Indústria Eólica deve criar mais de 50 Mil Empregos no Brasil em 2016



Presidente da Abeeólica afirma que Brasil deverá ter um investimento de R$ 20 bilhões na construção de novos parques eólicos.

Como é sabido, o desemprego vem crescendo com uma força incrível, porém, o segmento de energia eólica irá gerar cerca de 50 mil postos de empregos neste ano de 2016. No ano de 2015, essa cifra chegou a 40 mil, de acordo com os dados da Abeeólica, a Associação Brasileira de Energia Eólica.

Segundo Élbia Gannoum, presidente da associação, um estudo que envolve toda a cadeia produtiva revela que a cada Megawatt ou MW instalado, são gerados 15 novos postos de trabalho. De acordo com a presidente, o investimento para esse ano será de R$ 20 bilhões, para que sejam construídos 175 novos parques eólicos, com a finalidade de gerar mais de 3 Gigawatts (GW) de energia.



Atualmente o Brasil conta com 349 parques eólicos, onde 324 estão em funcionamento, de acordo com a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica). Élbia afirma que foram construídos, no ano passado, 111 parques e em 2014 foram 95. No ano de 2015, completou 8,7 GW de potência instalada, a mesma quantidade gerada pela usina de Belo Monte.

A participação da energia eólica no SIN, Sistema Integrado Nacional de energia elétrica, cresceu em 35% somente no último ano, se comparado com o ano 2014, sendo que neste ano deverá ter um crescimento de 36% em relação a 2015. No ano que passou, a energia eólica gerou uma cifra de 2,7 GW no SIN, que atualmente é de 140 GW. Gannoum afirmou que no nordeste se encontra a maior parte dos parques eólicos do Brasil, pelo grande potencial em toda a costa, porém, o Rio Grande do Sul também possui grande força.

Leia também:  Balança Comercial Brasileira - Superávit na 1ª Semana de Dezembro de 2010


Até dezembro de 2015, o segmento de energia eólica era responsável por cerca de 5,53% da energia de todo o Brasil. Nos próximos anos esse valor deverá atingir o número de 12%, isso é o que a associação prevê, para assim se tornar segunda maior fonte de energia, perdendo somente para a hidrelétrica.

Nádia Neves

Outros Conteúdos Interessantes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *