destaque para o Itaú que fechou com alta de 2,74% e o Banco do Brasil, com 4,05%.

A Petrobras também fechou em alta, apesar do balanço apresentado com prejuízo de mais de R$ 20 bilhões. Os ADR's (American Depositay Receipts) que correspondem as ações On tiveram ganhos de 5,26% e foram cotados a US$ 9,40. Já os ADR's que correspondem aos papéis preferenciais tiveram uma leve queda de 0,34%, chegando ao valore US$ 8,68.

Após a divulgação do balanço auditado, o presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, disse que a gerência da companhia irá se reunir para realizar o que ele chama de "revisitação do seu plano de negócios e uma mudança em sua prática de governança para os próximos cinco anos". A intenção é mudar a forma como são tomadas as decisões e iniciar soluções importantes.

Com os resultados, o Dólar operou em leve queda frente ao Real, 0,89% ao total, sendo cotado a R$ 2,98. Esta foi a primeira vez que a moeda americana ficou com cotação abaixo dos R$ 3 desde o início de março. 

Por Robson Quirino de Moraes

Bovespa


Bovespa fechou o dia com alta de 0,26% a 53.802,66 pontos

O Ibovespa, índice de destaque da Bolsa Brasileira, terminou com elevação de 0,26% na quinta-feira (9), a 53.802,66 pontos. É o índice mais elevado em mais de quatro meses, sendo desde 28 de novembro do último ano, no momento que a pontuação foi de 54.664,36. A elevação corta uma série de duas quedas. No dia antecedente, o nível tinha caído 0,13%, a 53.661,11 pontos.

A elevação da quinta foi impulsionada pelos lucros das ações da Petrobras. O mercado continua na perspectiva de que o balanço auditado da companhia, com base no último ano, seja anunciado nos dias seguintes. De acordo com reportagem do jornal “Folha de S.Paulo”, a postagem poderá ocorrer até o dia 20 de abril.

As ações de preferência da empresa (PETR4), com preferência na distribuição de dividendos, ampliaram 9,06% a R$ 11,56. As ações ordinárias (PETR3), com base no voto em assembleia, aumentaram 9,28%, a R$ 11,54.

O dólar comercial aumentou 0,47% e terminou em R$ 3,071 na venda. Trata-se do menor valor de encerramento desde 5 de março, no momento que o dólar tinha o valor de R$ 3,012. Na sessão antecedente, a moeda tinha caído 2,48%, a R$ 3.056 na venda, sendo o valor mais inferior em mais de um mês.

As Bolsas da Europa de destaque terminaram em elevação, depois do anúncio de informações positivas a respeito do ramo automotivo. A maior elevação ocorreu na Bolsa de Portugal, com 1,96%. O mercado de ações no território francês aumentou 1,4%, e no território inglês, 1,12%. A Bolsa de Frankfurt aumentou 1,08%, a do território italiano avançou 0,96% e a do território espanhol subiu 0,68%.

As Bolsas da Ásia e do Pacífico terminaram em queda, exceto as Bolsas do Japão e de Hong Kong. As Bolsas do território chinês caíram 0,91%, e no território australiano, 0,48%. O índice Nikkei do Japão aumentou 0,75% e a Bolsa de Hong Kong aumentou 2,7%.

Por Felipe Couto de Oliveira

Bovespa


Bolsa de Valores registrou queda de 0,04%, aos 51.224 pontos

No último dia de março, a Bovespa teve uma nova queda e, assim, no acumulado do mês o resultado foi que a Bovespa fechou o mês de março no vermelho. A Bovespa ficou com uma variação para menos, em 0,04%, somando 51.224 pontos e a queda foi de 0,8% para o referido mês.

Os bancos privados até que apresentaram um bom avanço, mas a Petrobras continuou incerta e mesmo com uma leve melhora, o que pesou de fato foi a Vale, devido ao minério de ferro ter renovado a US$ 51 dólares a tonelada, que é uma mínima histórica e, assim, o mês de março que já não era bom para a Bovespa acabou fechando em queda.

O Ibovespa teve uma variação de 0,18% negativa, chegando só a 51.150 pontos, fechando também terça-feira (31) também em queda.

Levando em consideração o primeiro trimestre de 2015, o Ibovespa teve uma alta de 2,29% mas este bom desempenho não ajudou muito quando nos referimos ao mês de março, que apresentou uma queda de 0,84%.

E de acordo com Marcello Paixão, que é um dos sócios na Principia Capital Management, o resultado do Ibovespa para o mês de março só não foi pior graças a uma indicação mais tranquila em relação aos juros do FED – Federal Reserve – que é o Banco Central dos Estados Unidos, porque se não fosse isso, a queda no mês de março teria sido muito mais amarga.

E para o mês de abril a expectativa não é nada boa, pois infelizmente a Bovespa continua muito vulnerável às commodities e um dos motivos é a desaceleração no crescimento da China. A mudança de perfil neste crescimento por lá, resulta negativamente aqui na Bovespa.

A maior queda do Ibovespa no mês de março foi da ALL, que neste mês de abril deu lugar aos papéis da Rumo, lembrando que continua o processo de união entre elas. Outras empresas que mais contribuíram para a queda foi a Gol, a Vale PNA, Marfrig, Vale ON e a Bradespar. Só a Gol teve uma queda de 4,75% com um prejuízo líquido bem acima do que era esperado e as previsões para o decorrer do ano não são nada boas. Já o recuo da Eletrobras foi de 2,86%.

Por Russel

Bovespa


Índice avançou 2,29% motivado pelos papéis dos bancos privados

Depois de fechar a semana em baixa, com uma queda de 3 pontos percentuais, a Bovespa iniciou a semana muito bem: atuando em alta e recuperando o patamar dos 51.000 pontos (mais precisamente 51.243). O índice avançou em 2,29%, tendo como principais contribuições positivas os papéis dos bancos privados – 2,10% do Bradesco e 3,37% do Itaú – com suas ações, juntas, correspondendo à quase 20% do índice.

Outros pontos favoráveis e positivos que ajudaram o mercado acionário foram os discursos do ministro da Fazenda, Joaquim Levy e da presidente Dilma Rousseff, nessa segunda-feira (30), que se mostraram muito alinhados, principalmente após uma fala do ministro sobre a presidente ter gerado certo burburinho – mas depois seguiram a mesma linha. 

O que também favoreceu e motivou os negócios no dia foram as expectativas sobre novos estímulos econômicos na China, bem como os papéis da Petrobras, que apesar de ainda se aguardar os resultados da auditoria do balanço da estatal, fecharam em alta de 3,62 pontos percentuais, e as ordinárias tiveram um avanço de 4,01%.

As ações do grupo Gerdau que haviam tido uma queda de aproximadamente 10% na sexta-feira, recuperaram-se, tendo uma alta de 4% – o motivo da queda de sexta-feira foi pela citação da empresa como uma das investigadas pela Polícia Federal e Receita Federal, na operação Zelotes, sob suspeita de manipulação envolvendo bilhões em julgamentos no Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais).

Quem também fechou em alta foi a Companhia Energética de São Paulo, com 6,48%, isso depois de ter disparado 11% nos primeiros negócios, devido ao aviso de distribuição de dividendos (R$ 1,58 bi) e repercussão de balanço.

E para finalizar o rol de boas notícias, sob o fato de ter recebido um pedido de 17 E-jets do grupo Air France-KLM, a Embraer também teve uma alta, de 2,55%. Estima-se que o valor dessa negociação seja de 764 milhões de dólares.

Bons ventos sopraram para a Bovespa nesta segunda-feira, vamos ver o que reservam os próximos dias.

Por Elia Macedo

Bovespa

Foto: Divulgação


Ibovespa recuou 2,47%, atingindo 50.579 pontos

Foi preocupante o fechamento da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) de quinta-feira (26/03). Após ter tido uma leve alta no dia anterior, fechou na quinta com uma forte queda. O seu principal índice de ações, o Ibovespa, recuou 2,47%, aos 50.579 pontos.

Essa queda na bolsa seguiu o que aconteceu nos mercados externos, as perdas, e foi também um reflexo das perdas das ações da Petrobras, que também fecharam em queda. Aponta-se como uma das causas a realização de lucros por investidores, por ocasião da alta da véspera. O que isso significa? Que houve venda de ações por valores mais altos que os da compra. As preferenciais da Petrobras haviam fechado na véspera em aproximadamente 5%, permeadas pelas expectativas da divulgação do balanço da estatal.

Nem o fato do petróleo ter tido uma alta de 4% nos mercados internacionais amenizou a queda de 5% dos papéis da estatal. Outro fator que contribuiu para a queda, segundo a Reuters, foram as expectativas com relação à reunião do Conselho de Administração da Petrobras, no RJ, na quinta-feira, quando o andamento do que está sendo feito para fechamento dos resultados financeiros auditados seria apresentado.

Outro fator que contribuiu para a queda do índice, foi a queda de 6,2% das ações da empresa de educação Kroton, logo que o ministro interino da Educação, Luiz Claudio Costa, afirmou que o governo não garantia que o Fies disponibilizará vagas novas para o segundo semestre. No entanto, as ações da Estácio tiveram uma alta de 0,94%, que reverteu um pouco o quadro.

O Bovespa também sofreu pressão do quadro externo, com o ataque da Arábia Saudita ao Iêmen, o que amparou a realização de lucros no pregão europeu, além da queda em Wall Street.

Os papéis da Telefônica Brasil também recuaram – mais de 3,5%, devido à aprovação de oferta pública primária de ações, em um valor aproximado de R$ 15,8 bi, que será utilizado para a compra da GVT. As preferencias da Oi também recuaram, aproximadamente, 5%, depois da operadora ter proposto à Telemar a conversão das preferencias em ordinárias, para que não houvesse atraso na migração ao Novo Mercado.

Por Elia Macedo

Bovespa


Principal influência para a alta da Bolsa foi o avanço das ações da Petrobras

ABolsa de Valores de São Paulo, Bovespa, principal índice da bolsa brasileira, fechou em alta o dia 25 de março, subindo mais de 1% no início dos negócios. O principal indicador da bolsa, o Ibovespa, chegou a subir 0,68%, atingindo 51.858 pontos.

Acredita-se que a alta seja influência do avanço das ações da Petrobras, pois, há grande expectativa em relação à divulgação do balanço auditado da petroleira. As ações preferenciais da estatal – especificamente, as que não têm direito a voto – avançaram 4,79%, somando R$ 9,84. Já as com direito a voto, ou ordinárias, fecharam com aumento de 5,19%, fechando em R$ 9,72. De acordo com a Agência Estado, a empresa pretende que o resultado financeiro de 2014 seja aprovado nesta quinta-feira, 26, durante uma reunião do Conselho de Administração. 

Ainda no dia 25, o Ibovespa chegou a atingir 52.318 pontos, no entanto, foi perdendo força assim que os papéis dos bancos foram enfraquecendo após a divulgação dos dados sobre crédito, que também aumentaram.

Quanto ao mercado de câmbio, o dólar comercial também fechou o dia em alta, com 2,43%, atingindo R$ 3,203 na venda. Esta alta aconteceu devido ao anúncio do Banco Central de não renovar seu programa de intervenções no mercado de câmbio, que está previsto para terminar no final do mês de março.

Bolsas Internacionais:

O mercado de ações não teve um dia bom na Europa. Na Alemanha, as ações caíram em 1,17%, na França fechou 1,32% e na Inglaterra caiu em 0,41%. Além destas, as bolsas da Itália, Espanha e Portugal também fecharam o dia em queda, sendo desvalorizadas, em média, 0,90%.

Já a Bolsa de Xangai, na China, encerrou o dia com queda de 0,79%. A de Taiwan fechou com 0,66% mais baixa e Seul não teve alta nem baixa significativa. No entanto, as bolsas de Hong Kong, Cingapura e Tóquio tiveram altas de 0,53% e 0,17%, respectivamente.

Por Andréa Corneli Ortis

Bovespa


Uma notícia pegou muita gente de surpresa no meio econômico: a Petrobras foi rebaixada para o grau especulativo pela Moody’s. Dessa forma, deu-se início a uma grande confusão no mercado acionário. Acompanhando o rebaixamento para a categoria de grau especulativo, as ações da Petrobras despencaram 8%. Com tal notícia e a queda das ações, a IBOVESPA quase perdeu o patamar de 51 mil pontos. Confira mais detalhes na continuação desta matéria.

A principal confusão no mercado acionário teve início na manhã da última quarta-feira, 25 de fevereiro. No entanto, na tarde da quarta-feira o fluxo vendedor diminuiu e a notícia sobre a possibilidade de a estatal brasileira vender ativos fez com que muitos investidores fossem às compras. Com isso, houve um pouco de estabilidade.

Apesar de a IBOVESPA também ter sentido a queda das ações da Petrobras, a mesma terminou a sessão com recuo de apenas 0,12%, com isso, foi para 51.811,02 pontos. Na mínima, a mesma ficou na casa dos 51.051 pontos, já na máxima, registrou 51.863 pontos.

Através de uma entrevista ao Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, a analista sênior da Moody’s, Nymia Almeida, se posicionou à respeito da decisão de vendas de ativos.

Segundo a analista, cortar investimentos não é o suficiente para preservar o caixa da Petrobras. Para Nymia, essa decisão pode ter resultados negativos na receita fatura da estatal. Para ela, além da venda de ativos outras medidas devem ser tomadas como, por exemplo, a abertura de capital de subsidiárias para gerar caixa.

O Banco do Brasil, empresa estatal, também sofreu com os resultados negativos que o rebaixamento da Petrobras gerou em todo o mercado. Dessa forma, o Banco do Brasil registrou perda de 2,11%.

Um dos principais destaques positivos foi a Eletrobras ter passado muito bem por tudo isso, haja vista a mesma ter obtido os seguintes resultados: ON +1,8%; PNB +1,23%.

Além disso, após o anúncio da Moody’s em relação ao rebaixamento da Petrobras, é esperado que isso favoreça o ajuste fiscal do Governo Federal. Apesar disso, Dilma Rousseff fez questão de minimizar o anúncio da Moody’s, 

Por Bruno Henrique


A Bovespa conseguiu fechar na data de 23/02/2015 quase estável depois de enfrentar um dia de sobe e desce das ações.

Quais foram às empresas que mais se destacaram nesse dia?

A empresa que mais sofreu alta nas ações foi a fabricante de cigarros Souza Cruz com um valor de 7,74%, após a sua acionista controladora British American Tobacco decidir avaliar uma oferta de aquisição das ações que não possui da empresa pelo preço de R$ 26,75 por papel e com isso um prêmio sobre o fechamento na última sexta-feira.

Outras empresas que tiveram alta também foram aquelas voltadas diretamente ao ramo da educação, como, por exemplo, a Kroton e a Estácio que obtiveram uma valorização de exatamente mais de 5%.

Por que empresas de educação obtiveram tanta alta?

Uma das razões mais indicada é o fato que o Diário Oficial publicou na última segunda-feira a portaria normativa do Ministério da Educação decorrente às recompras mensais de créditos do FIES (Fundo de Financiamento Estudantil), ou seja, apesar de ter sido publicado no final do ano de 2014 ela foi aplicada somente agora em 2015.

A portaria elevou de 30 para 45 dias o intervalo mínimo para as empresas que apresentam mais de 20 mil alunos usando empréstimos do FIES possam vender seus créditos do programa, sendo que o calendário de pagamento não é mais em 12 vezes e agora são 8 vezes ao ano.

Agora quais são as empresas que obtiveram queda nas suas ações?

Uma dessas empresas é a Vale do Rio Doce que enfrentou uma desvalorização de mais de 4% e também a Petrobras que ficou desvalorizada em 2%, principalmente depois que o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, fez uma declaração durante um evento em São Paulo onde afirmou que existe uma capacidade de realizar uma reengenharia da economia sem nenhum tipo de dificuldade.

A Ibovespa ainda subiu 0,08% conseguindo 51.280 pontos e o volume financeiro alcançou cerca de R$ 5,17 bilhões, abaixo da média do mês de R$ 7,2 bilhões, além do dólar chegar à marca de R$ 2,90.

Por Fernanda de Godoi

Bovespa


E o dólar não para de subir e chegou a ter uma valorização de 0,02%, superando os R$ 2,90. O acordo entre Grécia e União Europeia foi uma das causas apontadas para mais uma alta da moeda norte-americana.

Há mais de 1 década que o dólar não superava os R$ 2,90 mas no final da tarde desta segunda-feira (23), a moeda acabou perdendo um pouco da força e fechou o dia mais estável.

O dólar chegou a ter sua venda negociada a R$ 2,8792 e chegou a R$ 2,9046 sendo este o maior valor desde o mês de setembro de 2004! De acordo com as informações fornecidas pela BM&F, ficou em mais de US$ 859 milhões o giro financeiro!

As preocupações nos mercados financeiros de todo o mundo estão sendo pressionados e a preocupação maior é com o que poderá acontecer entre a Grécia e países da Europa que até então, eram parceiros daquele país. Atenas poderá, ou não, deixar a Zona do Euro e isso está mexendo com a economia de vários países.

Foi proposto um programa para prorrogar a ajuda à Grécia por um período de mais 4 meses, mas para isso a Grécia precisaria mostrar o que tem feito para melhorar e essas metas da Grécia precisam ser aprovadas pelos credores, o que seria uma espécie de "garantia".

A entrega desta "garantia" era para ser feita nessa segunda-feira (23), mas o Governo da Grécia avisou que só iria entregar o documento na terça-feira (24) e há rumores que nem na terça-feira seja entregue, o que deixa o mercado ainda mais agitado.

Mas a preocupação não é só com a crise lá fora. Os investidores também estão de olho nos problemas internos do Brasil e até as projeções para o PIB – Produto Interno Bruto – apontam para uma queda de 0,50%. Semana passada a projeção era de uma contração de 0,42%.

Como a crise da Grécia com a Europa tende a continuar mais alguns dias e os problemas internos do Brasil não vão se resolver a curto prazo, espera-se uma semana nervosa no setor financeiro e o dólar respondendo com altos recordes.

Por Russel

D?lar


Mais um escândalo para  manchar  a  imagem do nosso Brasil.

E não é de  hoje que  isso  vem acontecendo, ao longo  dos  anos  estamos vendo ano  após ano  escândalos que ferem e  mancham a nação brasileira.

Agora o  escândalo mais comentado é o da Petrobras, a  cada  dia  as  manchetes dos  jornais trazem algo que  descobriram e a coisa  fica  mais  séria do que já está.

Graça Fosterqueria ser lembrada como a  presidente que  aumentou a  produção de petróleo no Brasil, mas  acabará sendo lembrada como a presidente da  companhia  que está  envolvida em um escândalo de corrupção com proporções imensas.

Graça  Foster trouxe  até um refrigério para esse  escândalo essa  semana, onde  havia  pedido à  Presidente Dilma  para que  saísse do  cargo de  presidente  da Petrobras, mas  a Presidente  Dilma  haveria pedido para que ela aguardasse  até achar um nome para colocar em seu  lugar.

Com essa  atitude o mercado  financeiro olhou com  bons olhos esses  rumores onde as  ações da  companhia  tiveram uma alta significativa.

Seus acionistas  viram com  bons olhos o pedido de Graça Foster de sair do comando da companhia. Isso devido ao simples fato de verem que suas ações subiram e isso traria um bom rendimento a eles.

Esse escândalo está  longe de  acabar, não é com a  saída de Graça Foster que os  escândalos  irão parar ou até mesmo que as pessoas  irão esquecer, pois  esse problema está muito longe do seu  fim.

As  ações vão  subir e  se  manter estáveis sem quedas? Poderá acontecer isso sim, basta as  coisas tomarem um rumo onde  seus  investidores possam  acreditar e ver que as coisas estão se ajeitando.

O aumento das  ações é um indicador muito favorável, pois o mercado está vendo que ainda pode  confiar na  companhia, e isso ocorreu graças à notícia de um suposto pedido de  demissão da então Presidente da Petrobras.

Por Andre Escobar

Petrobras


A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), fechou o dia 12 de novembro em alta, após algumas suposições sobre um dos principais nomes que poderão fazer parte da equipe econômica do país nos próximos 4 anos do governo Dilma.

O Ibovespa, índice que mede o desempenho dos valores das ações negociadas na BOVESPA, teve uma alta de 0,96%. Essa elevação foi obtida após o nome de Henrique Meirelles, ex-presidente do Banco Central (BC), ter sido especulado em uma reportagem da agência de notícias Reuters, como futuro sucessor de Guido Mantega (atual presidente do Banco Central), para a presidência do Ministério da Fazenda.

Mesmo com rumores tão fortes envolvendo seu nome, Henrique Meirelles vem sinalizando que deverá recusar o convite, caso ele venha a ser feito. Na última terça-feira (11), aconteceu uma reunião com a diretoria do Banco Original, onde o ex-presidente do Banco Central, que hoje ocupa o cargo de Presidente do Conselho Executivo da Holding J&F, empresa que controla a JBS S.A., maior produtora de carne bovina mundial, também esteve presente.

Nessa reunião, Meirelles teria dito que rejeitaria o convite do Palácio do Planalto e que em uma escola de 0 a 10, as chances para ele se tornar o novo Ministro da Fazenda seria a nota 2. Essa mesma informação foi confirmada pela diretora executiva de mercados do Banco Original, Kátia Moroni, que participou no dia 12 de novembro do 1º Congresso Brasileiro dos Fundos de Pensão, que acontece na cidade de São Paulo.

Henrique Meirelles foi quem atuou por mais tempo como Presidente do Banco Central do Brasil, de janeiro de 2003 até 31 de dezembro de 2010. Nesse período, as políticas econômicas adotadas pelo Banco Central contribuíram para uma valorização da moeda brasileira em relação ao dólar e ajudou a fazer com que a inflação ficasse controlada, dentro da média instituída pelo Copom (Comitê de Políticas Monetárias).

Por André F.C.


A empresa de comércio online Alibaba, fez sua estreia na bolsa de valores na última sexta-deira (19/09), e seu fundador acompanhou tudo de perto. A empresa escolheu oito clientes para tocar a compainha, que anunciou a abertura da sessão.

Jack Ma, fundador da empresa, estava eufórico com o início das negociações dos títulos. Com um inglês para ninguém botar defeito, declarou "confiem em nós", em entrevista ao canal financeiro CNBC, em referência às dúvidas sobre os riscos que cercam o seu grupo. Logo após a sua abertura, as ações da Alibaba dispararam em Wall Street, em meio a muito otimismo sobre as perspectivas da empresa chinesa de varejo eletrônico.

Com o símbolo "BABA", a empresa chinesa é cotada na bolsa de valores de Nova York. Depois do lance inicial, a ação do Alibaba subiu 41%. De US$ 68 a ação chegou a US$ 95,90. Devido a essa alta, leva a companhia ao valor de mercado de mais US$ 229 bilhões, superando as gigantes empresas como Facebook,Cisco, e a suas rivais Amazon e eBay.

Os investidores, interessados no crescimento rápido da China e na evolução do setor de internet, têm escolhido ações da companhia desde que iniciaram as apresentações na semana passada. Segundo, Scott Wingo, presidente da ChannelAdvisor, fornecedora de software e e-commerce, a Alibaba está na classe do Facebook e Google, pela escala que têm, além de perspectivas de crescimento e rentabilidade.

A empresa captou mais de US$ 25 bilhões na sua chegada triunfal na Wall Street. É a maior entrada da história da bolsa de valores.

A empresa quer expandir seus negócios nos Estados Unidos e na Europa, mas ainda é desconhecida dos americanos, pelo menos, embora seja uma das maiores empresas de comércio eletrônico na China, responsável por mais de 80% das vendas pela internet. A empresa faturou em 12 meses, encerrados em março deste ano, US$ 3,7 bilhões. Uma alta de US$ 2 bilhões comparados ao ano anterior.

Um levantamento feito em 2013, mostrou que a empresa encerrou o ano com 231 milhões de compradores, uma média de 49 compras por cliente, de acordo com a rede de TV "NBC".

Por Camilla Batista


As coisas não vão nada bem para o empresário Eike Batista, que acabou sendo denunciado pelo Ministério Público Federal em São Paulo (MPF-SP) por usar informações privilegiadas em negociações das ações do estaleiro OSX

O MP do Rio de Janeiro também denunciou o empresário, só que no sábado, por conta de manipulação de mercado em negociações da petroleira OGX. O MPF-RJ solicitou o bloqueio de ativos financeiros de Eike no Brasil, como o arresto de casas, apartamentos, carros e outros bens até o limite de R$ 1,5 bilhão.

A situação do Grupo EBX se complicou a pouco mais de um ano. De lá para cá as empresas que compõem o grupo e seus administradores foram alvo de 11 processos junto a Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Mais 11 estão sendo analisados e podem se tornar processos ou podem ser arquivados. O advogado Sergio Bermudes afirmou que Eike está fora do Brasil e ainda não foi intimado. Quando isso ocorrer ele terá um prazo determinado para apresentar uma defesa prévia.

O MPF de São Paulo quer que Eike seja condenado ao pagamento máximo da multa, que equivale a três vezes os R$ 8,7 milhões que foram obtidos ilegalmente. A investigação foi feita depois que a companhia vendeu quase 10 milhões de ações, totalizando R$ 33,7 milhões. As vendas foram realizadas alguns dias após uma reunião em que foi definido um novo plano de negócio, que previa cortes, investimentos e a diminuição das atividades da empresa.

A denúncia ocorre porque as informações foram reveladas um mês após as vendas das ações e isso determinaria a queda no valor das ações. Como Eike não quis ficar no prejuízo e passou a conta para quem comprasse as ações, cujo valor caiu mais de 10% após a reunião. Em contrapartida, Eike alegou que a venda das ações foi feita para que elas chegassem aos 25% em circulação na bolsa. A justificativa não foi aceita pelo MP, pois a empresa não cumpriu com o regulamento que determina um período para as transações, o qual não foi respeitado. 

Por Robson Quirino de Moraes


A BM&FBovespa (Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo), constante em um projeto elaborado por diversas entidades em parceria com o Governo Federal, contemplado em Medida Provisória 621, tramitante no Congresso, visa estimular que as pequenas e médias empresas entrem na Bolsa de Valores por meio de incentivos para compradores e companhias.

Em entrevista ao Diário do Grande ABC, o presidente da Bolsa de Valores, Edemir Pinto, explicou que esse projeto atende empresas que possuem faturamento de, no máximo, 500 milhões e valor de mercado de até 700 milhões.

Os compradores dos papeis dessas empresas serão isentos de Imposto de Renda. O público-alvo desses papeis são os investidores institucionais, assim como pessoas físicas, essas últimas podem se interessar devido à ligação da empresa com a comunidade.

O presidente explicou que há muita oferta e que a demanda está apenas em grandes projetos com rentabilidade imediata. No caso das médias ou pequenas empresas que estão no início, a rentabilidade ocorre a longo prazo. Nesses casos, é necessário identificar o comprador e então incentivá-lo a adquirir o papel da média e pequena empresa. 

O projeto, que está tramitando no Congresso, vem justamente para suprir esta demanda de incentivo ao comprador, possibilitando que a média e pequena empresa surja no mercado, se capitalize e cresça. O projeto estimulará tanto para os que ofertam quanto para os que compram.

Para uma empresa entrar, o valor é, em média, 7% da captação. Essa porcentagem será para cobrir custos de publicações legais, como diários oficiais e grandes jornais de circulação. O presidente ressalta que é um valor médio, podendo alterar conforme o tamanho da empresa.

Ele salienta ainda que o pequeno investidor precisa estar consciente que o mercado de renda variável possui riscos, independente de ele entrar em um momento de alta ou de baixa.

A consciência de educação financeira é disseminada pela Bolsa por meio de um instituto educacional, uma das premissas, por exemplo, expõe que o investidor não deve colocar o limite de 30% do capital disponível no mercado de renda variável.

Por Rafaela Fusieger


A recente tragédia que atingiu o PSB, com a morte do candidato à presidência, Eduardo Campos, há quase um mês, abalou as estruturas políticas do país. Não apenas pela tragédia em si, mas porque os rumos das eleições foram totalmente modificados a partir do fato.

Não se pode dizer que o então candidato estivesse com as eleições ganha, já que se encontrava em 3º lugar nas pesquisas eleitorais. No entanto, sua terrível morte possibilitou a ascensão de alguém que já nem esperava muito dessa campanha, Marina Silva.

Marina, que conquistou votos e carisma na campanha eleitoral de 2010, pelo PV, tentou fundar um novo Partido para a campanha de 2014, o Rede Sustentabilidade, com propostas ecológicas e sociais. Mas o objetivo não foi consolidado por indeferimento junto ao TSE.

É obvio que Marina não esperava acontecer tamanha tragédia, mas esse fato lhe possibilitou somar apoiadores dentro e fora do país para que agora concretizasse o desejo de ser presidente do Brasil.

Com o discurso de nova política, Marina tem aparentado ser diferente dos demais principais candidatos a República, Dilma Rousseff e Aécio Neves. Entretanto, o programa de Marina está mais para uma “nova velha política”.

Desde que finalizou seu programa de governo, críticas e acusações de plágio têm sido constantes. As influências de medidas conservadoras em muitos quesitos; sociais e econômicos provocam alerta e desconfiança de muitos, exceto dos grupos que tendem a se beneficiar com suas propostas.

A forma pela qual Marina pretende conduzir a economia, por exemplo, tem agradado a empresários, banqueiros e especuladores financeiros. Não é à toa que as ações, na bolsa de valores, subiram mais com a perspectiva de sua vitória do que com a de Aécio. Isso porque sua percepção nada difere das ações do PSDB; independência do BACEN, políticas austeras para controle inflacionário e estímulo aos grandes capitais, contradizendo até mesmo seus antigos ideais. Já a chamam de Aécio de saias.

Ainda por cima, seu discurso comprometido e contraditório ganha as classes mais conservadoras e despolitizadas do país.

Por Roberta Pereira de Lima


O conflito entre grupos rebeldes pró-Rússia contra as forças ucranianas estão refletindo na economia europeia. Algumas das bolsas de valores da Europa tiveram uma queda devido ao conflito entre Rússia e Ucrânia. Ocorrido do dia 28 de agosto (quinta-feira), esse fato se deve à análise das atitudes dos rebeldes pró-Rússia que reforçaram os ataques contra as forças ucranianas. 

Após Redburn Ltd. aconcelhar os investidores a retirar as ações da loja online Ocado Group PLC, essa pode ser considerada uma das maiores quedas das principais bolsas de valores da Europa no período de dois anos.

Após a discussão sobre a venda da unidade da Telefónica SA no Brasil à GVT, a Telecom Itália SpA teve um aumento de 1,3%.

O aumento no desemprego na Alemanha também motivou a queda das ações. O número de desemprego alemão em agosto subiu de 2 mil para 2,902 milhões, após uma redução de 12 mil em julho.

Na Itália as lojas de vendas a varejo também foram afetadas, a variação de vendas foi nula, tendo uma queda de 0,6% no final do mês anterior. Na Espanha o índice de preços ao consumidor também teve uma queda para 0,5% no mês de agosto, refletindo assim na baixa dos valores de combustíveis e lubrificantes.

Porém, já no dia 29 (sexta-feira), as bolsas de valores da Europa fecham em alta, mas sem muitas variações.
Como já era esperado pelos investidores a inflação na zona do euro teve uma queda, mas dizem acreditar que o BCE não tomará uma providência imediata para esta semana.

Acordos estão sendo feitos entre rebeldes pró-Rússia e Forças Ucranianas, talvez o cessar fogo assinado seja um começo para a reestabilização da economia e a volta das bolsas de valores que haviam fechado em baixa, isso pode criar uma expectativa para os investidores e incentivá-los a investir. 

Por Ingrid Oliveira

Bolsa de Valores

Foto: Divulgação


Nesta quinta-feira (28), as principais bolsas de valores da Europa recuaram. Tal resultado se deve aos investidores analisarem as ações dos rebeldes pró-Rússia, que ampliaram seus ataques contra as forças ucranianas.  

Uma das quedas significantes foi das ações do Ocado (OCDO) Group PLC, as maiores em dois anos, depois que o Redburn (Europe) Ltd. aconselhou os investidores a se desfazerem das ações da loja online.

A Telecom Itália SpA ganhou 1,3%, após a Vivendi SA discutir com a Telefónica SA a venda de sua unidade no Brasil, a GVT

Em Londres, o índice Stoxx Europe 600 caiu 0,7%, atingindo 341.05 pontos, após receber péssimas notícias dos dados de desemprego na Alemanha, que subiu inesperadamente em agosto, aumentando em 2 mil, para 2,902 milhões de desempregados, após queda de 12 mil em julho. De acordo com Ben Kumar, que ajuda a gerenciar US$ 10 milhões no Seven Investment Management LLP, "o índice teve um aumento muito bom ao longo das últimas semanas e os investidores estavam levando algum dinheiro, mesmo com os dados econômicos dos Estados Unidos não corresponderem às expectativas". “Talvez os investidores tenham considerado também que as recentes notícias da economia fraca na zona do euro – como o aumento do desemprego alemão – não seriam muito ruins para motivar a ação do BCE", acrescenta Kumar.  

No final do dia o índice FTSE-MIB, em Milão, recuou 2,16% aos 20.315 pontos. Já na capital espanhola, Madrid, o índice Ibex 35 ficou com queda de 1,06% aos 10.722 pontos. Em Frankfurt, o índice DAX 30 recuou 1,12% aos 9.462 pontos, e em Paris, o índice CAC-40 caiu 0,66% aos 4.366 pontos. Na capital portuguesa, Lisboa, o índice PSI-20 perdeu 1,05% aos 5.907 pontos.   

Na Itália, as vendas de varejo tiveram uma variação nula em junho, após um recuo de 0,6% no mês anterior. Na Espanha, o índice de preços ao consumidor caiu 0,5% em agosto, na comparação anual, reflexo na baixa nos valores de lubrificantes e combustíveis.

Por William Nascimento

Queda das bolsas de valores europeias

Foto: Divulgação


O Grupo BlackBerry parece ter ressurgido das cinzas depois da novela do ano passado sobre sua compra. Mesmo tendo perdido boa parte do mercado de atuação, o grupo canadense teve uma grande melhora em relação ao valor de suas ações na bolsa de valores norte-americana, NASDAQ. O preço médio das ações subiu cerca de 50% desde o início do ano, passando de 7,44 dólares em janeiro para 11,21 dólares no mês de julho.

O percentual foi surpreendente, sobretudo pelos números dos rivais Google e Apple, que tiveram um aumento de 5% e 20%, respectivamente, durante o mesmo período, entretanto, os preços das ações ainda não se comparam. O valor dos papéis do Google estava cotado em mais de 570 dólares no início da semana, enquanto as da Apple custam 96 dólares.

Apesar dos números animadores, alguns ainda estão relutantes na compra de ações da empresa, principalmente por ela ter sido declarada como morta diversas vezes desde o fim do ano passado. Depois de perder uma boa fatia do mercado de smartphones e tablets para as concorrentes, o Grupo BlackBerry respirou e começou a crescer novamente, sobretudo por conta da abertura do mensageiro seguro BBM para outras plataformas. O pequeno sucesso desta empreitada, especialmente no setor corporativo, ajudou a companhia a recuperar o fôlego e já é vista com bons olhos por investidores e o público.

Ainda é cedo para afirmar se a empresa viverá os mesmos dias de glória do passado, mas este já é um bom começo para quem achava que não haveria futuro para o grupo. Em relação ao hardware e o sistema operacional será difícil desbancar as concorrentes, mesmo com o lançamento do BBOS 10 e o apoio da Amazon App Store anunciados recentemente. É certo que a empresa irá focar no software e na sua tradição em segurança na comunicação, o que atrai muitos consumidores do setor corporativo.

Por Robson Quirino de Moraes

Blackberry

Foto: Divulgação


A economia mundial fragilizada não é sinônimo de desistência para os investidores das Bolsas de Valores. Nestas últimas semanas as bolsas de valores registraram performances positivas, demonstrando que o otimismo prevalece no comportamento dos que investem na Bolsa.

Com uma previsão da manutenção de juros baixos e liquidez bastante expressiva, eles dirigem suas decisões de investimento num paradoxo entre a iminência de acontecimentos negativos na economia e os dados que vem sendo registrados nas organizações.

Aqui no Brasil não poderia ser diferente, logo após a queda da intenção de voto da atual Presidente e candidata à presidência, Dilma Roussef, de 37% para 34%, a Ibovespa passou de 45000 pontos para 52000, isso significa que a Bolsa recuperou o patamar anterior, o comportamento dela segue uma curva que oscila entre altos e baixos, sem uma tendência definida.

No mesmo ritmo encontra-se a Petrobrás, que respondeu positivamente à queda da aversão ao risco, à queda da aprovação do Governo Dilma e também se comportou de forma positiva perante a melhora do mercado. 

Atualmente, aqui no Brasil, nada é definido nem demonstra muita certeza, com as eleições se aproximando e com a falta de confiança dos mercados para investir, devido ao Governo Dilma Roussef. Os investidores tem tido dificuldade em decidir investir em território brasileiro, tanto familias quanto empresas não se sentem à vontade para investir o seu capital em bens ou aumento de produção.

Esta incerteza causa indefinição que é o que aparece visivelmente nos gráficos de comportamento das Bolsas brasileiras. Além da oscilação nos investimentos e nas Bolsas, o brasileiro ainda enfrenta um problema inquietante, a variação nos preços nos bens de consumo, reflexo imediato na cesta de bens das familias.

Quando há um universo muito grande de incertezas, a mudança nos preços é muito grande, quando há certa estabilidade essa variação diminui, refletindo a mudança de humor dos investidores. Essas alterações nos preços são medidas pela volatilidade que indica tanto a frequência quanto a intensidade das oscilações na cotação de um ativo financeiro em um determinado período de tempo, ela mede o risco de um determinado ativo.

A volatilidade aumenta quando há um aumento na incerteza porque obviamente quando há mais indefinições há maiores riscos de investimentos. Acontece o contrario quando as incertezas diminuem, ou seja, quando há menos indefinições a volatilidade diminui.

Hoje em dia a volatilidade vem diminuindo, mesmo com as variações na economia mundial, isto acontece considerando o otimismo dos Estados Unidos e no Brasil devido a queda das apostas (poucas apostas, poucas incertezas, diminuição da volatilidade).

O novo normal da Bolsa ainda é uma incógnita visto o cenário de incertezas e de mudanças instantâneas que vem sendo registradas no mercado de ações.

Por Melina Menezes


Você gostaria de aprender a investir na bolsa de valores e não sabe como começar?

O primeiro passo é aplicar seu dinheiro e gerar lucros, mas, para isso, é preciso se informar muito a respeito do assunto, por meio de cursos, treinamentos ou mesmo pesquisando em sites especializados.

Uma notícia boa sobre isso, é que a própria BM&Bovespa, instituição financeira brasileira que faz intermediações de operações no mercado de capitais, oferece cursos e treinamentos presenciais e online para pessoas amadoras que queiram se aprofundar no assunto. Há também muito material disponível na internet para os autodidatas.

Os cursos da Bovespa vão do nível básico ao intermediário, e são realizados periodicamente em diferentes estados.

Primeiramente, os cursos de nível básico são gratuitos e não exigem nenhum pré-requisito. Já os cursos de nível intermediário são todos presenciais e possuem um custo que pode variar entre R$ 120 e R$ 980.

Para poder participar, é necessário ter o Ensino Médio completo.

Os principais assuntos abordados são “Como investir em ações”, “Conceitos básicos do mercado de ações”, “Finanças pessoais e mercado de ações”, “Guia do mercado de ações”, entre outros. Você pode conferir a lista completa no link: www.bmfbovespa.com.br.

Outros sites especializados em educação e formação de investidores disponibilizam também muita informação de qualidade sobre como investir bem no mercado de ações. Confira abaixo alguns endereços para se preparar antes de começar a aplicar seus investimentos:

– Portal Como Investir – Iniciativa da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (ANBIMA), o portal não só ensina o investidor leigo a investir em ações, mas também oferece muitas informações a respeito de finanças pessoais, fundos, títulos públicos, entre outras;

– Win Trade – A página da corretora conta com um canal forte em educação financeira. Através de palestras online, os interessados no assunto terão a chance de aprender mais sobre a história financeira no país, o perfil do mercado brasileiro e também de como começar um investimento na bolsa de valores;

– Guia de Investimento – A plataforma é especializada em oferecer aprendizado financeiro, além disso, o site possui um canal com informações básicas para investidores iniciantes aprender a investir na bolsa. É possível também ter acesso a apostiladas gratuitas com cursos sobre bolsa de valores e assuntos relacionados a controle financeiro.

Por Daniela Almeida da Silva


Recentemente, a BOVESPA(Bolsa de Valores do Estado de São Paulo) demonstrou recorde na perda dos pontos ao atingir valor menor do que 45 mil pontos, fato que não acontecia desde o mês de abril do ano de 2009. Há especialistas que apontam queda do índice em sete por cento no primeiro semestre de 2014.

Na sexta-feira, dia 14 de março, a BOVESPA encerrou o dia com 44.995 pontos, queda de 1,5%. No passado já havia sinais de que o índice poderia cair para valores inferiores a 45 mil pontos. Por exemplo, em 5 de julho de 2013, a pontuação estava em 44.107 durante o intraday, mas o mercado encerrou em mais do que 56 mil.

No mesmo dia de 2013 aconteceu o fim da tendência de queda, visto que investidores aproveitaram a baixa geral da BOVESPA para comprar e apostar à venda na alta no futuro. Aconteceram sequências de valorização até outubro, quando o valor chegou aos 57 mil pontos.

Nos dias de hoje existem especialistas que não acreditam na alta em curto prazo dos pontos na BOVESPA – é o que afirma a matéria publicada no site da Info Money.

Leandro Ruschel, conhecido blogueiro da Info Money, indica que a fraca média da BOVESPA acontece pelo menos desde o mês de fevereiro de 2014. O especialista indica que foi durante esse período que houve uma grande queda, quando os pontos caíram de 48.600 para 46.200.

Vale ressaltar que as principais médias da Bolsa demonstraram quedas. Conforme a opinião de Ruschel, os valores na BOVESPA devem encerrar o primeiro semestre em 44 mil pontos. Porém, há quem indique o valor na casa dos 42 mil pontos, no final dos seis primeiros meses de 2014, ao passo que também existem especialistas que apostam em baixas maiores, para 32 mil pontos, por exemplo.


Especialistas indicam vantagens para quem usa o Canal Eletrônico do Investidor (CEI) da BM&FBOVESPA para conhecer via internet informações sobre as transações eletrônicas na Bolsa de Valores de São Paulo.

Entre as principais vantagens está o aumento no nível de segurança. Representantes da BOVESPA dizem que o sistema conta com tecnologia de ponta para defender com máxima eficácia os dados dos investidores.

Ao fazer o acesso na rede mundial de computadores (internet) é possível diminuir as chances dos dados ficarem disponíveis para outras pessoas, assim como acontece com a divulgação em papéis impressos, por exemplo.

Não se pode ignorar outra vantagem fundamental aos dias de hoje em que tempo é dinheiro. O CEI permite com que investidores acessem informações de maneira rápida. Quem usa esse serviço pode economizar em tempo, ou com o Correio, para estabelecer comunicação ao sistema da BOVESPA.

Comodidade também representa ponto positivo do CEI. Em qualquer local que tenha internet investidores podem acessar as movimentações que aconteceram nos últimos dezoito meses. O extrato se encontra disponível em formato PDF no qual internautas podem salvar ou fazer a consulta online.

Vale ressaltar que ao usar o CEI os investidores colaboram de forma direta com maior preservação do meio ambiente em terras nacionais, indica o site oficial da Bovespa. Papéis possuem como matéria-prima principal as árvores que servem de abrigos aos animais, dispõem alimentos, regulam o clima e trazem equilíbrio ao meio ambiente.

Depois de fazer acesso ao sistema, o investidor pode escolher em que forma deseja receber o conteúdo informativo do CEI: e-mail, impresso ou ambas as opções. Caso não exista movimento de operação no mercado, quem investe deve acessar o sistema a cada noventa dias, e assim evitar que aconteçam problemas de acesso no futuro.

Conheça mais vantagens do CEI ao acessar a matéria publicada no site BM&FBOVESPA.

Por Renato Duarte Plantier


2014 promete ser um ano com a inflação acima do previsto. A meta de 6,5%, estipulada pelo Banco Central, certamente terá seu teto superado. Essa previsão é tida com base em situações como: a aceleração dos preços administrativos (os quais estavam em baixa no ano passado devido a medidas utilizadas pelo governo, mas que não devem permanecer em 2014), a alta de preços em decorrência da Copa e a desvalorização do câmbio provocada possivelmente pelas eleições. Analistas acreditam que esses fatores levem o Índice de Preços ao Consumidor (IPCA) a desandar em 2014.

 Na última sexta-feira, 10 de janeiro, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou a inflação oficial de 2013, que ficou em 5,91%. Embora o governo tenha adotado medidas para conter a inflação, essa porcentagem ficou abaixo do esperado. O governo possuía como meta encerrar o ano com o IPCA abaixo do obtido em 2012, que foi de 5,84%.

Especialistas afirmam que o Índice de Preços ao Consumidor (IPCA) em 2013 deve ser visto como preocupando para a inflação, pois este ano (2014) improvavelmente a alta de preços será inferior que a registrada em 2013.

Porém, para o ministro da Fazenda em exercício, Dyogo Henrique de Oliveira, o índice de inflação no Brasil em 2013 não é motivo de pânico, ele salienta que a situação está controlada, sem risco algum de um futuro descontrole em relação aos preços no Brasil. Conforme ele, o IPCA pode ficar entre 2,5% e 6,5%, por isso ele afirma que o índice de 5,91% está dentro da meta.

A mesma pesquisa do IBGE apontou que no mês de dezembro de 2013 o IPCA atingiu 0,92% de alta em relação a novembro, a maior variação desde abril de 2003. Conforme o ministro, isso já era previsto devido ao aumento da gasolina, bem como pelo período de férias e pelas passagens aéreas.


Na última sexta-feira, a BOVESPA (Bolsa de Valores do Estado de São Paulo) demonstrou recorde na perda dos pontos ao atingir valor menor do que 45 mil pontos, fato que não acontecia desde o mês de abril do ano de 2009. Há especialistas que apontam queda do índice em sete por cento no primeiro semestre de 2014.

Na sexta-feira, dia 14 de março, a BOVESPA encerrou o dia com 44.995 pontos, queda de 1,5%. No passado já havia sinais de que o índice poderia cair para valores inferiores a 45 mil pontos. Por exemplo, em 5 de julho de 2013, a pontuação estava em 44.107 durante o intraday, mas o mercado encerrou em mais do que 56 mil.

No mesmo dia de 2013 aconteceu o fim da tendência de queda, visto que investidores aproveitaram a baixa geral da BOVESPA para comprar e apostar à venda na alta no futuro. Aconteceram sequências de valorização até outubro, quando o valor chegou aos 57 mil pontos.

Nos dias de hoje existem especialistas que não acreditam na alta em curto prazo dos pontos na BOVESPA – é o que afirma a matéria publicada no site da Info Money.

Leandro Ruschel, conhecido blogueiro da Info Money, indica que a fraca média da BOVESPA acontece pelo menos desde o mês de fevereiro de 2014. O especialista indica que foi durante esse período que houve uma grande queda, quando os pontos caíram de 48.600 para 46.200.

Vale ressaltar que as principais médias da Bolsa demonstraram quedas. Conforme a opinião de Ruschel, os valores na BOVESPA devem encerrar o primeiro semestre em 44 mil pontos. Porém, há quem indique o valor na casa dos 42 mil pontos, no final dos seis primeiros meses de 2014, ao passo que também existem especialistas que apostam em baixas maiores, para 32 mil pontos, por exemplo.

Por Renato Duarte Plantier

Economia1

Foto: Divulgação


As ações europeias fecharam estáveis no dia 20 de fevereiro. A confiança nos Estados Unidos era frágil, mesmo após altos índices de manufatura. Já o setor de mineração teve quedas significativas devido aos dados negativos da China.

O índice que reúne os principais papéis da Europa, o FTSEurofirst 300, teve uma 1.338 pontos com oscilação positiva de 0,01%. A manufatura dos EUA acelerou bastante no mês de fevereiro, o que levou investidores na Europa a comprarem ações no fim do dia. Desse modo, as bolsas de Wall Street subiram.

Logo após a China, França e região do meio-atlântico apresentarem dados negativos, a confiança nos EUA permaneceu estável. Os investidores continuaram a divulgar a última reunião do Federal Reserve, onde o Banco Central dos Estados Unidos continua promovendo a redução de estímulos.

Segundo Henk Potts, o estrategista de ações do Barclays Wealth, em uma entrevista a uma agência internacional de notícias, “embora esperemos que a recuperação continue ao longo do ano, o mercado permanece volátil no curto prazo, uma vez que investidores estão nervosos devido à redução do estímulo nos EUA”.

“Os dados do PMI da China foram decepcionantes, mas… os fundamentos de longo prazo da China continuam bons e ainda estamos falando de crescimento de cerca de 7 a 8 por cento ao ano nos próximos cinco anos”, afirma o estrategista. O índice europeu registrou o pior desempenho entre os diversos setores, com perda de 1,1%. Isso aconteceu logo após o índice Gerente de Compras (PMI) da China recuar à mínima em sete meses, sugerindo a contração da manufatura na China.

Em Paris, o índice CAC – 40 teve um acréscimo de 0,33%, para 4.355 pontos. Já em Londres, o índice Financial Times teve uma alta de 0,24%, com 6.812 pontos. Em Milão, o índice Ftse/Miv ganhou 0,07%, com 20,452 pontos. Em Lisboa, o índice PSI20 teve queda de 0,30%, com pontuação de 7.175. Em Madri, o índice Ibex-35 aumentou 0,08%, para 10,062 pontos.

Por Danilo Gonçalves

Ações europeias


A Bolsa de Valores de São Paulo registrou a maior queda desde janeiro do ano de 1995. Na sexta-feira, ela fechou 0,84% em alta, acumulando 47.638 pontos. Mas no mês de janeiro obteve 7,51% em queda. Ela teve o terceiro mês e a quinta semana seguida de quedas constantes, fato que prejudicou o cenário global ao risco e fazendo com que investidores desconfiem ainda mais do Brasil.

Essa foi considerada a maior queda desde 1995, ano que houve a perda de 10,77% segundo a consultoria Economatica. Em toda a semana, a baixa foi de 0,31%, acumulando em janeiro o índice de 7,51%. Segundo estatísticas, a queda da acumulação de janeiro de 2014 foi metade da desvalorização registrada em 2013, de 15,5%.

Na sexta-feira, a valorização foi feita por ações da Vale, BM&FBovespa e de diversos bancos, logo após passar a primeira parte negativa do pregão, pela Bolsa de Valores.

Uma das ações da Petrobras acabou tendo seu fechamento estável, cotada a R$ 14,70. Já as principais bolsas da Europa tiveram seu fechamento devido às dificuldades que países emergentes estão enfrentando e ao temor de uma nova deflação nas bolsas europeias.

“Podemos ver um rali de curto prazo, mas o cenário mais provável é que o índice busque a mínima do ano passado, de 44.100 pontos. Tem muitos estrangeiros tirando dinheiro do Brasil”, disse Hugo Rosa, estrategista da emrpesa Citi Corretora.

Segundo analistas, os preços estão pressionados, e consideram que a bolsa deverá em breve sofrer um repique. A tendência para o futuro ainda é a queda dos valores. Em Paris, o CAC 40 teve uma regressão de 0,34%, o DAX de Frankfurt teve queda de 0,71%, o FTSE-Mib teve uma pequena alta de 0,03% em Milão, em Madri o IBEX 35 registrou 0,44% e o FTCE-100 de Londres perdeu 0,43%.

Com a saída do Brasil da lista, o dólar será ainda mais valorizado. Segundo Hugo Rosa, essa situação foi gerada pelo baixo crescimento da economia do Brasil, certa desconfiança com a política econômica do país e a pressão monetária do Banco Central.

Por Danilo Gonçalves


Investir na Bolsa é uma tarefa que exige bastante estudo, análise de mercado, conhecimento e, para dizer a verdade, um pouco de sorte. Porém, no geral, o mais importante são as competências de seus investidores. E, por conta disso, vamos ver algumas dicas de investidores que ganharam muito dinheiro nos últimos anos em apostas na bolsa. 

O fato é que, de acordo com o ranking da InfoMoney, o principal fundo de ações que mais rendeu foi o da Equitas e da Quest. A  Quest, por sua vez, gerou um retorno de 56,47% para seus investidores, enquanto que a Equitas, em todo o caso, trouxe um retorno de 66,85% para seu investidor.

O co-gestor da Equitas, Felipe Amaral, apontou que as principais apostas do fundo nesse tempo foram para os setores da educação e para o consumo doméstico. A Gestora, no caso, deu-se muito bem ao investir em empresas como a ABRIL, BRF, Suzano e Eztec que, de acordo como Felipe Amaral, cresceu muito mais desde que a Equitas entrou no negócio.

Outra estratégia interessante para saber onde investir foi dada pelo co-gestor da Quest Investimentos, Welliam Wang. Ele sugeriu que o ideal é apostar em empresas pagadoras de dividendos e geradoras de caixas.  Wang afirmou que exportadoras como a DUFRY, que teve várias aquisições nos últimos anos e nomes como a Grendene, que vem melhorando o consumo do país e a Embraer também são ótimas opções de investimento.

O ideal é ter um olhar amplo e dinâmico sobre o mercado, sabendo que tudo pode mudar. Investir é uma missão que exige bastante atenção e análise de tudo que está em jogo. Amaral, da Equitas, disse que 2014 será um ano de transformações no cenário nacional. A Quest, por seu turno, já pensa em mudanças para a próxima temporada.

Por Juan Wihelm

Investimento na Bolsa de Valores

Foto: Divulgação


A economia brasileira não anda nada bem. E, por causa disso, os investidores estão com receio  de apostar na bolsa de valores. Com isso, em todo o caso, o valor do dólar subiu e a Bolsa teve uma queda de mais de 2% no dia 10/01/2014. Só para termos um balanço geral de todo o processo, o fato é que o IBOVESVA terminou com uma queda de 2,48%, a 49.321 pontos. Essa foi a maior baixa desde a data de 13 de setembro do ano passado onde, na realidade, a queda foi de 2,61%. 

Essa desvalorização ocorre por conta dos entraves econômicos que o Brasil está tendo de atravessar atualmente.  Seja lá como for, o dólar é que está tendo uma melhor cotação. A moeda americana, por sua vez está tendo, de acordo com seu valor comercial, um avanço de 0,29%, a R$ 2,397. Já no que tange ao câmbio, o dólar à vista está cotado no valor de  R$ 2,395 em relação ao real.

Reginaldo Siaca, superintendente de câmbio da Advanced Corretora, afirmou que o Brasil teve o maior êxodo de dólares desde o ano de 2002.  O Banco Central, buscando melhorias, adotou um programa de intervenções que tenta, a todo custo, conter a chamada escalada da cotação.  O grande problema, no entanto, é que especialistas não conseguem enxergar uma mudança a curto prazo para o quadro da economia nacional, sobretudo porque com a eleição, carnaval e com o grande evento que é a Copa do Mundo, o crescimento econômico será bem mais que comprometido.

O governo não pode fazer nada, afinal está de recesso. Assim, com esse cenário complexo, precisamos esperar os próximos capítulos para vermos como as coisas vão acontecer daqui para frente. Aliás, mesmo com a intervenção do Banco Central no mercado por meio de vendas de contratos, a alta do dólar ainda ocorreu.

Por Juan Wihelm

Dolar subiu em 10/01

Foto: Divulgação


Com o contínuo crescimento da economia da China, a bolsa vem recebendo análise positiva para os próximos dias.

Animados os analistas da SulAmérica, XP Investimentos e SLW exaltam a rotina econômica estabilizada do país, mesmo com os acontecimentos atuais que envolvem a Síria e os Estados Unidos

Na última semana a Bovespa havia registrado alta de 7,5 % em virtude da OGX Petróleo que teve suas ações valorizadas no mercado.

Segundo o representante da equipe de análise do grupo SulAmerica, existe sim o viés de alta para a próxima semana, já que o mercado de ações deverá apresentar ligeira acomodação. A atenção maior será no que possivelmente pode gerar uma ação militar na Síria. Com o conhecimento dos novos números recentemente divulgados pelo governo chinês sobre a inflação, o mercado já se prepara para tais expectativas a partir do início dessa semana.

Para a XP Investimentos, o mercado já refletiu os resultados da recuperação das exportações chinesas que apresentaram consideráveis quedas recentemente. Já a preocupação fica por conta dos possíveis ataques. Com o conhecimento dos fatos envolvendo a  Síria e os EUA, a situação atual foi comparada com um surf na  pipeline: os dois países impactam de forma brusca e inesperada o mercado de câmbio com influência que atinge  inclusive, o mercado brasileiro. Vale quem dropar melhor.

A SLW não deixa de comentar a respeito da evolução de 7% nas exportações e também importações da China que vem mantendo o jogo de cintura conduzindo a economia de forma equilibrada.  Já em relação a crise entre os dois países divergentes os indicadores falam por si sobre a situação atual e os assuntos que ainda serão destaques durante as próximas semanas.

Luciana Ávila


Nos últimos meses, muitas empresas do setor de telecomunicações tiveram uma certa perda de capital na Bolsa.

O Brasil vem apresentando uma economia sólida, porém muitas empresas, principalmente em setores onde existe bastante concorrência vêm perdendo muito se analisarmos o mesmo período do ano passado.

A queda no setor de comunicação (celulares, telefonia e etc) sofreu uma queda de 2,16% até o último dia 10 de maio. A média de empresas com capital aberto de outras áreas foi de apenas 1,44%.
Segundo uma pesquisa realizada pela Economática com 300 empresas, a Oi é a segunda que mais sofreu com essa queda percentual, com 44%. O valor da empresa em dezembro de 2012 era de R$ 14,077 bilhões e nestes últimos meses caiu para R$ 7,884 bilhões.

Mesmo com a queda na Bolsa, muitas empresas ainda vivem um momento muito favorável aqui no Brasil, principalmente com relação aos consumidores.

Em contra partida, os principais fornecedores dessas empresas (setor eletroeletrônico) sofreram grandes aumentos atualmente e conseguiram chegar a uma valorização de seus ativos de até 22,13%, algo bem maior do que víamos nos anos anteriores.

Por Henrique Nicolau


Fundos imobiliários sempre pareceram uma modalidade bastante segura de investimento. Nos últimos anos registraram altos rendimentos deixando os investidores confortáveis para colocar o seu dinheiro nesses grupos, no Brasil atualmente existem por volta de 100 fundos desse tipo disponíveis a investidores na BOVESPA.

O fato é que no início deste ano a confiança nessa modalidade de aplicação foi pela primeira vez em anos abalada, acumulando uma queda de 1,53% desde o início de 2013, somente em Abril a queda foi de 1,9%.

Especialistas atribuem as altas dos últimos anos a uma combinação de fatores e entre eles a redução da taxa básica de juros, melhoria na taxa de emprego do país, aumento de renda e flexibilização do mercado imobiliário.  Alguns destes fatores estão estagnados e têm gerado desconfiança no mercado.

A taxa básica de juros parou de cair e existem rumores sobre um reajuste que seria utilizado para conter a inflação pelo Governo Federal. Além disso, a economia de uma maneira geral está dando claros sinais de falta de fôlego e algumas previsões bastante pessimistas já começam a aparecer. A saída dos investidores é procurar modalidades mais conservadoras com rendimentos atrelados ás Selic. 

Nada indica que esses fundos deixem de fazer parte das carteiras de investimentos, no entanto, parece que o auge dos fundos imobiliários passou e seu comportamento vai se modificar daqui para frente.

Por Bruno Hardt


Bolsa de Valores.Operantes de diversas bolsas americanas, a Nasdaq e o CME, incluindo a Bolsa de Valores de NY, divulgaram que estão desenvolvendo um sistema que deve acelerar mais a transmissão de preços de ações e derivativos entre Chicago e Nova York.

Esta empreitada tem como meta atender os operadores de alta frequência que precisam obter o máximo de velocidade no recebimento de informações para conseguir vantagem sobre os seus concorrentes.

Essa transmissão deverá ser feita por uma série de antenas transmissoras, que devem ligar os sinais de micro-ondas entre o servidor da Nasdaq, em Nova Jersey, e da CME, que fica em Illinois.

O sistema deve ser o primeiro a usar a conexão sem fio para transmitir informações das bolsas de valores. Atualmente, grande parte das corretoras utiliza o sistema de fibra óptica para enviar e receber mensagens.

Segundo as duas operadoras, tal sistema será 35% mais rápido do que a fibra óptica, o que reduz a latência das mensagens em 8,5 milissegundos.

Tais sinais ganharão milissegundos importantes, pois viajam praticamente em linha reta, diferente dos fios de fibra óptica, que precisam fazer curvas para que fiquem nivelados com o terreno.

O lançamento deste novo sistema, que tem um custo em torno de 20 mil dólares ao mês para as empresas, acontecerá, provavelmente neste mês de maio. 


A RIM, fabricante dos smartphones BlackBerry, foi do inferno ao céu em poucos dias já que no começo desta semana viu suas ações despencarem em mais de 20% e presenciou na quinta-feira – dia 27 de dezembro de 2012 – a sua valorização em 10% nas bolsas de valores de Toronto e Nova York.

A melhoria na valorização das ações da RIM ocorreu pela expectativa positiva do mercado com o lançamento em janeiro do seu novo sistema operacional o BlackBerry 10 apesar dos temores com relação à nova estrutura de tarifas e serviços divulgada pela empresa.

Fonte: Reuters

Por Ana Camila Neves Morais


Mais uma empresa européia fará mudanças em sua estrutura acionária e desta vez a alteração irá ocorrer na EADS a qual confirmou discussões de seus acionistas sobre as mudanças a serem feitas.

Segundo informações extra-oficiais, os acionistas da EADS estariam querendo reduzir a participação dos governos para menos de 30% causando, assim, a retirada da empresa de acionistas que representam o executivo como a alemã Daimler e a francesa Lagardère.

Não foram divulgados maiores detalhes sobre esta negociação sendo preciso aguardar para conferir os resultados destas discussões e sua transformação em efetivas mudanças para os acionistas da EADS.

Fonte: Reuters

Por Ana Camila Neves Morais


Nesta quinta-feira, dia, 13 de dezembro de 2012, ocorreu o recuo de ações européias devido a diversas incertezas orçamentárias nos Estados Unidos além da fraqueza no setor de saúde norte-americano.

Dentre as bolsas de valores do mundo, Frankfurt fechou com queda de 0,43% indo a 7.581 pontos, Londres teve baixa de 0,27% com 5.929 pontos e Paris perdeu 0,1% com 3.643 pontos.

No entanto, diversas bolsas operaram em alta como a de Lisboa com um avanço de 0,97% para 5.615 pontos e a de Milão com alta de 0,64% para 15.866 pontos.

Esta situação se deveu pelo receio dos investidores tendo em vista a possibilidade do abismo fiscal nos Estados Unidos sem previsão para resolução e a queda de 3% nas ações da AstraZeneca.

Por Ana Camila Neves Morais


Nesta quarta-feira, dia 12 de dezembro de 2012, houve um aumento de 0,09% na cotação do dólar com relação ao valor do real indo a R$2,080.

Com isso, os especialistas esperam que o mercado tenha obtido um ponto de equilíbrio com a oscilação do dólar entre R$2,10 e R$2,08 que terá como conseqüência a redução de sua volatilidade.

Com relação a isso, o Banco Central afirmou que é preciso cuidar para os riscos de inflação com uma alta inesperada do dólar indicando, assim, que deve continuar atuando para diminuir pressões sobre a moeda americana.

Comprovando esta expectativa nesta semana o Banco Central realizou dois leilões para a venda e recompra de dólares para oferecer maior liquidez ao mercado financeiro.

Fonte: Valor Online

Por Ana Camila Neves Morais


Diversos indicadores financeiros anunciaram os seus fechamentos com o final do mês de novembro.

Dentre os resultados estão o da Nasdaq que recuou 0,06% com 3,010,24 pontos, a bolsa de valores de Nova York que fechou com alta e de certa forma estável.

Já o Standard & Poor´s 500 teve crescimento de 0,02% com 1.414,06 pontos e o Dow Jones Industrial Average fechou o mês com alta de 0,02% e um total de 13.025,04 pontos.

Fonte: France Presse

Por Ana Camila Neves Morais


A economia asiática mantêm o seu bom desempenho e nesta sexta-feira dia 30 de novembro de 2012 teve mais um indicador positivo, pois as ações dos países da Ásia atingiram os maiores níveis dos últimos 9 meses.

Com relação a isto, o índice MSCI subiu em 0,52% para mercados na região Ásia-Pacífico indo na direção de um ganho mensal de 2,1%.

De forma mais detalhada, o índice Nikkei do Japão subiu 0,48% com ganho de 5,8% que representa o melhor nível desde fevereiro.

As ações de Hong Kong tiveram alta de 0,49% enquanto que as indianas subiram 0,76%. Já na Austrália houve um crescimento de 0,63% nas ações deste país.

Esta melhoria se deve a ajustes de posição dos investidores que buscaram ações consideradas, por eles, com mais valor.

Fonte: Reuters

Por Ana Camila Neves Morais


A rede social Facebook, uma das empresas mais lucrativas da atualidade, poderá ter suas ações negociadas na bolsa eletrônica Nasdaq, as informações foram divulgadas pelo jornal americano New York Times que afirmou ter conversado com fontes que tratam diretamente do assunto. 

Já há algum tempo existe uma especulação a respeito de uma oferta pública de ações do Facebook na bolsa de valores, mas ela ainda não foi confirmada pela empresa.  Ainda segundo o jornal, as ações serão vendidas com o símbolo FB.

De acordo com especialistas, essa oferta inicial pública de ações poderá ser a maior já registrada por uma empresa de internet, sendo que a previsão é que ela supere os US$ 2 bilhões atingidos pelo Google em 2004. 

Em fevereiro desse ano, o Facebook entrou com um pedido oficial para abrir o seu capital, o documento foi solicitado na Security Exchange Commision (SEC), o órgão que regula o setor nos Estados Unidos. Na ocasião o Facebook divulgou que esperava uma arrecadação de US$ 5 bilhões

Existe uma disputa acirrada entre a Bolsa de Valores de Nova York e a bolsa eletrônica Nasdaq para conseguir a adesão das empresas de tecnologia mais respeitáveis do mercado, sendo que as primeiras contas em sua cartela de clientes foi o Linkedin e a Pandora, enquanto a outra abriga a Apple e o Google. A importância do Facebook fica por conta dos números de usuários que a rede possui atualmente, cerca de 800 milhões, o que representa uma receita de mais de US$ 3 bilhões por ano. 

Por Joyce Silva


Com a economia em alta, é cada vez mais comum ouvir pessoas falando em investimento. Porém, não tem como falarmos em investimentos sem falarmos da bolsa de valores. No Brasil, a maior bolsa de valores é a Bovespa, responsável pela maioria das negociações dentro do país.

Atualmente é possível optar por alguns caminhos para os seus investimentos, dentre eles há aqueles que devem ser seguidos apenas por pessoas com mais experiência na área. 

O caminho que exige mais experiência é a compra de ações através de corretoras. Dessa forma você irá escolher em qual empresa investir e será total responsável pela quantidade de dinheiro investido. Nessa forma de investimento você ganhará mais, porém estará mais propício a ter prejuízo, justamente porque uma queda em suas ações resulta em um prejuízo direto e de sua responsabilidade.

Outra forma de investimento é através de grupos ou fundos. O grupo muitas vezes é formado por amigos de trabalho ou família, onde os ganhos são dividos, assim como o prejuízo. Já o fundo de investimento é sempre oferecido por instituições financeiras, elas ficam totalmente responsáveis pelos investimentos, ou seja, elam estudam as empresas e escolhem qual a melhor hora de investir. Essa com certeza é a opção mais segura, porém é a que rende menos.

Você também pode contar com empresas de Home Broker, que cuida das suas negociações e lhe oferece dicas de investimentos.

Fonte: Guia de Investimento

Por Matheus Camargo


Depois da folia do carnaval, a Bovespa, que só pode parar na segunda e terça-feira, operou em queda durante toda a quarta-feira de cinzas. Os índices registrados foram acompanhados por outras bolsas de valores, como as norte-americanas e as europeias.

A exatamente uma hora da tarde do dia 22 de fevereiro, a Bovespa já abriu com valores oscilantes mais sempre decrescentes. O Ibovespa acabou despencando cerca de 0,44%, chegando aos 65.914 pontos em queda. Na última sexta-feira, o índice estava operando com leves altas e valores próximos a 1%, indo a 66.203 pontos.

Já na Europa, era a segunda vez consecutiva que os índices registravam queda. Depois de muitas preocupações com as recessões referentes à zona do euro, os índices das bolsas europeias começaram a recuar. A crise grega e os contratos para oferecer melhorias à economia do país já haviam sido motivo para a queda dos valores percentuais. Mesmo assim, o regaste econômico vem registrando bons resultados.  

Durante o mês, a Bovespa divulgou um valor de alta acumulativa com números próximos a 5%. No ano, o ganho é de exatos 16,65%.

Por Jéssica Monteiro 


As oscilações constantes do dólar estão dando o que falar na bolsa de valores. Seu valor permaneceu em queda por todo o dia, porém, nesta quarta-feira (15/02), acabou fechando com uma leve alta. Sua trajetória ao longo da semana, mês e ano não foi diferente.

Enquanto se registravam valores baixos e que decresciam vagarosamente, no final sempre surpreendia e dava uma guinada para cima, mesmo que em valores ainda não tão significantes.

A moeda norte-americana só conseguiu avançar o equivalente a 0,1% e passou a ser vendida a R$ 1,7232. Tomando esta semana inteira como referência, o dólar tem registrado queda no geral e no valor de 0,2% até o presente momento. Durante todo o mês de fevereiro foram divulgados valores de quedas ainda maiores, chegando aos 1,37% até agora. Porém, analisando números equivalentes ao ano, foi registrado um recuo de 7,78%, formando uma escala crescente de valores.

Mas não foi somente o dólar que operou em queda. De uns tempos para cá, os índices da bolsa europeia também mostraram números menores do que o esperado o que, na verdade, não é o caso de um colapso econômico.

Por Jéssica Monteiro 

Fonte: G1


A IBOVESPA teve uma variação de + 35,1% até às 15h52 do dia 28/12 enquanto o dólar caiu + 0,26% passando a valer R$ 1,869. 

De acordo com uma pesquisa, a maioria dos brasileiros não entende sobre a Bolsa de Valores sendo que nos Estados Unidos (o país mais rico do mundo) 90% das pessoas investem na bolsa e acompanham os números como um placar de futebol. Mas será que é importante mesmo entender sobre a Bolsa de Valores?

Veja alguns motivos que o site da IBOVESPA apresenta:

A Bolsa de valores é uma oportunidade para investidores formarem seu patrimônio e ao mesmo tempo fornecer recursos para o desenvolvimento de outras empresas. Aumentado os recursos, a empresa disponibiliza mais oportunidades de emprego e contribui para o ciclo da economia. Colabora para o aumento da produtividade econômica em escala global e contribui para o crescimento de países que precisam de poupança externa para a necessidade de sua bolsa.

Basicamente, ao investir na Bolsa de Valores, o dinheiro percorre por um ciclo, se a empresa investida tiver um aumento em suas ações durante um curto ou longo prazo, o lucro é dividido com os investidores, se as ações da empresa caírem, ou seja, a produtividade diminuir, todo o dinheiro que foi investido é perdido. Algumas pessoas comparam a um cassino, mas não é bem assim. No mundo dos negócios os riscos não são como em apostas, onde a probabilidade de ganho diminui e se torna escassa, eles ficam associados à probabilidade de ganho ou perda na média do mercado.

Quanto ao dólar, uma básica explicação é a seguinte: a maioria dos países desvaloriza suas moedas para que fiquem abaixo do dólar, assim o preço da exportação é menor e ganha competitividade. Em 2003 o real valia R$ 3,5258 por dólar, hoje vale R$ 1,86 significa que houve uma valorização de quase 50%. Isso representa que os produtos brasileiros estão quase 50% mais caros e assim se perdem exportações e empregos.

Portanto, é importante acompanhar e investir na Bolsa de Valores, pois isso contribui para a economia brasileira e mundial. 

Por Ana Lorena Teixeira


Desde 2009, ano de início da primeira fase da crise econômica mundial, os investimentos em ações permanecem como uma aposta incerta.

Quem aplica em ações sabe muito bem que este é um investimento de risco, pois os ganhos tanto podem ser grandes como nulos, e em certos casos pode-se perder todo o investimento.

O sobe e desce das bolsas acontece a todo momento em função do fluxo de compra e venda das ações, e dos preços envolvidos nessas negociações, mas ultimamente estão ocorrendo mais quedas do que altas, e isso se deve principalmente aos problemas no continente europeu, onde muito se discute mas pouco se faz com relação à crise das dividas soberanas que atinge países como Grécia e Portugal, e ameaçam outros como a Itália.

Os grandes investidores, em certos casos, retiram seu dinheiro das bolsas de ações por todo o mundo e deslocam o capital para outros investimento mais seguros, embora menos rentáveis. Fazem isso porque embora estejam acostumados a uma certa exposição ao risco, sabem que em situações como a atual o risco se torna muito maior do que poderia ser tolerado por qualquer apostador.

Para o pequeno investidor que viu seu dinheiro encolher durante as últimas movimentações da bolsa, resta retirar o dinheiro com perdas, para talvez não perder mais, ou manter o capital onde está, aguardando as coisas voltarem ao normal. A decisão deve ser tomada por cada um em função do risco que está disposto a aceitar.

Por Luiz Moreira


O dia 12 de setembro (segunda-feira) não foi animador para os investidores europeus. A baixa em praticamente todos os índices de ações da Europa fez com que a iminência de um calote da Grécia se tornasse algo ainda mais preocupante.

Com o sinal de alerta vindo da Europa, outras bolsas acompanharam o susto. Exemplo disso foi a  bolsa de São Paulo, que chegou a registrar uma queda de 2,42%. Mas o fato é que os primeiros a sentir os efeitos alarmantes foram os parisienses, que na última segunda tiveram uma queda de índice da ordem de 4,03% (algo visível em seus bancos: o Société Generalecaiu, 10,8%; o BNP Paribas,12,4%; e o Crédit Agricole, 10,6%, por exemplo).

Em Londres, o FTSE 100 desceu 2%, seguido por Frankfurt, que registrou queda de 2,8% no DAX. Acrescente-se ao quadro desalentador, o caso da Itália que, para se ter uma ideia, registrou queda na Unicrédito (uma instituição financeira) de 7,3%, enquanto que na Intesa Sanpaolo, a marca chegou a 4,6%.

Como se mencionou antes, o foco do abalo está mesmo ligado à política econômica da Grécia. Lá, ministro das Finanças, Evangelos Venizelos, chegou a afirmar que o governo iria criar uma nova contribuição – um imposto imobiliário de cerca de 4 euros por metro quadrado – para controlar o orçamento do país e assim conseguir mais empréstimos.

Segundo o ministro, a situação é delicada, já que a Grécia tem hoje um déficit de € 2 bilhões nesse orçamento e precisa chegar a um controle prudencial. Ainda esta semana está prevista a visita de organismos financeiros internacionais ao país, como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Central Europeu. Após essa visita, a Europa e o resto do mundo esperam que boas notícias apareçam.

Por Alberto Vicente Silva

Fonte: Estadão


A Dérivés Investimentos vai promover durante o mês de março de 2011 um ciclo de palestras gratuitas, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

O ciclo começa já dia 01/03/2011 com a palestra Finanças Pessoais, no dia 02/03/2011 o tema abordado será o Desmistificando a Bolsa de Valores e no dia 03/03/2011 ocorre a palestra Opere ao Home Broker com sucesso.

A próxima palestra, dia 14/03/2011 será uma homenagem ao mês das mulheres e o tema será Bolsa para Elas. O Ciclo será finalizado dia 21/03/2011 com a palestra Desmistificando a Bolsa de Valores.

Todas as palestras começam às 19h15 na sede da Dérivés Investimentos, que fica na Rua Antonio Carlos Berta, 475/1101.

Mais informações podem ser obtidas através do site www.derives.com.br ou pelo e-mail atendimento@derives.com.br.

Por E.S.


Com a volta do crescimento da economia nos mercados e o fechamento dos dados de 2010, que, em sua maioria, têm trazido novamente a confiança de investidores e consumidores, a bolsa de valores passa a ter mais atenção como alternativa de investimento. Geralmente, aqueles que não são especialistas em análise ou pouco entendem o funcionamento do mercado de ações, preferem aplicar seu dinheiro em renda fixa e, assim, assumir um risco menor (quase sempre nulo).

Entretanto, existem alternativas fáceis que, a curto e médio prazo, podem lhe assegurar investir uma parte do dinheiro no mercado de renda variável e, ainda com o risco, conseguir um maior rendimento e aprender uma nova forma de encarar a gestão de recursos.

Num primeiro momento, fazer simulações e, literalmente, brincar pode ser uma boa saída. O Jogo da Bolsa disponível no site folhainvest.folha.com.br é uma simulação real de como funciona a bolsa de valores: você poderá brincar de comprar ações, vender, analisar gráficos, cotações, empresas e etc.

Ainda assim, você pode se dedicar aos estudos e aprender um pouco sobre a Análise Técnica. Através do registro de gráficos e índices técnicos, baseia-se na ideia de que os preços das ações podem variar a partir de padrões repetitivos e identificáveis. Logo, pode-se antecipar a mudança de cenário e, com isso, adaptar suas estratégias de compra e venda de ativos.

Alguns sites oferecem um curso de investimento em bolsa baseado na análise gráfica, como o oferecido pela InfoMoney. Basta acessar o site e começar a aprender mais sobre as oportunidades da Bolsa de Valores.

Por Diego Alvim


Se uma coisa que já pode ser dito de positivo da eleição da presidente (a) Dilma Rousseff é que este fato propiciou uma alta na Bolsa de Valores brasileira.

Os investidores chineses não tiveram nenhum problema em admitir que ficaram confiantes em tê-la no comando do Brasil (e com isso nenhuma mudança econômica e na formação dos ministérios).

Pelo quarto dia seguido (todos após a eleição de Dilma) a Bovespa fecha em alta, na MAIOR alta desde o começo do ano; diga-se de passagem. Muito devesse também ao fato do Banco Central Americano ter anunciado estabilidade. Ao todo houve um giro de 7,3 bilhões de reais.

Fonte: Portal G1


Nesta quinta-feira, 16, as Bolsas de Valores da Europa, através do indicador FTSEurofirst, apresentou queda de 0,76%, o que representa 1.076.35 pontos,  menor fechamento desta semana. Os resultados preocupam investidores, especialmente pela drástica queda do total de vendas no Reino Unido.

"O momento é difícil devido à combinação de elevado desemprego, bancos ainda não emprestando e os governos começando a implementar medidas de austeridade. Todos esses fatores não vão ser resolvidos do dia para a noite", lamenta Franz Weis, gestor de fundos do grupo francês de gestão de ativos Comgest.

As varejistas britânicas foram as principais causas da baixa de 0,28% da bolsa londrina, indicando um possível  retrocesso no esforço de recuperação da economia na Europa.

Por Diego Diniz


Boa notícia para os acionistas da bolsa de valores. A Bovespa fechou em alta, com um montante lucrativo de 5,6 bilhões estimativamente. A gratificante alta deu-se em razão da ótima faze americana e da excelente situação de empresas e organizações como  a rede Walmart, Tam, Petrobras e Vale.

Além disso o Estados Unidos segue em ascenção acentuada no setor industrial o que eleva as vendas e faz com que os pregões ganhem negociações significativas. Com esta alta, somam-se outras três que elevam em quatro altas consecutivas na Bovespa.

Coisa difícil, pensando que há quase nenhum tempo atrás esse povo esta se descabelando diante de uma crise eminente. Que assim,continue…

Por Victor Gonçalves


O Laboratório de Mercado de Capitais (Labmec) da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) está com inscrições abertas a partir do dia 19 de junho de 2010 para o Curso “Estratégias para operar na Bolsa de Valores”. O curso tem como objetivo discutir temáticas ligadas a operações na Bolsa de Valores resultantes em lições de estratégia, estudos de mercado e gestão de carteira.

A ideia promete trazer ensinamentos práticos a investidores da área, através da promoção da cultura em mercado de capitais.

As inscrições estão abertas pelo site www.labmec.com.br ou pessoalmente na Pró Reitoria de Extensão (Proex) da PUC-RS em Porto Alegre. Inscreva-se e abra mais um canal de conhecimento e investimento!

Por Camila Porto de Camargo


As bolsas ao redor do mundo andam dando dor de cabeça e medo aos seus acionistas. Na verdade em todo o mercado. A última deste assunto foi a bolsa principal de Wall Street , a Dow Jones Industrial, que fechou com o,69% em baixa.

Apenas 8 empresas se safaram e saíram em alta: a Walt Disney, Merck, Caterpillar, Boeing, Pfizer, General Eletric, Home Depot e a Kraft. O choque  ficou com a notícia da gigante Microsoft que fechou o dia com 4,07% negativo. Mas não ficou por aí, outras grandes potências estão a perigo: Mc Donalds, IBM e Johnson & Johnson também estão no grupo negativo. Lastimável e perigoso essa queda das bolsas que estão um verdadeiro filme…de horror!

Por Teresa Cecília Almeida

Fonte Portal G1


Enquanto o dólar sorri sozinho pois está em alta, no cenário econômico um drama ameaça instalar-se. A Bovespabolsa de valores do estado de São Paulo registrou uma queda vertigiosa no dia 18 de junho. Essa queda ameaça trazer consequências duras pelo resto do mês.

É o índice mais baixo alcançado em 7 meses, o que acaba por exercer uma pressão acentuada que ameaça até mesmo o Estados Unidos, ainda que com dólar em alta. O principal fator que desencadeou a baixa, foi o do plano doméstico juntamente com o medo que o pessimismo europeu referente ao euro anda causando. Apesar do dia de ter tido a queda na bolsa, por um bom tempo pairará um pânico velado em relação a economia e muita gente começa a se desesperar. 

Por Teresa Cecília Almeida


A crise europeia iniciada no endividamento grego tem feito oscilar as bolsas de valores do mundo todo, sobretudo na própria zona do euro, embora a moeda do bloco tenha conseguido se valorizar acentuadamente, nas últimas semanas, ante o dólar. O empréstimo concedido à Grécia efetuado há pouco, porém, não tem conseguido acalmar o mercado.

Carlos Alonso Zaldívar, embaixador espanhol, afirmou recentemente que a crise por lá não deverá abalar o fluxo de capitais da Espanha para com o país de Luiz Inácio Lula da Silva, revelando, com ênfase, que a empreitada entre ambos permanece interessante para investimentos.

Como exemplificação, Zaldívar relatou que em plena crise global, entre 2008 e 2009, a aplicação financeira originária da Espanha ao Brasil foi de, aproximadamente, 1 bilhão de euros por ano. Segundo ele, conforme mencionado em reportagem do portal dinheiro UOL, caso o comércio entre o Mercado Comum do Sul (Mercosul) e a União Europeia for estabelecido, as cifras poderão ser ainda maiores.

Leia mais informações proferidas pelo embaixador espanhol aqui.

Por Luiz Felipe T. Erdei


O iBovespa subiu 0,25 por cento nesta terça-feira, impulsionado pela melhora da situação em Wall Street e pela alta do setor de metais. O índice chegou a 70.792 pontos e o giro financeiro ficou em 5,57 bilhões de reais. O resultado positivo veio depois de duas baixas consecutivas.

Segundo especialistas, os investidores preferiram esperar dados econômicos importantes de Estados Unidos e China – ainda a serem lançados – e assim evitaram apostas mais agressivas, o que deixou o índice próximo do zero, ainda que positivo.

“Enquanto os grandes números não vêm, o investidor se apoia em pretextos para tentar justificar suas posições”, afirmou o economista-chefe da SulAmerica Investimentos, Newton Rosa.

Fonte: O Globo Online

Por Fabrício Fuzimoto


A empresa OSX do grupo de Eike Batista, o brasileiro que é um dos dez homens mais ricos do mundo, estreou na bolsa de valores negociando a venda de 3,5 milhões de ações ordinárias.

Pois é, Eike está com tudo e não está prosa. O resultado das vendas das ações serão usadas para construir plataformas de petróleo em Santa Catarina. Se o projeto decolar e sair do papel vai ser o maior investimento privado da história do estado catarinente. Na estréia na bovespa, entretanto, alcançou apenas um terço do valor esperado. Mas na verdade, pouco importa. Eike está tão bem cotado que não duvida-se dele em mais nada!

Fonte: Bovespa

Por: Teresa Almeida





CONTINUE NAVEGANDO: