Segurança para Compras Online



O comércio eletrônico no Brasil conseguiu definitivamente transmitir confiabilidade aos consumidores. Desde o ano passado, quando parte da população temia adquirir produtos por meio da rede mundial de computadores, o valor movimentado nesse canal já chamava bastante a atenção. Há vários fatos que contribuíram e continuam a contribuir para essa expansão, entre eles diversas modalidades de pagamento, financiamento e a praticidade de ser possível comparar preços virtualmente.

Na medida em que a comercialização de acessórios distintos entre si ascendem, outra questão negativa também é configurada: aumento no número de reclamações -independente de quais. Em vista disso, o Ministério da Justiça deliberou propagar uma cartilha específica ao setor para explanar aos consumidores questões cruciais, inerentes à segurança.



Mariana Tavares, secretária de Direito Econômico do Ministério da Justiça, revelou que o intento tem por base conferir aos órgãos de Defesa do Consumidor (Procon) de todo o país uma série de pontos estritos da esfera eletrônica, antes cingidas somente pelo Código de Defesa do Consumidor. Para ela, após isso, conforme menção veiculada pelo Estadão, haverão estímulos para as pessoas adquirirem produtos em virtude da maior proteção a si.

Uma medida inédita existente somente em algumas lojas físicas é o grande trunfo das novas determinações, decorrente quando o consumidor adquire um produto, não gosta dele (ou se esse apresentar defeito), uma devolução em até sete dias pode ser feita.



Por Luiz Felipe T. Erdei

Leia também:  Governo cria Novo Ministério para Micro e Pequenas Empresas

Outros Conteúdos Interessantes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *