Walmart comprará a startup Jet.com para concorrer com a Amazon




Transação envolverá US$ 3 bilhões e será considerada a maior negociação que será feita com a participação de uma startup de todos os tempos.

Decididamente o mundo dos negócios não é para principiantes, pois a Jet.com, que teria sido criada, inicialmente, para concorrer diretamente com a poderosa Amazon.com no ramo do e-commerce (comércio eletrônico), ao que tudo indica fará parte agora da Walmart, maior rede varejista do planeta, avaliada em cerca de US$ 215.8 bilhões.

A negociação, segundo os principais portais de negócios do mundo, deverá envolver a quantia de US$ 3 bilhões, que a varejista deverá pagar pela Jet.com, acrescida de mais US$ 300 milhões a titulo de ações do site.


Os motivos da compra:

A notícia foi dada no dia 9 de agosto como a maior negociação que será feita com a participação de uma startup (no caso a Jet.com) de todos os tempos.

E segundo a assessoria de imprensa da Walmart, a compra da Jet.com seria uma forma de fortalecer o seu segmento de comércio eletrônico e, de quebra, competir com a gigante do e-commerce, a Amazon.com.


Veja também:  Diferenças do Dólar Comercial, Turismo e Paralelo

Tudo começou após a Walmart começar a sofrer uma série de críticas sobre o seu segmento de e-commerce, que apresenta valores infinitamente menores que os da Amazon.com (US$ 13,7 bilhões de dólares contra os quase US$ 100 bilhões de dólares da outra), exigindo da varejista uma resposta imediata, que veio por meio de um investimento maciço nesse setor, a partir de várias frentes, como: oferecer frete 50% mais barato que o da Amazon, contratação constante de novos empregados, a abertura de vários pontos distribuidores de produtos especialmente comercializados eletronicamente; além da compra de várias empresas nesse segmento.

Os bastidores da negociação:

No entanto, o que mais chama a atenção nesse tipo de negociação é o caráter singular com que ela vem se desenrolando ao longo do tempo, pois, curiosamente, a Jet.com vinha mantendo uma política agressiva, que envolvia descontos em qualquer dos seus produtos (bastando apenas que o consumidor se comprometesse com uma taxa de adesão de não mais que US$ 50 dólares, uma única vez).

Garantia da venda dos seus produtos por um valor sempre entre 5% e 6% menor que o das suas concorrentes (leia-se Amazon.com); além de mais descontos em qualquer produto que fosse despachado para um local nos arredores da empresa.

No entanto, após uma série de investimentos, e negociações controversas, como a venda de alguns sites de sua propriedade para a própria Amazon.com (como a Diapers, por exemplo), a Jet.com anuncia o encerramento das suas atividades, e a sua venda para a gigante varejista Walmart.

Um verdadeiro jogo de xadrez, segundo alguns entendidos, e que promete novos e emocionantes capítulos para o futuro, em se tratando de uma disputa entre as duas maiores representantes do comércio varejista do planeta (o físico e o virtual) Walmart e Amazon.com, respectivamente.

Por Vivaldo Pereira da Silva

Jet



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *