Previsão de Inflação e PIB no Brasil em 2019





Relatório Focus reduz previsão de inflação e prevê alta do PIB.

Conforme as previsões do boletim de mercado para o ano de 2019, conhecido popularmente como o relatório “Focus”, os analistas de instituições financeiras baixaram as suas estimativas em relação à inflação para o ano. Na mesma notificação, divulgada oficialmente pelo Banco Central, o BC, na última segunda-feira, dia 28 de janeiro, a previsão é de uma alta menor em relação ao Produto Interno Bruto, o PIB.

Com notícias tão boas para o Brasil, vale lembrar que o relatório é o resultado de um levantamento que foi realizado na semana anterior. Esse envolveu, no total, mais de 100 instituições. Assim, para este ano, os economistas de mercado financeiro apontaram uma diminuição esperada na inflação de 4,01% para os 4%. Como meta central para o período, são estimados os 4,25%, com um intervalo de tolerância de sistema de metas variando entre 2,75% e 5,75%. Vale lembrar que a meta em relação à inflação sempre é fixada oficialmente pelo Conselho Monetário Nacional, o CMN. De forma a alcançá-la, o Banco Central reduz ou eleva a taxa básica dos juros da economia, conhecida como Sistema Especial de Liquidação e de Custódia para os títulos federais, a Selic.

Veja também:  Pagamento de Boletos em Qualquer Banco



Para o ano de 2020, a estimativa de inflação feita pelo mercado financeiro se manteve nos 4%, alinhada com a meta central que possui esse mesmo valor para o próximo ano. Caso a inflação oscile entre os 2,5% e os 5,5% no próximo ano, pode-se dizer que a meta oficial terá sido cumprida.

Sobre o Produto Interno Bruto (PIB)

Para este ano, a previsão de mercado na semana passada para o crescimento de Produto Interno Bruto, o PIB, teve um recuo importante de 2,53% para os 2,50%. Essa foi a segunda queda seguida registrada no indicador. Ressalta-se que o PIB constitui na soma de todos os serviços e de bens que são produzidos aqui no Brasil, servindo também para a medição de toda a evolução econômica do país.

Veja também:  Venda da Netshoes - Centauro faz oferta de Compra

Para 2020, a expectativa feita pelo mercado financeiro em relação à expansão econômica também teve um recuo de 2,60% para os 2,50%. Todavia, os economistas de bancos não fizeram nenhuma alteração na previsão da expansão da economia durante os anos de 2021 e de 2022, mantendo os 2,50% para ambos os períodos mencionados.

Algumas outras estimativas realizadas

A pesquisa realizada com o mercado financeiro também trouxe outras estimativas importantes para o Brasil. Em primeiro lugar, destaca-se os dados relacionados ao investimento estrangeiro. Conforme uma previsão do relatório, em 2019, a projeção dos investimentos estrangeiros diretamente aqui no país teve um aumento significativo, indo dos US$ 79,5 bilhões para os US$ 80 bilhões. Entendeu-se ainda que, para 2020, a estimativa é a permanência estável da imissão nos US$ 82,44 bilhões.

Veja também:  Pinterest inicia Processo de Abertura de Capital

Outro ponto abordado foi o saldo da balança comercial, que nada mais é que o resultado final e total das exportações menos as importações realizadas. Com isso, a projeção do ano continuou com resultado positivo e nos US$ 52 bilhões. Em 2020, estimou-se um superávit nos US$ 49 bilhões.

Em termos de taxas de juros Selic para 2019, o mercado acabou mantendo a previsão em 7% ao ano. Nos dias atuais, sabe-se que o juro básico está em 6,50% ao ano. Para o final de 2020, a previsão se manteve em 8% ao ano. Por esse motivo, os analistas continuam prevendo uma alta nos juros para o decorrer desse e para o próximo ano.

Por fim, a projeção para a taxa de câmbio do dólar feita pelo mercado financeiro para 2019 foi estável, permanecendo no valor de R$ 3,75. Para o fechamento do ano de 2020, a estimativa ficou inalterada e no valor de R$ 3,78 por cada dólar.

Kellen Kunz



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *