Irregularidades do Banco PanAmericaano



Os técnicos do Banco Central que investigam o PanAmericano suspeitam que taxas de juros pagas aos clientes eram propositalmente altas para mascarar saída de recursos. Um único cliente recebia mais de R$120 milhões de rendimento ao ano, acima de 30%, em uma aplicação de R$400 milhões em CDB (Certificado de Depósito Bancário) do banco em questão.

O CDB é um mecanismo que os bancos usam para obter recursos. O investidor empresta dinheiro ao banco e recebe juros baseados no CDI, que é a taxa cobrada nas transações entre instituições financeiras e segue a taxa básica da economia (SELIC), que está girando em torno de 10,75% ao ano.



No caso, o banco pagou ao cliente 20% além do CD, ou seja, 30,75% ao ano em uma aplicação de cinco anos.

A descoberta de uma aplicação tão fora do usual é um forte indício de falha da fiscalização do Banco Central. E por lei, o PanAmericano deveria avisar o BC do ocorrido, já que estas aplicações geralmente são feitas por pessoas jurídicas de grandes corporações, e não físicas. Neste caso, ambos falharam.



Também foram constatadas irregularidades como carteiras de créditos já vendidas a outras instituições, mais ainda constando na contabilidade.

Foi instaurado inquérito policial para apuração de possíveis crimes contra o Sistema Financeiro. Segundo a Polícia Federal serão investigados os crimes de gestão fraudulenta, prestação e inserção de informações falsas na contabilidade.

Por Cintia Santoro

Leia também:  Taxa Selic subiu para 14,25% ao ano

Outros Conteúdos Interessantes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *