A Infraero divulgou recentemente que irá passar por sérios problemas financeiros em virtude da privatização de aeroportos que estavam sob seu controle.

Mas nesta segunda-feira, dia 31 de dezembro de 2012, esta situação apresentou uma importante melhoria já que foram publicados no Diário Oficial da União dois decretos da presidente Dilma Rousseff que concede um aumento no capital da empresa.

De acordo com as publicações aproximadamente R$400 milhões se referem à abertura no Orçamento durante o ano de 2012 e os R$30 milhões restantes serão concedidos por meio de créditos vindos diretamente da União.
Fonte: Valor Online

Por Ana Camila Neves Morais


Nesta sexta-feira, dia 21 de dezembro de 2012, a Gol informou que irá separar o programa de relacionamento Smiles de suas ações e ele passará a ser gerenciado pela Smiles S.A.

Esta empresa foi criada recentemente pela Gol como um negócio separado das atividades básicas de aviação e, além disso, ainda estão sendo feitos estudos para definir a realização ou não de oferta pública inicial de ações da Smiles S.A. entre os meses de abril e maio de 2013.

Fonte: Reuters

Por Ana Camila Neves Morais


A Infraero terá uma difícil questão financeira para administrar no ano de 2013, pois em decorrência da privatização de aeroportos em Guarulhos, Campinas e Brasília a empresa terá uma diminuição em suas receitas no valor de R$700 milhões no próximo ano.

Essa perda poderá significar, ainda, um prejuízo operacional de 120 milhões de reais para a empresa de aviação e pode aumentar já que mais dois aeroportos comandados pela Infraero – Confins e Galeão – também passarão a ser explorados pelo setor privado.

Apesar desta situação, a Infraero está confiante principalmente pela criação de uma subsidiária pelo governo federal – a Infraero Serviços – que terá 49% de participação em todos os aeroportos privatizados além de firmar parceria com operadora internacional do setor.

Deste modo, é esperado que a Infraero volte a ter lucros em cerca de 5 anos com a obtenção de lucros vindos dos aeroportos privatizados.

No entanto, até chegar neste momento a empresa que controla o setor aeroportuário público irá conter gastos e buscar novos recursos como os vindos do Fundo Nacional de Aviação Civil.

Por Ana Camila Neves Morais


Mais um empreendimento importante será feito no Brasil por meio de recursos vindos do BNDES.

Desta vez, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social irá fornecer um empréstimo no valor de R$1,2 bilhões para a reforma do Aeroporto Internacional de Viracopos na cidade de Campinas.

Com este recurso, a administradora do local irá realizar diversas obras para ampliar e modernizar o aeroporto gerando um aumento duas vezes maior da sua capacidade permitindo o atendimento de até 14 milhões de passageiros.

Para a execução deste projeto estarão envolvidos cerca de 7.000 novos empregos diretos e terceirizados e deverá estar finalizado em maio de 2014 para iniciar o seu uso na Copa do Mundo que acontece neste mesmo ano.

Fonte: EFE

Por Ana Camila Neves Morais


A ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, informou em entrevista no Palácio do Planalto que o governo federal irá estimar investimentos de até R$5 bilhões para os aeroportos regionais.

Este dinheiro será destinado a aproximadamente 200 aeroportos do país para a melhoria de sua infra-estrutura e melhor estruturação dos serviços para a população que utiliza os mesmos.

Fonte: Valor Online

Por Ana Camila Neves Morais


Uma decisão diferente foi tomada pelo poder judiciário no Brasil nesta semana, pois o desembargador Celso Ferreira Filho determinou que a companhia aérea Gol pagasse uma indenização no valor de 5.000 reais para um menino de oito anos.

O motivo da indenização é pelo fato de que a criança perdeu um dia de viagem para o parque temático “Beto Carreiro World” porque o seu vôo que deveria ter durado 3 horas gastou na verdade 24 horas para terminar.

A causa do atraso foi a colisão da aeronave com um pássaro e que foi considerada pelo magistrado como um descumprimento do contrato de transporte da empresa com o passageiro.

Por Ana Camila Neves Morais


A Portugal Parpública, agência estatal em processo de privatização, recebeu quatro propostas para a operadora de aeroportos ANA.

Esta demanda surgiu depois que um dos ofertantes iniciais saiu da disputa nesse processo que pode render para o governo português cerca de 2,5 bilhões de euros para diminuir a dívida da empresa para realizar um resgate de 78 bilhões de euros.

As propostas feitas foram divulgadas nesta sexta-feira, dia 14 de dezembro de 2012, e consistem na operadora de aeroportos da Suíça Flughafen Zurich, a alemã Fraport, o grupo argentino Corporacion América e a empresa de construção francesa Vinci.

Com a definição dos participantes, espera-se que as ofertas sejam feitas com valores superiores a 2,5 bilhões de euros para o controle da rede de aeroportos que cobre as cidades do sul de Portugal além de Lisboa e Porto.

Fonte: Reuters

Por Ana Camila Neves Morais


O ramo da aviação recebeu mais uma notícia interessante nesta semana, pois a Itaipu Binacional em parceria com a ACS Solutions divulgou o lançamento de seu primeiro avião híbrido.

Este modelo possui um motor que funciona com biocombustível e bateria elétrica com a possibilidade de desenvolver até 300 quilômetros de vôo sem necessidade de carga.

O novo modelo passará por testes em julho de 2013 e deve ser lançado em agosto de 2013 com possibilidade de ser produzido em escala industrial.

Por Ana Camila Neves Morais


O setor de aviação brasileiro está em constante modernização e a notícia do momento neste mercado vem da Embraer.

A empresa de aviação comercial do Brasil está aguardando para o início do processo de licitação destinado à compra de jatos regionais com a American Airlines.

Segundo Paulo César de Souza e Silva, presidente da Embraer Aviação Comercial, a licitação deve ser iniciada já nas próximas semanas; no entanto, mesmo que a negociação não ocorra a empresa brasileira não irá reduzir a sua produção para o ano de 2013.

A crise na Europa está pressionando o setor de aviação comercial, mas a Embraer espera fechar o negócio com a American Airlines e espera também uma manutenção do crescimento das suas receitas no próximo ano.

Fonte: Reuters

Por Ana Camila Neves Morais


A Gol divulgou neste mês de novembro de 2012 que irá realizar uma estruturação do seu programa de fidelidade Smiles até o final de dezembro deste ano.

A organização deste programa tem o objetivo de realizar um IPO (abertura de capital) da empresa no primeiro semestre de 2013.

Com isso, haverá um processo de capitalização do programa Smiles que vai permitir a sua organização enquanto unidade independente da empresa de aviação Gol.

Esta ação tem como principal objetivo tentar diminuir os prejuízos da Gol que já somam apenas no terceiro trimestre de 2012 um valor de 309,4 milhões de reais que poderá ser reduzido de forma importante com esta oferta de capital no mercado por meio do programa Smiles.

Deste modo, segundo executivos da Gol, o seu novo programa de fidelidade deve estar sendo apresentado ao conselho entre os meses de abril de maio de 2013 para, então realizar a IPO.

Fonte: Reuters

Por Ana Camila Neves Morais


Nesta sexta-feira – dia 30 de novembro de 2012 – a ministra do planejamento Miriam Belchior informou em um encontro com empresários espanhóis que uma série de medidas será anunciada pelo governo federal para promover o desenvolvimento da aviação regional.

 A primeira destas ações será segundo Miriam a publicação de um edital no dia 03 de dezembro de 2012 para a construção de um trem de alta velocidade no país.

Fonte: Valor Online

Por Ana Camila Neves Morais


A Gol (empresa especializada no ramo de aviação civil) divulgou recentemente seus dados financeiros do terceiro trimestre mostrando uma queda de 40% em seu prejuízo líquido que correspondia no mês de setembro de 2012 a R$309,4 milhões.

Este prejuízo foi menor do que o do ano passado que passou dos R$500 milhões e foi ocasionado pela redução acentuada de 98,7% nas perdas da empresas em decorrência das variações de câmbio que representaram R$6,3 milhões de reais, sendo que neste mesmo período em 2011 as perdas da Gol ocasionadas pelas oscilações do câmbio somavam R$ 476,4 milhões.

Além disso, a Gol teve um aumento da receita líquida de 7,8% e um aumento de 14% nos custos operacionais cujo principal componente foi o combustível que ficou 27,5% mais caro do que no ano anterior.

Outro dado que justifica a manutenção das perdas financeiras da empresa está no indicador Editdar (lucro antes de juros, impostos, depreciação, amortização e aluguel de aeronaves) o qual diminuiu em 22,6% e a margem de lucro da Gol também recuou para 4,8% em comparação com uma margem de 6,7% no ano de 2011.

Apesar destas questões, a Gol prevê uma taxa de crescimento em 2012 de 6% a 9% e a manutenção de uma margem de gastos operacionais negativa com a tendência de manter as perdas mas com valores menores do que os divulgados até o momento.

Por Ana Camila Neves Morais


Mais uma notícia movimentou o mercado financeiro mundial, pois a Airbus informou o início do estudo para identificar a viabilidade de aumentar a sua produção de aviões até o ano de 2020.

Este possível incremento na produção busca atender o aumento da demanda de aeronaves que está prevista para os próximos anos. Com relação a este assunto, a fábrica da Airbus na Europa já está produzindo 42 unidades mensais do modelo A320.

Airbus

 

No entanto, este aumento de produção em curto prazo encontra várias opiniões contrárias na companhia principalmente com relação aos fornecedores que não teriam tempo hábil de entregar insumos suficientes para a produção aumentada de aviões.

Em decorrência disso, qualquer mudança da Airbus no nível e quantidade de aviões produzidos deve ser planejada com uma antecedência de pelo menos 18 meses para evitar atrasos nas entregas.

Este estudo da Airbus pode aumentar ainda mais a briga acirrada pela venda de aeronaves entre a Airbus, Boeing e empresas novatas neste mercado vindas da China e do Canadá.

Fonte: Reuters

Por Ana Camila Neves Morais


Um tema um tanto quanto esquecido pela imprensa tupiniquim é a aquisição de 36 caças pelo Brasil, então voltados à Força Aérea Brasileira (FAB). Na disputa figuram a Dassault (França) e seus caças de combate Rafale, a Boeing (Estados Unidos) e os FA-18 Super Hornet, e a Saab (Suécia), com seus Gripen NG.

Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do país, está tencionado a estabelecer negócios com os franceses. Nicolas Sarkozy, presidente da nação europeia, voltou a mencionar que poderá conseguir vencer a licitação e estabelecer, finalmente, contrato com o Brasil.

Conforme matéria do portal de Economia UOL, a decisão do atual governo não tem prazo para ser anunciado, ou seja, deverá ocorrer durante a gestão da presidente eleita, Dilma Rousseff.

Além de Lula, Nelson Jobim, ministro da Defesa, mostrou vontade em fechar acordo com a fabricante francesa, por outro lado, a própria Aeronáutica indica os suecos como favoritos.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Algumas empresas de aviação brasileiras estão investindo bastante na compra de novas aeronaves. É o caso da Azul, que possuía apenas aviões da Embraer e agora está ampliando sua frota com unidades adquiridas da ATR, em um investimento total aproximado de oitocentos e cinquenta milhões de dólares. E a Azul continua comprando da Embraer também, desembolsando duzentos milhões de dólares na aquisição de mais cinco jatos 195.

A compra de aeronaves menores de setenta lugares pela Azul visa atender regiões que possuem poucos serviços neste segmento. Já a empresa Trip, que já tinha trinta aeronaves adquiridas da ATR, agora está comprando mais duas unidades da Embraer, modelo 190, totalizando um investimento de oitenta milhões de dólares.

Por Elizabeth Preático

Fontes: Abril, O Estadão


As companhias aéreas, mesmo após a crise financeira ocorrida entre 2008 e 2009 e, mais recentemente, depois do vulcão situado na Islândia, parecem estar com suas ações e tarifas em alta, segundo atesta a Iata, associação de âmbito internacional das empresas do setor.

Em comunicado a entidade relata que os resultados operacionais nos primeiros três meses deste ano, nos Estados Unidos, indicam sinal positivo de uma melhoria já aguardada às companhias para 2010. Embora, para a Iata, a saúde do segmento possa ser mesclada com a situação econômica global, a realidade não é a mesma para a atual conjuntura.

Reportagem mencionada pela agência de notícias Reuters relata que a entidade assegura ascensão nas ações das empresas do setor em 15% desde o início do ano, tanto que os mercados financeiros apostam alto em relação ao futuro das companhias.

Leia mais diretamente na Reuters.

Por Luiz Felipe T. Erdei


De acordo com o presidente da Azul Linhas Aéreas, Pedro Janot, o mercado de aviação deve ter um crescimento que varia de 17% a 20%. Para chegar a esses números, o executivo lembrou que o PIB (produto interno bruno) teve crescimento de 6% em relação ao ano passado, e que isso influencia diretamente na demanda no setor de aviação.

A Azul quer crescer junto com o mercado, por isso já encomendou sete aeronaves esse ano, o que fará a empresa chegar à marca de 21 aviões. Com a inclusão de Cuiabá, capital de Mato Grosso, a empresa pretende chegar ao número de 18 localidades de embarque e desembarque.

Fonte: Jornal de Turismo

Por Fabrício Fuzimoto


A disputa na venda de caças à Força Aérea Brasileira (FAB) continua em pauta. Entretanto, muitas especulações promovem debates ríspidos entre diversos lados. Desta vez, uma reportagem publicada há uma semana afirmou que a Dessault, fabricante francesa de aeronaves, reduziu o preço de seus caças Rafale em aproximados 40% – com a finalidade de assegurar seu negócio.

Uma defesa, porém, foi feita por um porta-voz da própria Dessault, que disse, entre outros pontos, que as negociatas da companhia são executadas sem propagação ao público. Entretanto, o jornal Libération, fonte autora da reportagem, divulgou que a empresa tomou essa iniciativa em virtude de solicitações de Nicolas Sarkozy, presidente daquele país.

Se é especulação, ou não, ainda é cedo para afirmar. O que se sabe, até o momento, é que Sarkozy se comprometeu, em sua última visita ao Brasil, há pouco mais de um mês, em tornar os preços dos Rafale mais interessantes.

Por Luiz Felipe T. Erdei


A empresa brasileira Embraer, uma das maiores no mundo no segmento aéreo, poderá fazer a entrega de 242 aeronaves ainda neste ano, 10 unidades a mais do que fora antecipado em 29 de outubro. Isto ocorrerá caso alguns dos clientes da companhia consigam resolver entraves de financiamento para a aquisição do modelo Phenon 100.

Ao todo, especula-se que sejam entregues 115 aviões comerciais, 17 Lineage 1000 e Legacy 600, além de aproximadamente 100 jatos executivos do modelo Phenon 100. Luiz Carlos Aguiar, vice-presidente executivo de Finanças e de Relações com Investidores da Embraer, procurou acalentar a possível perda de venda de aeronaves.

Segundo ele, cada avião da categoria do Phenon 100 custa aproximadamente 3,5 milhões de dólares, o que leva a crer que alguns de seus clientes não comprem no último trimestre de 2010.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Números levantados pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) apontaram um crescimento de 29,93% no fluxo de passageiros transportados no país somente no mês de setembro, isto, em relação ao mesmo período de 2008 pelas companhias aéreas brasileiras.

A TAM constituiu uma fatia de 44,15% do mercado, porém, abaixo dos 52,81% registrados há 12 meses. O grupo Gol/Varig, por sua vez, assinalou uma participação de 41,85% do mercado brasileiro, superior, então, ao caracterizado em 2008, quando inscreveu 39,88%.

A demanda por vôos internacionais operados pelas companhias aéreas brasileiras, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil, proporcionou um crescimento de 8,15% no mês de setembro em relação a esse período do ano passado. Nas rotas destinadas a outras nações a TAM comanda, com 87,26% – em setembro.

Por Luiz Felipe T. Erdei


A companhia aérea Ryanair informou, na última terça-feira, o interesse em encomendar 200 aeronaves da Airbus ou da Boeing até o final deste ano, com entregas previstas, porém, após 2012.

Segundo Michael O’Leary, presidente da companhia irlandesa, caso o negócio entre uma ou outra empresa citada anteriormente fique, de fato, sem conclusão, a Ryanair anunciará que não mais comprará nenhuma aeronave.

A frota da companhia é composta, atualmente, por aviões da Boeing. Se a Airbus oferecer um acordo melhor, mais rentável, provavelmente O’Leary encomendará unidades dessa concorrente. Entretanto, se as duas não adotarem uma decisão entre o atual momento e dezembro, provavelmente a Ryanair seguirá para um Plano B.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Em anúncio feito recentemente, a Embraer, uma das mais notórias fabricantes de aviões no mundo, informou que entregou, no terceiro trimestre deste ano, 57 aeronaves, número superior a 2008, quando, na ocasião, a quantidade cerceou 48 unidades. No acumulado do início de 2009 até setembro, as entregas chegaram a 153 aeronaves.

De julho a setembro, a fabricante nacional entregou 27 aviões executivos (22 deles do modelo Phenom 100 e os demais do Legacy 600), 29 jatos para o segmento de aviação comercial e 1 aeronave para a Defesa.

Segundo a Embraer, a carteira de pedidos estava em pouco mais de US$ 18,5 bilhões em setembro, com registro de queda em 6% ante o mês de junho deste ano.

Por Luiz Felipe T. Erdei


A Azul Linhas Aéreas Brasileiras, uma das companhias mais novas do segmento, acertou um contrato de revisão geral e reparo dos motores CF34-10E de suas aeronaves com a empresa GE Celma, pertencente ao grupo General Electric Company. Segundo informações da Azul, o acerto está calculado em 1 bilhão de dólares.

Os serviços prestados pela GE Celma serão realizados na cidade de Petrópolis, no Rio de Janeiro, para um total de 36 aeronaves e outros quatro aviões arrendados, todos, sem exceção, do modelo Embraer 190/195.

A frota da Azul continua em expansão. No início, em 2008, a companhia encomendou 76 aeronaves da Embraer, e hoje atua pelos ares com 12 jatos; porém, aguarda mais 14 aeronaves até o final deste ano. Para 2010, espera-se a entrega de mais sete aviões.

Por Luiz Felipe T. Erdei

A Embraer, uma das companhias brasileiras mais bem-sucedidas no mundo, conquistou o certificado ISA+39ºC para o jato modelo 190, que comporta uma classe voltada a linhas comerciais. Isto atesta, pois, que aeronaves desse porte realizem operações em aeroportos situados em locais com temperaturas mais elevadas – de até 54ºC.

Essa habilitação à Embraer foi concedida pela Federal Aviation Administration (FAA) e pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), respectivamente órgãos dos Estados Unidos da América e do Brasil.

Os aviões da companhia com essa certificação já podem, sem qualquer restrição, trafegar em locais como África, Oriente Médio e região da Ásia Pacífico. Com isso, os clientes dessas localidades podem usufruir novas rotas e horários flexíveis, principalmente nos momentos em que as temperaturas se apresentam bem altas.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Conforme anunciado na semana passada, a concorrência na compra de jatos pela Força Aérea Brasileira (FAB) tornou-se acirrada. Porém, a sueca Saab, uma das participantes, contradisse que tenha solicitado um prazo maior para a entrega de propostas melhores deste processo.

Ake Svensson, principal executivo da Saab, afirmou que a companhia efetivará a proposta dentro do prazo estipulado inicialmente. Para esclarecer, no entanto, a FAB afirmou que pediu um tempo mais prolongado devido a solicitações das outras duas concorrentes, a Rafale, da França, e a Boeing, dos Estados Unidos.

De qualquer maneira, tudo indica que a Rafale seja a grande vencedora dessa disputa, pois, conforme asseguram os muitos veículos de comunicação, a visita pretensiosa e simpática de Nicolas Sarkozy, presidente francês, parece ter contribuído nas negociações.

Por Luiz Felipe T. Erdei


A disputa pela venda de caças ao Brasil continua acirrada. Nesta semana, a história ganhou um novo capítulo, pois o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou não haver nada definido em relação a isso e pediu mais calma para que não se cometam precipitações e erros.

A Força Aérea Brasileira (FAB) pretende adquirir inúmeras unidades de aviões para equipar sua frota. As três participantes, ou concorrentes, são a norte-americana Boeing, com o caça F-18 Super Hornet, a francesa Dessault, com o Rafale, e a sueca Saab, com o Gripen NG.

Para quem dava como certa a vitória da França, liderada, então, pelo presidente Nicolas Sarkozy, terá de esperar mais um pouco. Lula não quer somente caças da melhor qualidade, mas sim, acima de qualquer outro motivo, propostas melhores, pois segundo ele, o assunto é sério e de vital importância para o fortalecimento da nação brasileira.


Não é somente a França que ambiciona vender aviões para o Brasil – isto é, se tal comercialização for efetivada. Nosso país provavelmente deverá comercializar de 10 a 15 aeronaves de transporte, a KC-390, de fabricação da Embraer, com custo entre 50 e 60 milhões de euros cada as franceses.

Entretanto, Herve Morin, ministro da Defesa daquele país, acredita que o intento não afetará o projeto europeu que apetece a produção do cargueiro A400M. A confecção desse modelo será de responsabilidade de uma das gigantes do setor, a Airbus.

De qualquer maneira, é possível prever que a negociação para a venda dos KC-390 à França acontecerá, pois, no sentido oposto, os franceses cobiçam vender 36 jatos de caça Rafale, de produção da empresa Dassult Aviation, para o Brasil.


A Companhia Sol Linhas Aéreas ganha nesta semana a liberação para operar em território nacional. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) autorizou a empresa paranaense a realizar voos regulares com carga, malote postal e passageiros.

A concessão, que terá a validade de dez anos, permite à companhia a venda de passagens e a solicitação de rotas e horários de voos.

Essa é a 20ª companhia nacional a ganhar a concessão da Anac. A entidade divulga que, apesar do atual cenário de crise econômica que atingiu mundialmente o setor aéreo, os índices de voos regulares no Brasil continua crescendo. Pesquisas indicam que o volume de passageiros aéreos aumentou 6,57% no primeiro semestre do ano em relação ao ano passado.





CONTINUE NAVEGANDO: