Nesta quarta-feira, 07/12/2011, a cervejaria AmBev se destacou no mercado econômico e alcançou aproximadamente R$ 200 bilhões em valor de mercado. A marca ainda é superada pela Vale, que atualmente está estimada em 208 bilhões de reais. Vale ressaltar que para chegar a estes valores é somado o número e o valor das ações da empresa.

Os papéis da Ambev finalizaram em alta de 1,8%, com as ações no valor de R$64,01, sendo o segundo lugar de alta na IBOVESPA. Já a Vale também obteve destaque, entretanto, a mineradora se destacou pela baixa em suas ações, liquidando o pregão da bolsa em queda de 4,3%.

Atualmente a AmBev lidera o ramo de produção de cerveja no Brasil, sendo responsável por 70% da mesma.

Confiando que os papéis da cervejaria são a segurança de investimento no momento, pois o consumo da bebida aumenta cada vez mais no Brasil, diversos investidores adquiriram as ações da empresa. Entretanto, apesar de o momento ser de comemoração na companhia, alguns acreditam que se deve agir com cautela neste momento e que a Vale (que é a maior mineradora do mundo) ainda pode se restabelecer e voltar a ser um porto seguro para os investidores.

Por Aline Gomes


A Ambev registrou aumento de 1% na participação no mercado brasileiro de cervejas e aumento de 12,9% no EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), que saltou para R$ 2,99 bilhões no último trimestre.

Embora os números sejam positivos, os resultados da empresa não convenceram. Especialistas acreditam que o papel, cujo fechamento no dia 9 de novembro ficou na casa de R$ 57,50, está caro.

A variação do dólar, que no começo do trimestre era cotado em R$ 1,60 e terminou em R$ 1,85 fez com que a companhia perdesse nas operações ‘inter companies’, o que, por consequência, comprometeu o resultado financeiro no período, deixando-o negativo em R$ 306,3 bilhões. Em 2010, no mesmo período, a Ambev registrou resultado positivo em R$ 48,1 milhões.

No mercado de ações, a companhia apresenta uma valorização de 18,9% no acumulado do ano, período em que o Ibovespa registrou uma queda de 163%.

A inflação registrada no período contribuiu com o aumento de 7,3% das despesas com vendas gerais e administrativas. O volume do produto vendido por hectolitro subiu para 1,6%, o que corresponde a um aumento de 39,9 milhões de hectolitros.

Por Lorena Matuziro


A cerveja é consumida amplamente em todo o mundo. Existem versões mais comuns, para serem servidas totalmente geladas, e existem séries em que um pequeno resfriamento é o suficiente para revelar o verdadeiro sabor. Sobre este assunto surgiram boas notícias, pois a Ambev anunciou investimentos de R$ 160 milhões para aumentar em 35% o processo produtivo da bebida produzida em sua unidade na cidade carioca de Piraí.

O investimento divulgado pela empresa faz parte de um primeiro pacote, cujo total chega a R$ 2,5 bilhões apenas para 2011. Na etapa recém-apregoada estima-se a geração de 600 oportunidades de trabalho diretas e indiretas, com obras já em maio.

A ampliação, que abrangerá também fins estruturais, é uma estratégia de acordo com as pretensões da Ambev. Cerca de 19% da produção total da cerveja da empresa provém das fábricas de Piraí e Nova Rio (esta última recebeu investimentos de R$ 55 milhões em 2010).

Os interessados em trabalhar na Ambev devem ficar atentos, pois novos postos podem ser abertos em breve.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Assessoria de Imprensa


Na sexta-feira às 17h, muitos brasileiros não viam o momento do relógio bater quase 180 graus da circunferência para, enfim, um final de semana ter início. Baladas, cinema e até um happy hour surgem como atrativos para os cinco dias corridos e transbordados em serviço se extirparem por, pelo menos, 50 e poucas horas. Bares, dos simples aos mais sofisticados, apostam nesse público, e um dos maiores incentivos a uma fatia dos trabalhadores é a cerveja.

Durante a Copa do Mundo na África do Sul, por exemplo, indicadores econômicos e empresarias constataram alta no consumo da cevada. O Brasil, um dos maiores mercados mundiais, tem a seu dispor vasta gama de opções, desde as de origem nacional até outras importadas. A AmBev, maior cervejaria do Brasil, divulgou na última sexta-feira, 20 de agosto, que assumirá 15% do controle da Cerveceria Regional, da Venezuela.

Em comunicado emitido à imprensa, ambas afirmam que a negociata engendrará um competidor mais potente e diligente na Venezuela, o segundo local em que a cerveja é mais consumida em todo o bloco sul-americano. Segundo a Band Online, embora algumas tramitações tenham de ser levadas adiante, a operação poderá ser finalizada até o final de 2010.

Por Luiz Felipe T. Erdei


A produtora de bebidas AmBev informou ao mercado nesta semana que obteve lucro líquido de R$ 3,2 bilhões nos primeiros seis meses do ano. O número é 17,4% maior que o lucro registrado no mesmo período do ano passado.

Em comparação com os meses de abril a junho de 2009, o crescimento registrado no segundo semestre deste ano em relação à receita líquida da Ambev subiu R$ 330 milhões. A receita obtida pela empresa no segundo trimestre de 2010 chegou ao montante de R$ 5,67 bilhões.

A companhia informou, ainda, que a receita por hectolitro de cerveja no mercado brasileiro cresceu 5,2% no semestre, alcançando o valor de R$ 163,70 por hectolitro. O custo de vendas pela quantidade também aumentou em 15,2%, segundo a Ambev.

Por Luana Neves


O mercado cervejeiro do país é um dos melhores do mundo, embora os brasileiros fiquem atentados quando observam, em estabelecimentos, a bebida estrangeira, geralmente com valores superiores às de origem nacional. Empresas, pelo Brasil, não faltam, entre elas a AmBev, que acaba de anunciar investimentos de R$ 260 milhões na construção de nova unidade da companhia em Pernambuco.

O montante corresponde a apenas uma pequena parcela dos R$ 2 bilhões promulgados no início do ano pela empresa, voltados, pois, à ampliação da capacidade de produção de suas fábricas espalhadas por toda a nação. O portal de economia UOL relaciona ser essa a maior aplicação financeira da AmBev em um único ano desde que foi criada.

Aos trabalhadores, obviamente, a criação da unidade pernambucana será rentável. Serão 200 empregos diretos na primeira etapa operacional da fábrica e outros mil indiretos durante as fases de edificação do projeto.

O UOL prenuncia que a futura fábrica de Pernambuco contará com outros R$ 100 milhões na segunda etapa de expansão, prevista para terminar em 2015.

Fonte UOL

Por Luiz Felipe T. Erdei


A pauta “ajuda ao meio ambiente” é uma das mais utilizadas por empresas e instituições, pois se a população tem conhecimento que determinada companhia possui concepções positivas neste sentido, o número de consumidores pode subir – mas também existem outros motivos, claro, tais como a própria índole de seus diretores, presidentes etc. Recentemente, a AmBev revelou que investirá R$ 20,3 milhões, neste ano para projetos ambientais.

Isto acontecerá por meio de uma parceria entre a cervejaria e a Water Footprint Network, rede formada por empresas, Organizações Não-Governamentais e membros das Nações Unidas. A partir dessa idéia, a companhia passará a monitorar o quanto gasta na água em toda sua cadeia produtiva.

Outro detalhe chama atenção, revela a própria AmBev. A empresa tem conseguido diminuir anualmente o impacto de sua atuação no meio ambiente. O grande responsável por essa conquista é o Sistema de Gestão Ambiental, ou SGA, vigente na companhia há quase duas décadas. Com base nesse preceito, há redução na captação de água e consumo de energia, bem como um aumento no número de reciclagem dos resíduos e o próprio arrefecimento de poluentes na atmosfera.

Por Luiz Felipe T. Erdei





CONTINUE NAVEGANDO: