Moeda norte-americana chegou à marca de R$ 3,9964 durante o dia 21 de setembro e encerrou o dia em R$ 3,9809.

Nesta segunda-feira (21/09) a moeda norte-americana subiu 0,57% e foi a R$ 3,9809 para venda, sendo esse o segundo maior valor em toda a história! O motivo do dólar chegar a quase R$ 4,00 é por causa da reação do mercado em relação ao cenário fiscal no País e tem ainda a questão dos Estados Unidos optarem por uma alta de juros o que iria atrair mais investidores.

Mesmo sem ter muito sucesso, o Banco Central continuou com os leilões e ofereceu até US$ 3 bilhões e com a certeza de recompra para tentar barrar a disparada da moeda americana.

Desde outubro de 2002 que não se via o dólar tão alto assim, pois no dia 10 daquele mês ele chegou a R$ 3,99.

No decorrer do dia 21, esta última segunda-feira, o dólar chegou a custar R$ 3,9964. Logo no início da manhã estava custando R$ 3,9773. No início da tarde caiu um pouco indo para R$ 3,9964. Quase no final da tarde estava a R$ 3,9975 e no final do dia ficou em R$ 3,9809.

O dólar turismo que custa mais caro, nas casas de câmbio estava sendo vendido quase que a R$ 4,50 já incluso o IOF.

No início de uma semana complicada para o Governo brasileiro, os investidores estão apostando no mercado americano que está melhorando e ainda poderá ter juros mais atrativos.

Nesta terça-feira (22) o dólar comercial continuou subindo e logo pela manhã já ultrapassava os R$ 4,00. Exatamente às 11h40 a moeda norte-americana estava valendo R$ 4,0462. É a primeira vez que o dólar ultrapassa o valor de R$ 4,00.

Os economistas estão apostando que o dólar vai ultrapassar os R$ 4,50 porque o País não consegue resolver a sua crise.

Brasileiros que precisam viajar para o exterior terão que adiar sua viagem, se for possível, para não ter um gasto muito acima do planejado.

A tendência para os próximos meses é que o dólar continue subindo, só não se sabe quanto ele estará valendo em dezembro, pois os mais pessimistas acreditam que chegará a R$ 4,50 já em dezembro e os mais otimistas acham que até o fim do ano a moeda vai chegar a R$ 4,20.

Por Russel

Dólar


Alta do Dólar comercial alavancou a alta do Dólar turismo e do Euro turismo do dia 13 de agosto. Dólar comercial registrou o valor de R$ 3,529, maior alta em 12 anos.

O Real vem perdendo seu valor constantemente com a atual crise econômica do País. Como consequência, o Dólar comercial vem tomando força perante a moeda nacional. A alta do Dólar é uma resposta às ações do governo brasileiro para alcançar a tão falada redução da meta fiscal e os cortes de orçamento necessários. A moeda americana também acompanha o terceiro dia seguido de desvalorização do yuan na China. A alta da moeda americana foi de 1,06% em relação à brasileira e chegou ao valor de R$ 3,529 na última quinta-feira (dia 13). A alta é a maior em 12 anos.

A alta da moeda americana acabou alavancando a alta do Dólar turismo, que chegou ao patamar de R$ 3,90 e também do Euro turismo, que chegou ao índice incrível de R$ 4,40 nas diversas casas de câmbio do Rio de Janeiro. Acompanhe a cotação ao final do pregão em algumas casas de câmbio conhecidas pelo Rio de Janeiro:

Nas agências de câmbio do Banco Bradesco, o dólar americano chegou a uma cotação de R$ 3,92, para o cartão pré-pago. O dólar em papel estava custando R$ 3,73. Já o Euro teve uma cotação menor em espécie, R$ 3,14, mas para cartão pré-pago manteve a alta e chegou ao índice de R$ 4,34. Sobre esses valores descritos ainda incidem impostos como o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), de 0,38% sobre o papel e de 6,38% para o cartão pré-pago.

O Dólar espécie registrou R$ 3,75 na Casa de Câmbio Cotação e para trocas em cartão pré-pago registrou o valor de R$ 3,93. O Euro em espécie encerrou o dia a R$ 4,18 e a R$ 4,40 no cartão pré-pago.

Na agência Ultramar Viagens a cotação para o dólar e o euro em cartão foi de R$ 3,88 e R$ 4,32 respectivamente, já com o IOF incluído. Já o dinheiro em espécie encerrou o dia em R$ 3,65 para o dólar e R$ 4,07 para o euro.

Por Patrícia Generoso

Dólar e Euro


Moeda norte-americana encerrou o mês de julho em R$ 3,4247, registrando a maior alta desde 2003.

O dólar no último dia 31/07 conseguiu fechar na Bolsa de Valores em alta e ainda por cima em um valor maior do registrado nos últimos 12 anos, se compararmos com a maior cotação que ocorreu na data de 20/03/2003, que foi no valor de R$ 3,478 e também nesse mesmo mês de março de 2003 foi a última vez que o dólar ficou acima do valor de R$ 3,40.

Nessa última sexta-feira de julho de 2015, o dólar fechou exatamente no valor de R$ 3,4247, que significa uma alta de 1,59% em relação ao valor anterior conseguido na mesma semana. Nesse período notamos um valor de subida que chegou a 2,32% e no mesmo mês ficou em 10,16%, onde temos a maior alta mensal desde o mês de março, época com um aumento de 11,46%, segundo informações da Economatica.

Agora por que estão ocorrendo tantos aumentos nessa moeda?

Primeiro podemos notar que esses aumentos registrados sempre levam em consideração a Ptax (taxa calculada diretamente pelo Banco Central e que aponta a média do preço do dólar em relação à moeda brasileira), que no ano já acumulava uma alta de 28,81% e depois devemos levar em consideração que esse aumento teve a alta pressão em relação à preocupação com a situação fiscal e as questões políticas do Brasil, fora as incertezas que norteiam a intervenção do Banco Central diretamente com o câmbio.

Outra informação bastante considerável é a repercussão com relação ao déficit primário que chegou à cifra de R$ 9,2 bilhões no setor público e que ao mesmo tempo tem o registro de ser o pior da história.

Especula-se no mercado financeiro que da forma que a situação está sendo conduzida é provável que o dólar chegue facilmente na cifra de R$ 3,60 nos próximos meses, fora que os investidores acreditam que o Programa de Interferência do Banco Central vai realizar a rolagem dos swaps cambiais, ou em outras palavras, esses contratos que equivalem diretamente na venda futura de dólares, vão vencer agora no mês de setembro e em um valor estimado de US$ 10,027 bilhões.

Fora tudo isso ainda temos a Bolsa de Valores encerrando o mês do vermelho ao mesmo tempo em que o índice do Ibovespa subiu a marca de 1,94% com 50.609 pontos, mesmo com toda a alta do dólar.

Por Fernanda de Godoi

Dólar





CONTINUE NAVEGANDO: