Bancos reajustaram suas tarifas em até 169% para obter maior receita em cima do que cada cliente realiza, seja nas agências ou nos terminais bancários.

Quando confiamos em “guardar” nosso dinheiro na poupança de algum banco ou fazer algum tipo de investimento nele, é porque se considera ser o lugar mais seguro para que o fruto do trabalho seja depositado. No entanto, nunca ficou tão caro pagar por toda a confiança que os bancos têm para oferecer aos seus correntistas. A prova disso é que os serviços que essas instituições financeiras prestam aos clientes, que são cobradas com o nome de tarifas, receberam um reajuste de até 169%.  

Trazendo essa informação para o dia a dia de quem usa banco para fazer suas transações financeiras, significa dizer que vai ficar bem mais caro para o correntista tirar extrato de conta via papel; fazer transferências, realizar pagamentos de contas básicas pelo automático; obter emissão de talão de cheques, entre outros serviços.  

Quanto mais complexa for a transação financeira que você for fazer no banco, mais se aproximará de chegar a pagar esse reajuste de 169% sobre as tarifas bancárias.

Para a razão desse aumento não há mistérios: simplesmente eles querem ter uma maior lucratividade em cima do que cada cliente realiza, seja nas agências ou pelos terminais bancários.  

O que os economistas ficam assombrados é com um reajuste de 169% que está acima da inflação em até oito vezes e também bem acima do IPCA, numa variação de 19,63%.

Claro que o Banco Central regula as cobranças de tarifas feitas pelos bancos, no entanto, todos os correntistas têm direito a alguns pacotes gratuitos. Já em contrapartida, os bancos ficam livres para cobrar a taxa que quiserem sobre os outros serviços.  

Importante salientar que não são as tarifas as fontes de renda dos bancos, mas é inegável o quanto elas colaboram com as lucratividades estratosféricas dessas instituições.

De acordo com consultores econômicos, as tarifas foram responsáveis pelo crescimento financeiro na ordem de 14,30% do Bradesco; de 11,1% do Itaú e de 9,1% da lucratividade do Banco do Brasil.  

A lógica segue sendo essa: nosso dinheiro continua depositado; necessitamos dos seus serviços e eles continuam, como sempre, obtendo lucratividades recordes com isso.     

Por Michelle de Oliveira

Caixa eletrônico

Foto: Divulgação


A empresa de informática Dell realizou um projeto chamado The Evolving WorkForce (Força de Trabalho em Evolução) que realizou uma pesquisa com cerca de 8.360 profissionais de 11 países diferentes sobre as mudanças ocasionadas nas organizações a partir do uso de tecnologias.

E neste mês de dezembro a Dell divulgou os resultados finais desta avaliação a qual mostrou que a consumerização da tecnologia da informação permite um aumento na produtividade empresarial, mas ainda existem diversos receios com relação à segurança da informação nestas atividades.

Além disso, o estudo demonstrou que é preciso mudar o ambiente de trabalho para adequá-los à mobilidade necessária para a chegada de computadores, smartphones e tablets em nuvem.

Outra questão importante demandada pelo projeto da Dell refere-se ao fato de que é preciso realizar a transparência nas decisões em tecnologia da informação com os funcionários para evitar problemas futuros e estabelecer uma relação de confiança no ambiente de trabalho.

Por todas estas questões encontradas, Raymundo Peixoto – presidente da Dell Brasil – afirmou que esta pesquisa mostra um impacto direto da tecnologia na forma de realização do trabalho e que isto exige mudanças estruturais nas empresas para atender às novas demandas e garantir a segurança das informações geradas.

Por Ana Camila Neves Morais


O setor de aviação recebeu uma notícia animadora nesta quinta-feira, dia 13 de dezembro de 2012, pois as companhias aéreas com cobertura global anunciaram novas expectativas de lucro.

Nesta nova previsão, a IATA (Associação Internacional de Transporte Aéreo) informou que o setor espera ter um lucro de 6,7 bilhões de dólares em 2012.

Este valor representa um importante aumento frente à projeção anterior de um lucro de 4,1 bilhões de dólares.

Além disso, a organização que representa 240 companhias aéreas em todo o mundo informou a expectativa de lucrar em 2013 cerca de 8,4 bilhões de dólares que também consiste em um aumento na previsão anterior de 7,5 bilhões de dólares.

 Ao estratificar esta estimativa para as diversas áreas do mundo, é esperado um lucro zero, mas sem prejuízos na Europa e um lucro de 3 bilhões de dólares na Ásia com um mercado crescente.

Este otimismo das companhias aéreas se deve, principalmente, nos cortes de custos e na consolidação do mercado na América do Norte; no entanto, a IATA alerta para riscos como a crise na eurozona e o abismo fiscal norte-americano que podem afetar este setor.

Fonte: Reuters

Por Ana Camila Neves Morais


Uma notícia movimentou o mercado financeiro nesta sexta-feira – dia 30 de novembro de 2012 – quando a chefe da Casa Civil Glesi Hoffmann divulgou a sanção pela presidente Dilma do polêmico projeto que regula a distribuição de royalties do petróleo brasileiro.

A lei sancionada conta com seis vetos presidenciais ao projeto aprovado no Congresso Nacional, sendo que o mais relevante refere-se à manutenção dos contratos de áreas já licitadas.

Segundo Hoffman os vetos de Dilma Rousseff buscam garantir o respeito aos contratos já firmados e determinar regras claras para o uso do petróleo presente no pré-sal.

Outra mudança relevante com os vetos ocorridos é a diminuição para apenas 2% da participação dos municípios afetados pela camada de pré-sal.

Além disso, Dilma mudou a distribuição dos recursos vindos dos royalties do petróleo que serão destinados totalmente para a educação brasileira.

Fonte: Valor Online

Por Ana Camila Neves Morais


A empresa de telefonia Portugal Telecom está vivendo na pele a recessão econômica de Portugal já que teve no terceiro trimestre uma diminuição de 29% em seu lucro anual.

A receita da empresa em Portugal já havia caído cerca de 6,7% indo para 682 milhões de euros e agora teve uma nova diminuição.

De forma mais específica, a sua receita no terceiro trimestre diminuiu em 6% chegando a 1.64 bilhão de euros, o lucro líquido ficou em 64 milhões de euros que correspondeu a 19 milhões de euros a menos do que o período anterior.

Além disso, houve a redução dos custos operacionais da Portugal Telecom em 4% ficando em 1,05 bilhão de euros e o seu Ebitda (que mede o lucro antes de descontar juros e impostos) também ficou 10% menor em um total de 587,8 milhões de euros.

Este prejuízo só não foi maior graças a alguns fatores como o bom desempenho da Oi (na qual a Portugal Telecom é proprietária de 25%), o corte de custos da empresa e o bom desempenho da televisão MEO.

Fonte: Reuters

Por Ana Camila Neves Morais


Mais uma notícia movimentou o mercado financeiro mundial, pois a Airbus informou o início do estudo para identificar a viabilidade de aumentar a sua produção de aviões até o ano de 2020.

Este possível incremento na produção busca atender o aumento da demanda de aeronaves que está prevista para os próximos anos. Com relação a este assunto, a fábrica da Airbus na Europa já está produzindo 42 unidades mensais do modelo A320.

Airbus

 

No entanto, este aumento de produção em curto prazo encontra várias opiniões contrárias na companhia principalmente com relação aos fornecedores que não teriam tempo hábil de entregar insumos suficientes para a produção aumentada de aviões.

Em decorrência disso, qualquer mudança da Airbus no nível e quantidade de aviões produzidos deve ser planejada com uma antecedência de pelo menos 18 meses para evitar atrasos nas entregas.

Este estudo da Airbus pode aumentar ainda mais a briga acirrada pela venda de aeronaves entre a Airbus, Boeing e empresas novatas neste mercado vindas da China e do Canadá.

Fonte: Reuters

Por Ana Camila Neves Morais


Com uma grande lucratividade conquistada por meio da venda dos aparelhos eletrônicos iPhone e iPad neste primeiro trimestre, a Apple já pensa no desenvolvimento de outras inovações no decorrer do ano de 2012.

De acordo com informações divulgadas pela própria Apple, durante os três primeiros meses do ano, foram vendidos 35,1 milhões de iPhones e 11,8 milhões de iPads. Neste contexto, também foram vendidos 4 milhões de Mac e 7,7 milhões de iPods.

Conforme os dados apresentados pela empresa, o resultado das vendas do primeiro trimestre rendeu a Apple um lucro de R$ 11,6 bilhões, o que mostra um grande crescimento comparando com a lucratividade dos R$ 6 bilhões informados no mesmo período do ano passado.

Segundo a companhia, as vendas internacionais correspondem a 64% da receita deste período e, por isso, são em sua maioria responsáveis pelos resultados dos lucros obtidos.

No entanto, a Apple sabe que o mercado de eletrônicos é bastante competitivo e mantém seus pés no chão, trabalhando para que os resultados positivos impulsionem ainda mais a criatividade de inovação tecnológica e a capacidade da empresa em se reinventar. 

Por Anne A. Matioli Dias


O Google apresentou esta semana um balanço com o seu lucro no primeiro trimestre de 2012. De acordo com o documento, o aumento foi de 61%. Mesmo com esse resultado, o valor desembolsado pelos anunciantes por clique apresentou queda pela segunda vez seguida.

De acordo com a companhia, o lucro apresentado até o último dia de março foi de US$ 2,89 bilhões, sendo que no mesmo período de 2011 o lucro foi de US$ 1,8 bilhão.

A receita total foi de mais de US$ 10 bilhões, esse valor representa um aumento de 24% quando comparado ao ano passado.

Com relação ao custo por clique, a queda foi de 12% quando comparado ao ano de 2011, sendo que o último trimestre apresentou uma baixa de 8%.

No mesmo relatório, a empresa afirmou que pretende aumentar, através de uma engenharia contábil, o volume de ações disponibilizadas no mercado, mas os administradores não perderão o poder de voto, pois eles não serão reduzidos.

O objetivo é criar uma nova modalidade de ação onde os donos não terão direito de voto, essas ações seriam negociadas na bolsa eletrônica Nasdaq. Segundo um comunicado oficial da companhia, essa nova abordagem está alinhada com os atuais interesses da empresa.

Por Joyce Silva


Foi divulgado lucro recorde trimestral da empresa Samsung Electronics, de US$ 5,15 bilhões.

Com o lançamento de novos produtos, designs arrojados, funções diferenciadas e formatos que se adaptam às necessidades humanas, a empresa conquistou uma legião de consumidores fiéis, principalmente na venda de produtos como smartphones e o novo Galaxy Note, que se assemelha ao iPad da Apple, sua forte concorrente.

O Galaxy Note realmente atraiu a atenção de muitas pessoas e demonstrou que a Samsung tem talento para inovação. O eletrônico tem tela com metade do tamanho da tela do iPad e já vendeu mais de 5 milhões de unidades desde seu lançamento em outubro.

Com a explosão de vendas, a Samsung subiu no ranking mundial de smartphones no ano passado e já está se preparando para o lançamento de uma nova versão do aparelho eletrônico, que vai disputar mais uma vez o mercado com a rival Apple.

Com relação ao mesmo período do ano passado, o faturamento foi dobrado, ficando acima da expectativa de muitos analistas de mercado.

Qual será o próximo passo da inovadora Samsung? Só nos resta aguardar com ansiedade!

Por Anne A. Matioli Dias


Apesar do crescimento apresentado pelos sites de compras coletivas, o Groupon apresentou resultado negativo nos últimos três meses de 2011.

De acordo com os dados divulgados pela própria empresa, a perda trimestral atingiu o patamar de US$ 65,3 milhões. O número foi corrigido pelos executivos da empresa, que anteriormente haviam divulgado que o prejuízo havia sido de US$ 42,7 milhões, o que representa uma diferença de US$ 22,6 milhões.

Com esse novo resultado, a receita total do Groupon no ano passado ficou em US$ 157,9 milhões, o que corresponde a uma diminuição superior a US$ 14 milhões.

Um dos grandes problemas enfrentados pelo Groupon é o fato dele não obter recursos dos parceiros para cobrir o reembolso das reclamações feitas pelos clientes insatisfeitos.

Esse fato chamou atenção para uma deficiência do setor. Os clientes insatisfeitos ficam na dúvida sobre com quem reclamar e acabam culpando os portais de compras coletivas, sendo que esses são responsáveis apenas pela venda. As entregas dos produtos e serviços são de responsabilidade dos anunciantes.

Mesmo com esse resultado, o CFO da empresa, Jason Child, afirmou que continua confiante no mercado. Porém a afirmação não foi o suficiente para conter a queda das ações do Groupon, que enfrenta desconfiança por parte dos investidores.

Por Joyce Silva


A empresa Foxconn International, que é nada menos que a maior fabricante terceirizada de dispositivos móveis do mundo, conseguiu reverter seu enorme prejuízo de 2010 a um lucro significativo em 2011.

Isso foi possível pelo motivo de clientes como a Huawei e a Nokia terem migrado para a fabricação de smartphones mais sofisticados, saindo de aparelhos celulares mais simples, com menos recursos e mais baratos. A controladora da Foxconn International é a taiwanesa Foxconn Technology Group que monta iPhones e iPads da gigante Apple.

A fabricante global se beneficiará cada vez mais da migração de seus principais clientes para o mercado de aparelhos mais sofisticados e com recursos mais evoluídos, como os smartphones. Além da Nokia e Huawei, a companhia também é montadora de dispositivos das marcas Sony e Motorola Mobility.

O resultado do ano passado foi estimulante para a fabricante terceirizada, com um lucro líquido de cerca de US$ 72,84 milhões, divulgados no dia 21 de março, quinta-feira. No ano anterior, 2010, a empresa fechou com prejuízo líquido de cerca de US$ 218,3 milhões, principalmente tendo em vista que vários de seus clientes acabaram perdendo participação de mercado com relação a dispositivos móveis.

Por Guilherme Marcon


O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) divulgou uma nota apresentando o lucro líquido da instituição em 2011. De acordo com o documento, o valor foi de R$ 9 bilhões, sendo que em 2010 o lucro foi R$ 9,9 bilhões, ou seja, uma queda de 8,7%.

Segundo a nota da instituição, essa queda foi influenciada pelos altos valores usados na recuperação de crédito do ano anterior, que foi de R$ 2,3 bilhões.

Com relação à carteira de crédito e os repasses feitos ao banco, o número aumentou em 2011 e fechou o ano em R$ 6,1 bilhões, sendo que em 2010 foi de R$ 5,8 bilhões.

A renda variável também apresentou um desempenho considerado bom pelo banco e foi um dos pontos responsáveis por fazer com que o resultado bruto chegasse a R$ 6,8 bilhões.

Com relação à venda de ações, houve uma queda que, segundo a instituição, teve influência das condições consideradas desfavoráveis no mercado de capitais. Outro ponto divulgado foi com relação às operações de tesouraria do banco, que também ficou abaixo do valor de 2010, passou de R$ 1,6 bilhão para R$ 900 milhões no ano passado.

Por Joyce Silva


Uma quantia equivalente a R$ 37,814 bilhões. Esse foi o lucro de uma das maiores empresas de capital aberto do Brasil. A Vale já tem muitos anos de estrada e mostrou seu maior crescimento no ano de 2011.

Segundo levantamento da consultoria Economatica houve comparações dos lucros nominais de muitas empresas do Brasil e todas seriam de livre capital. Depois de testes e análises, o valor de lucros atribuídos a Vale constou nas notas como o maior já registrado em todos esses anos de trabalho.

Além da Vale, o lucro do ano passado de outras quatro empresas brasileiras também ficaram entre os 20 maiores da história no país.

Fábricas como as da Petrobras conquistaram a 3ª colocação, com R$ 33,313 bilhões. O Itaú Unibanco ficou em 14º lugar, com R$ 14,621 bilhões e o Banco do Brasil em 16º lugar, com R$ 12,126 bilhões. Já o Bradesco conseguiu alcançar o 19º lugar, com R$ 11,028 bilhões. 

Dentre os 20 maiores lucros registrados, o setor bancário é um dos que mais se destaca e fica bem na frente do setor industrial. 

A Petrobras passa a acumular 9 dos 20 maiores lucros e a Vale, 6.

Por Jéssica Monteiro

Fonte: Uol


Hoje (07) dados da Economatica apontaram que o Itaú Unibanco bateu em 2011, o recorde de toda a história em termos de lucro dos bancos brasileiros.

O lucro total foi estimado em R$ 14,6 bilhões, com uma alta de 12,4%, tendo como comparação o mesmo período do ano anterior.

O ranking que aponta os maiores lucros das instituições financeiras, já apresentava o Itaú como o líder em 2010.

Naquela ocasião os números eram de quase R$ 12 bilhões. Tais dados fazem com que o segundo lugar do ranking também seja ocupado pelo Itaú Unibanco, ele tendo assim as duas primeiras posições.

O Banco do Brasil figura na terceira posição, ainda com os números de 2010, com R$ 11,2 bilhões.

Isso, pois os dados que fazem referência a 2011, ainda não foram lançados. Na quarta posição encontramos o banco Bradesco, com um lucro estimado em 2011 de R$ 11,02 bilhões.

O Itaú Unibanco, porém, apresentou uma queda de 5,4%, com relação ao último trimestre de 2011. Neste período o lucro calculado foi de R$ 3,7 bilhões.


A Ambev registrou aumento de 1% na participação no mercado brasileiro de cervejas e aumento de 12,9% no EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), que saltou para R$ 2,99 bilhões no último trimestre.

Embora os números sejam positivos, os resultados da empresa não convenceram. Especialistas acreditam que o papel, cujo fechamento no dia 9 de novembro ficou na casa de R$ 57,50, está caro.

A variação do dólar, que no começo do trimestre era cotado em R$ 1,60 e terminou em R$ 1,85 fez com que a companhia perdesse nas operações ‘inter companies’, o que, por consequência, comprometeu o resultado financeiro no período, deixando-o negativo em R$ 306,3 bilhões. Em 2010, no mesmo período, a Ambev registrou resultado positivo em R$ 48,1 milhões.

No mercado de ações, a companhia apresenta uma valorização de 18,9% no acumulado do ano, período em que o Ibovespa registrou uma queda de 163%.

A inflação registrada no período contribuiu com o aumento de 7,3% das despesas com vendas gerais e administrativas. O volume do produto vendido por hectolitro subiu para 1,6%, o que corresponde a um aumento de 39,9 milhões de hectolitros.

Por Lorena Matuziro


A Apple anunciou neste mês de outubro seus lucros após o fim de mais um ano fiscal, entre outubro de 2010 e setembro de 2011. O resultado representa mais um recorde quebrado pela companhia. As vendas subiram cerca de 85% em relação ao ano fiscal anterior e o lucro passa dos 25 bilhões de dólares. Ainda assim, no último trimestre as vendas estiveram abaixo das metas estabelecidas pela gigante da tecnologia. A arrecadação total superou pela primeira vez os 100 bilhões de dólares.

No último ano de Steve Jobs (falecido no último dia 5) a frente da companhia, a Apple vendeu mais de 72 milhões de celulares iPhone em todo o mundo. Também foram vendidos mais de 32 milhões de iPads, a mesma quantidade das vendas de iPods. Segundo os executivos da Apple, os números revelam que as vendas têm duplicado a cada trimestre, exceção ao último.

As maiores vendas da história da gigante foram registradas no trimestre que vai de abril a junho. O aumento se justifica pelo lançamento do novo iPhone, que ocorreu nesse período, e a contratação de Tim Cook, novo CEO da companhia.

Por Mozart Artmann


O sonho de negócio próprio é tanto quanto ou até mais alto que o anseio por um imóvel próprio. Uma das possibilidades para realizar o primeiro desejo citado é se valer de franquias, setor que em 2010 observou crescimento expressivo de 20% em seu faturamento ante 2009.

Essa tendência corresponde à inauguração de grandes shoppings e outros estabelecimentos por todo o país, acompanhando, deste modo, o crescimento da economia brasileira.

Para Ricardo Camargo, diretor-executivo da Associação Brasileira de Franquias (ABF), o setor deve registrar faturamento de R$ 75 bilhões em 2011, R$ 12 bilhões a mais em relação a 2009.

Dados da ABF assinalam que o número de franquias também cresceu entre 2009 e 2010, de 80 mil estabelecidas para 90 mil. Ao todo, revela a associação, são aproximadamente 1,6 mil redes pelo Brasil, com destaque no último triênio aos segmentos de acessórios pessoais, roupas, turismo, sapatos, serviços e alimentação.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Prosperidade financeira é algo que todos os brasileiros almejam em qualquer fase da vida. Quitar tranquilamente as dívidas, viajar ao menos uma vez por ano, adquirir casa própria e carro novo são algumas das possibilidades que consumidores endinheirados têm a seu dispor quando o menor dos problemas é dinheiro.

Parte da população investe numa vida acadêmica ou em concursos públicos para alcançar o sonho. Alguns, porém, fixam-se durante vários anos numa mesma empresa enquanto outros, com visão mais estratégica, optam por negócio próprio. Uma das possibilidades, neste sentido, é se valer de franquias.

Diversos casos podem ser citados. Pequenos lava-rápido a seco, lojas de alimentação e vestuário são algumas das recorrências, mas existe a opção pelo segmento de cartuchos e tonners de impressoras remanufaturados. Uma das companhias com mais de uma década de existência nesse setor e com essa possibilidade (franquia) é a Lemar Ink, também especializada no sistema outsorcing.

Para Letícia Bonato, diretora-executiva da empresa, muitas pessoas ainda possuem a concepção estigmatizada de que remanufaturados possuem baixa qualidade, porém garante: a Lemar investe em técnicas e processos como maneira de assegurar a qualidade da mercadoria, algo, portanto, transpassado aos interessados em abrir uma franquia da rede.

As franquias da Lemar Ink são estruturadas para atender uma demanda de recarga de 1200 toners e 500 cartuchos de tinta ao mês. Os franqueados pagam um taxa de 6% do faturamento bruto, que podem chegar de R$ 25.000 até 60.000.

A Lemar é somente um dos inúmeros exemplos passíveis de ilustração, independente se do mesmo ramo ou de outro. O interessante é pesquisar, estudar e arriscar dentro de um valor em mãos.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Maxpress


O cenário econômico do país é favorável tanto para os consumidores como para as empresas. A população brasileira, grande parcela situada na classe C (cerca de 50,5% do total), passou a adquirir produtos na medida em que incentivos fiscais foram adotados e também devido ao aumento da massa salarial e dos postos de trabalho preenchidos no decorrer dos últimos meses.

As empresas de capital aberto obtiveram lucro considerável entre julho e setembro em comparação ao terceiro trimestre do ano passado. De acordo com levantamento edificado pela consultoria Economatica, as companhias do país contraíram avanço de 48,5% no quesito, ou seja, dos anteriores R$ 37,08 bilhões de 2009 para novos R$ 55,08 bilhões.

O segmento de mineração foi o mais lucrativo dentre os demais de acordo com o portal de Economia Terra, pois os ganhos saltaram de R$ 3,7 bilhões para R$ 12,5 bilhões na base comparativa elucidada no parágrafo acima, ou seja, um incremento de 238%. Em seguida figurou o setor financeiro, de R$ 7,09 bilhões para R$ 9,98 bilhões (aumento de 40%).

A esfera de petróleo e gás apareceu logo depois, pois cresceu R$ 8,6 bilhões, ante R$ 7,4 bilhões. A Economativa avalia que o fator predominante para a alta, neste caso, foi a Petrobras.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Com vários segmentos de atividade em seu portfólio, o grupo JBS, considerado o maior processador mundial de carne bovina, revelou na semana passada queda de 11,9% em seu lucro líquido no terceiro trimestre deste ano. Com isso, o montante representado é de R$ 133,5 milhões, abaixo em R$ 3,7 milhões ao assinalado entre abril e junho.

Matéria coordenada pela agência de notícias Reuters aponta que o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ficou em R$ 1,026 bilhão de julho a setembro, avanço significativo se comparado os R$ 291,9 milhões no confronto anual.

O mercado está atento em relação às operações da JBS na Argentina, porém, o grupo afiança que embora existam dificuldades estruturais em nossos vizinhos, soluções têm sido procuradas incansavelmente, tais como a demissão de 1,5 mil funcionários em quatro de suas unidades, término de atividades em outras três e a transferência da sede para outro local (Rosário).

Um anúncio feito em agosto último ainda pode contribuir às medidas levadas adiante pelo JBS, entre os quais a redução da produção de carne ou venda de algumas unidades produtivas argentinas.

Por Luiz Felipe T. Erdei


A crise financeira mundial prejudicou as atividades em todo o planeta, arrefecendo índices em várias áreas entre 2008 e 2009. Atualmente, países desenvolvidos, não em sua totalidade, enfrentam impasses para restabelecer números econômicos, porém, ao que tudo indica, consumidores e empresas instaladas no Brasil enfrentam cenário diferenciado, tal como é percebido na China e na Índia.

A Lojas Americanas, que entre julho e setembro do ano passado apresentou lucro líquido de R$ 7,9 milhões, observou no terceiro trimestre de 2010 alta quase seis vezes maior, atingindo, pois, R$ 45,1 milhões. Analistas consultados pela agência de notícias Reuters projetavam valor bem abaixo, de R$ 25,5 milhões.

De janeiro a setembro a Americanas acumula rendimento de R$ 104,6 milhões, superior em cerca de sete vezes ao montante vislumbrado no período igual de 2009. A receita líquida verificada entre julho e setembro foi de R$ 2,25 bilhões, incremento de 12,6% no confronto anual.

Por Luiz Felipe T. Erdei


A Lojas Marisa, rede varejista especializada em moda feminina, reportou avanço de 57,9% em seu lucro no terceiro trimestre deste ano em comparação ao período igual de 2009. Alguns fatores econômicos atuais ajudam a explicar o crescimento, tais como maior número de vagas formais criadas ao longo dos últimos anos, acesso ao crédito e poder de renda crescente por parte dos consumidores brasileiros.

A Lojas Renner, outra varejista de renome, assinalou lucro líquido de R$ 57 milhões no mesmo trimestre reportado pela Lojas Marisa, ou, em percentuais, aumento de 86,3% na mesma base comparativa. De acordo com a rede, a sustentação do ambiente macroeconômico favorável resultou em maior número de vendas e nível de inadimplência em menor patamar.

Assim como sua concorrente, a justificativa é o lançamento da coleção primavera-verão. Segundo Adalberto Santos, diretor de Relações com Investidores da varejista, o cenário era desafiador, porém a rede contou com o ajuste de vendas fortes e nível ameno de inadimplência para o sucesso.

Reportagem conduzida pelo portal de notícias G1 assinala que no acumulado entre janeiro e setembro deste ano a empresa acumula lucro próximo de R$ 185 milhões. Em relação a lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) foi constatado R$ 105 milhões no terceiro trimestre, superior em 18,5% ao observado nos três meses análogos do ano passado.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Quem não gosta de lucros? Certamente haverá, entre estas linhas, respostas vazias; ou melhor, nenhuma resposta. Pois bem, os empresários do setor industrial brasileiro estão contentes com a margem de lucro operacional e o estado financeiro de suas empresas. Por quê?, certamente cada um deve estar se perguntando.

Segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI) por meio da pesquisa Sondagem Industrial realizada entre julho e setembro deste ano, o percentual de satisfação com a margem de lucro citada abarcou 50,7 pontos, ultrapassando a divisão dos 50 pontos pela primeira vez desde 2007, quando o estudo começou a ser realizado. Em relação à situação financeira, o mesmo indicador abrangeu 54,8 pontos, considerado, pois, o maior da série histórica.

Com resultados possíveis entre zero e 100 pontos, quando há transposição de 50 pontos existem indicativos de perspectiva positiva ou evolução. Pela Sondagem, ocorreu avanço da atividade no terceiro trimestre analogamente ao trimestre imediatamente anterior, com 55,2 pontos, assinalando, portanto, a satisfação observada no segmento.

Além desses pontos acima mensurados, segundo o Canal Executivo UOL o número de empregados também sofreu avanço entre julho e setembro, para 55,2 pontos, portanto o quinto trimestre consecutivo em que as companhias do setor adicionam profissionais.

Por Luiz Felipe T. Erdei


A economia brasileira tem sustentado relativamente bem o crescimento de inúmeras empresas por aqui instaladas. As instituições bancárias, participantes atividades do cenário atual, conseguem aumentar seus lucros em conformidade à alta da renda da população, principalmente porque o cenário empregatício atravessa boa fase.

Recentemente, o Bradesco anunciou lucro maior em 39,5% no terceiro trimestre ante período igual de 2009. Outro banco de grande atuação no país, o Santander Brasil, divulgou rendimento líquido de R$ 1,93 bilhão na mesma base comparativa, obtendo avanço de 31,4% de acordo com a IFRS (norma contábil global).

No padrão nacional de contabilidade, segundo a agência de notícias Reuters, o lucro entre julho e setembro chegou a R$ 1,826 bilhão, também superior ao R$ 1,275 bilhão constatado no período similar do ano passado.

Para Carlos Galán, vice-presidente executivo de Finanças do Santander Brasil, o Brasil figura um cenário singular, em especial no crescimento do crédito. Toma-se como base desse discurso a carteira de financiamentos da instituição, que abarcou valor superior a R$ 159 bilhões no mês passado, incremento de 16,8% em um ano.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Como já se podia prever devido aos investimentos anunciados nas últimas semanas, a rede varejista Marisa, especialista em moda feminina, anunciou lucro superior a R$ 41,6 milhões no terceiro trimestre, expansão de 57,9% ante os ganhos conquistados entre julho e setembro do ano passado, quando R$ 26,363 milhões foram abiscoitados.

A boa comercialização realizada por meio de seus produtos, segundo a Marisa, deveu-se às coleções de inverno nas regiões Sudeste e Sul brasileiras durante o período de férias (julho), agregada, pois, ao ambiente econômico do país e ao crescimento do poder de renda da classe média.

No terceiro trimestre em questão a receita líquida da empresa, de acordo com o portal de notícias G1, amontoou valor acima de R$ 483,6 milhões, acréscimo de 16,2% ante os três meses análogos do ano passado. Na mesma base comparativa, o rendimento operacional calculado pelo lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação (Ebitda) cresceu 26,5%, cerceando, pois, R$ 73,6 milhões, com margem referente ao lucro operacional líquido ampliando 1,2% em 12 meses, para 15,2%.

Com aumento de 18 unidades em um ano, abraçando, portanto, 240 delas em setembro, a Marisa almeja atingir 278 unidades até o final de 2010.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Uma das maiores instituições financeiras presentes no Brasil, o Bradesco anunciou à imprensa nacional obtenção de lucro líquido de R$ 2,527 bilhões no terceiro trimestre, crescimento de 39,5% no confronto anual. De acordo com a agência de notícias Reuters, em bases correntes a receita alcançou R$ 2,518 bilhões, aumento de 40,3% na mesma base comparativa.

Além de ser um número altamente significativo, o resultado assinalado também se vigorou pouco além das previsões de mais de dez analistas sondados pela Reuters, que aguardavam, na verdade, lucro recorrente de R$ 2,466 bilhões.

O montante divulgado pelo Bradesco contou com outro dado positivo. A carteira de crédito no final de setembro chegava a R$ 255,618 bilhões, progresso de 18,6% no acumulado dos últimos 12 meses. A justificativa para esse caso deveu-se ao crescimento de 23% dos empréstimos realizados para pessoas físicas, que aglomeraram R$ 92,9 bilhões.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Apesar da dificuldade que a AmEx vem tendo na realização de novos financiamentos, devido ao alto índice de desemprego e da relutância dos clientes em estarem adquirindo dívidas, o American Express conseguiu atingir, apenas neste trimestre, um lucro acima do esperado e muito superior ao obtido no mesmo período do ano passado, referindo-se a um lucro líquido de aproximadamente US$ 1,1 bilhão, ou US$ 0,90 por ação, sendo que no período do ano passado o ganho registrado foi de US$ 640,00 milhões, ou US$ 0,54 por ação.

A explicação válida para este avanço, é a dos benefícios que o cartão oferece a seus usuários, como juros mais baixos, e ganhos com taxas e programas fidelidade relacionados a viagens. A AmEx, apesar dos bons resultados obtidos no trimestre, permanece atenta a economia, e esperam continuar com estes resultados, investindo na fortificação do bom relacionamento com os donos de cartões corporativos e da linha premium.

Por Bruna Coradete


A confiança e o otimismo da população e dos empresários são considerados reflexos do atual ambiente econômico do país. Emprego em abundância, dizem fontes oficiais, acesso facilitado ao crédito e maior poder aquisitivo compõem uma das tríades mais mensuradas nas últimas semanas.

Mônica Bergamo, colunista da BandNews FM, acredita que neste ano o varejo terá um dos melhores resultados em toda sua história. Buscando anteceder informações a serem veiculadas pela Federação do Comércio de Bens, Serviços  e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP) possivelmente neste semana, assinala que o faturamento do comércio extrapolou a barreira de R$ 8 bilhões em agosto passado. Se confirmado, incremento de 6% em comparação ao mês igual de 2009.

O lucro entre janeiro e agosto de 2010, revela a Band Online, poderá ultrapassar o índice de 6% em confronto aos oito meses iniciais do ano passado. Por enquanto, faz-se necessário aguardar dados oficiais. A tendência converge para essa previsão, uma vez que o resultado, além de outros fatores, poderá ter ajuda das férias escolares no caso de pagamentos parcelados.

Por Luiz Felipe T. Erdei


As redes sociais de convívio virtual são a mais nova tendência desta década pelo mundo e, principalmente, pelos brasileiros. Boa parte se utiliza dessas ferramentas para estabelecer contato com amigos e parentes, enquanto outra parcela dedica tempo para questões corporativas, além de obtenção de novas oportunidades de emprego.

Estudo realizado pela McAfee, fabricante de aplicativos, revela que o Brasil está entre as nações mundiais que mais aproveitam as redes, tais como Twitter e Facebook. A cada quatro empresas em todo o globo terrestre, em média, três fazem uso desses sistemas para conseguir remunerações e mais especificamente ainda, no caso brasileiro, nove em cada dez delas obtêm lucros.

Matéria emitida pela Band Online indica resultados similares em outros países, como Emirados Árabes Unidos, Índia e México. Para Charlene Li, analista de tecnologia consultada pela McAfee, o uso empresarial do Web 2.0 espelha a infiltração das redes sociais pelos países.

Apesar de levantamento positivo, as tecnologias também acarretam problemas, prejuízos, para ser mais específico. De acordo com o estudo, cada empresa do Brasil perde R$ 4,3 milhões, em média, devido a problemas relativos a seguranças online.

Por Luiz Felipe T. Erdei


As instituições bancárias pertencem a um dos setores mais rentáveis e ilustrativos das atividades econômicas brasileiras. Nas últimas semanas o Bradesco assinalou o ingresso de vários cidadãos no amplo clube da classe média, situação convergente, consequentemente, ao ambiente econômico gerido pelo país.

A ampliação no acesso ao crédito e o maior volume de brasileiros utilizando-se dos serviços bancários conferiram alta de R$ 10,1 bilhões no lucro do setor entre abril e junho deste ano, montante superior em 18,4% ante o segundo trimestre de 2009. De acordo com a agência de notícias Reuters, a Economatica, consultoria responsável pelo levantamento, indica que entre os 23 segmentos analisados, os bancos foram os que mais cresceram.

Depois dessa esfera, petróleo e gás aparecem na segunda posição, com lucro superior a R$ 8,54 bilhões ou elevação de 10,93% no mesmo período de análise, sendo a Petrobrás a grande impulsora, respondendo por si só, com R$ 8,2 bilhões. Apesar dessa constatação os bancos foram representados por 25 companhias.

Outros setores sofreram índices positivos relevantes, entre eles os de mineração, energia elétrica e telecomunicações. O único destaque negativo ficou por conta do segmento de Agronegócios e Pesca.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Boa notícia para os acionistas da bolsa de valores. A Bovespa fechou em alta, com um montante lucrativo de 5,6 bilhões estimativamente. A gratificante alta deu-se em razão da ótima faze americana e da excelente situação de empresas e organizações como  a rede Walmart, Tam, Petrobras e Vale.

Além disso o Estados Unidos segue em ascenção acentuada no setor industrial o que eleva as vendas e faz com que os pregões ganhem negociações significativas. Com esta alta, somam-se outras três que elevam em quatro altas consecutivas na Bovespa.

Coisa difícil, pensando que há quase nenhum tempo atrás esse povo esta se descabelando diante de uma crise eminente. Que assim,continue…

Por Victor Gonçalves


A produtora de bebidas AmBev informou ao mercado nesta semana que obteve lucro líquido de R$ 3,2 bilhões nos primeiros seis meses do ano. O número é 17,4% maior que o lucro registrado no mesmo período do ano passado.

Em comparação com os meses de abril a junho de 2009, o crescimento registrado no segundo semestre deste ano em relação à receita líquida da Ambev subiu R$ 330 milhões. A receita obtida pela empresa no segundo trimestre de 2010 chegou ao montante de R$ 5,67 bilhões.

A companhia informou, ainda, que a receita por hectolitro de cerveja no mercado brasileiro cresceu 5,2% no semestre, alcançando o valor de R$ 163,70 por hectolitro. O custo de vendas pela quantidade também aumentou em 15,2%, segundo a Ambev.

Por Luana Neves


Nesta última segunda-feira, 09 de agosto de 2010, a MRV Engenharia, construtora e incorporadora, divulgou que houve um crescimento de 103,6% em seu lucro líquido neste segundo trimestre de 2010, que é o melhor resultado já conseguido no período pela empresa.

O valor do lucro líquido registrado foi de R$150,5 milhões, perante uma estimativa anterior de R$137 milhões por parte de analistas da área. Considerando todo o primeiro semestre deste ano, a MRV apresentou um lucro 116,6% maior em relação ao mesmo período do ano anterior.

De acordo com Leonardo Corrêa, vice-presidente financeiro da incorporadora, os resultados positivos são consequentes de uma maior disponibilidade de crédito imobiliário, aumentando a demanda no setor. A MRV pretende comercializar até o final do ano um valor entre R$3,7 bilhões e R$ 4,3 bilhões. Só neste segundo trimestre as vendas somaram um número recorde de R$ 981,9 milhões.

Por Elizabeth Preático

Fontes: Folha de São Paulo, O Globo


A empresa Vale apresentou nesta quinta-feira os seus resultados trimestrais mais recentes. De acordo com a mineradora, o lucro obtido no segundo trimestre de 2010 foi de R$ 6,6 bilhões.

Nos primeiros três meses do ano, o lucro líquido da Vale havia sido de R$ 2,9 bilhões. Em comparação com o mesmo período do ano passado, o crescimento do lucro da mineradora superou 344%. Em relação ao trimestre anterior, a receita operacional da Vale subiu 45,7% e chegou ao patamar de R$ 18,9 bilhões.

Com os bons resultados obtidos no segundo trimestre de 2010, o lucro da Vale chegou a R$ 9,5 bilhões no trimestre, contra R$ 4,6 bilhões obtidos no semestre compreendido entre janeiro e junho de 2009.

Por Luana Neves


O Brasil vive momento favorável à sua economia, sinais indicados conforme crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,7% no primeiro trimestre, além de fatores como maior poder aquisitivo da população, retomada das vendas em setores que antes contavam com o apoio do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e a ampliação de residências comercializadas com o apoio do “Minha Casa, Minha Vida”.

Os investimentos no Brasil, outro ponto de destaque, são tidos como referência devido a gama de empresas que tem acreditado no poderio econômico do país, estrangeiras ou nacionais. Um estudo levantado pela Serasa Experian no princípio desta semana indicou que entre mais de mil empresários questionados, 73% deles acreditam em lucros durante este ano, enquanto outros 19% supõem manutenção e outros 8%, diferentemente, temem queda.

Dividido por setores, o de serviços é aquele que se mantém mais otimista, com 75% dos empresários julgando faturamentos além dos vistos no ano passado. As grandes companhias, revela reportagem do portal de economia Terra, são aquelas que projetam melhorias.

Segregado por regiões, o estudo assinala que executivos do Norte e Nordeste do Brasil configuram a casta com maior expectativa, superior a 84%.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Uma das mais notáveis empresas do mundo no segmento de bovinos é a JBS Friboi, que recentemente revelou alta em seu lucro líquido para R$ 99,4 milhões no 1º trimestre de 2010, número bastante superior ao prejuízo de quase R$ 323 milhões nos primeiros três meses do ano passado.

Reportagem emitida pelo portal de economia do Estadão informa que a receita líquida da empresa, também investidora no segmento educacional a partir de escolas-modelo, foi de R$ 12,550 bilhões entre janeiro e março de 2010, mais de 35% acima do assinalado no período igual de 2009.

A empresa assegura que a alta ocorreu em virtude da compra da Pilgrims’s Pride e da incorporação do Bertin, contribuindo, inclusive, para a redução de despesas, abaixo 17,8% em relação ao trimestre inicial do ano passado se comparado aos três meses inaugurais de 2010.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Estadão


A Tim divulgou seus resultados financeiros na ultima terça-feira, dia 04/05. A operadora encerrou o primeiro trimestre deste ano com lucro líquido de R$ 30 milhões. Bem diferente do prejuízo de 165 milhões no mesmo período de 2009.

Segundo o presidente da TIM, Luca Luciani, os bons índices são resultados do foco nos serviços de voz, com o plano pré-pago Infinty e o pós-pago Liberty. A operadora também investiu em infraestrutura de rede de segunda e terceira geração. O total de R$ 567 milhões em investimento resultou no aumento de números de estações 3G, atingindo a marca de 1 mil. O presidente afirmou também que no segundo semestre deste ano deve voltar a investir no marketing  e na oferta de produtos 3G.

Fonte: Telesintese

Por: Fernanda Santos


De acordo com pesquisa realizada pela Economática, o Banco Itaú Unibanco pode comemorar bastante agora no primeiro trimestre deste ano. É que ele conseguiu um aumento de 60,5% em seu lucro neste período, em relação ao ano passado, chegando a um valor considerado o melhor resultado já obtido na história dos bancos brasileiros.

O lucro total foi de R$ 3,234 bilhões, com destaque para as carteiras de crédito para pessoa física, que obteve um crescimento de 12,5% em comparação ao primeiro trimestre de 2009. De acordo com o informado pelo Itaú Unibanco, serão investidos cerca de quinhentos e oitenta milhões de reais neste ano para que as agências do Unibanco sejam convertidas para a marca Itaú, a qual irá prevalecer no varejo.

Por Elizabeth Preático

Fonte: O Globo





CONTINUE NAVEGANDO: