China – Investimentos no Mundo



O desenvolvimento da economia brasileira seguiu alguns conceitos para ser edificado, tais como implementação de estímulos fiscais recentes, maiores oportunidades de trabalho com carteira assinada e ampliação no poder aquisitivo e confiança da população. Em um ambiente propício, empresas nacionais e estrangeiras têm investido com mais ênfase, sejam elas micro, pequenas, médias ou grandes.

A China, outro país integrante do BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China), tem conseguido se estabelecer como a nova referência desta década, tanto que foi considerada nos últimos dias a segunda economia mundial, atrás somente dos Estados Unidos. Devido ao seu forte crescimento a nação asiática deverá ser a maior investidora global entre uma década a uma década e meia.



Márcio Holland, professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), avalia que os chineses ampliaram tanto seus investimentos em todo o planeta, por meio de suas estatais, que já há unidades produtivas na Alemanha, na Áustria e, também, no Brasil. Para ele, durante entrevista transcrita pelo portal de Economia UOL, a China quer recursos naturais, petróleo e alimentos, e os locais focados são sua base necessária.

O enaltecimento em relação à economia brasileira não é o mesmo ponto de vista adotado por Holland, pois se desconsiderada a China como participante da nova geografia econômica global, nenhum dos países pobres contribui veementemente. Para ele, o Brasil ainda é uma economia acanhada.



Por Luiz Felipe T. Erdei

Leia também:  Balança comercial registrou superávit no início de outubro

Outros Conteúdos Interessantes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *