Contas externas brasileiras registraram déficit em fevereiro

Déficit foi de US$ 6,88 bilhões em fevereiro

O Banco Central anunciou nesta terça-feira (24), que as contas externas brasileiras registraram um déficit de US$ 6,88 bilhões.

De acordo com o Banco Central, ainda com o valor elevado houve uma queda  em relação ao mesmo mês de 2014, quando o déficit em conta corrente somou US$ 7,4 bilhões. O número  também  ficou  abaixo  do resultado de janeiro que foi de US$ 10,6 bilhões negativos.

O resultado das contas externas,  que mostra despesas maiores que a receita, leva em conta a balança comercial (importação e  exportação), serviços (como juros e remessa de  lucros, entre outros), um dos principais  indicadores do setor externo.

Em todo o ano passado, o déficit em transações correntes somou R$ 90,9 bilhões, o maior  valor  desde o início da série histórica, em 1947.

Veja também:  PIS 2017 - Consultar o Saldo, Quem tem Direito

Na proporção do Produto Interno Bruto (PIB), o indicador considerado mais adequado por economistas, somou 4,17%, sendo a  maior marca em 13 anos.

Com o resultado de fevereiro, as  contas externas  acumuladas nos últimos doze meses ficaram no negativo de US$ 89,9 bilhões, equivalente a 4,22% do PIB.



O Banco Central informou que o ingresso de  investimento no Brasil  somou  US$ 3,96 bilhões em janeiro. Com isso os  investimentos  recuaram em relação ao mesmo mês em 2014 quando somaram US$ 5,11 bilhões.

Para 2015 a previsão do BC é que os  investimentos estrangeiros somem US$ 65 bilhões, não sendo suficientes, outra vez, para  financiar o déficit em conta corrente do próximo ano que está previsto em US$ 83,5 bilhões.

Veja também:  Melhores Cidades para Empreender no Brasil

Quando o déficit não é  coberto pelos investimentos estrangeiros, o  país tem de se apoiar em outros  fluxos, como  o  ingresso de  recursos  para aplicações financeiras, ou buscar empréstimos no exterior.

Economistas alertam, entretanto que um cenário de crescimento menor do PIB, de indicadores ruins das  contas públicas e externas  brasileiras, a  atratividade da economia brasileira  também é menor, o que pode  significar um pouco mais de  dificuldade no  financiamento do déficit das contas externas.

O Governo tem lembrado que as reservas internacionais brasileiras, acima de US$ 370 bilhões, conferem tranquilidade na administração das contas externas brasileiras.

Por André Escobar

Contas externas





Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *