As ações da CSN, Hypermarcas e Petrobras foram as que mais valorizaram no dia. O dólar encerrou a R$ 3,7705, com queda de 2,39%.

A Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) finalizou com alta forte nesta terça-feira, dia 03 de novembro. Após o feriado, os investidores realizaram alguns ajustes e comemoraram com notícias corporativas positivas, o que promoveu uma grande disposição nos estrangeiros para tomar ativos de risco.

O Ibovespa, considerado o principal índice de ações na bolsa, fechou com alta de 4,76%, aos 48.053 pontos. Esta foi a maior alta diária desde 21 de novembro de 2014, quando houve uma subida de 5,02%. Isso ocorreu na mesma época que o Ministro da Fazendo, Joaquim Levy, foi o mais cotado para ocupar o cargo atual.

A alta do Ibovespa de hoje ampliou os ganhos do desempenho positivo dos ADRs (American Depositary Receipts) no feriado.

O mercado ainda espera a votação do projeto da repatriação na Câmara dos Deputados e o envio da defesa do Governo da Presidente Dilma ao senado em relação às “pedaladas fiscais” apuradas.

O dólar fechou a R$ 3,7705 a venda com uma queda de 2,39%, totalizando uma baixa de 8 centavos comparado a última sessão. É a maior queda do dólar comercial desde 24 de setembro do ano corrente.

O pregão foi caracterizado pela disparada das ações da CSN, Hypermarcas e Petrobras.

O volume financeiro do pregão foi notável, somando cerca de R$ 8,9 bilhões.

A ação da Hypermarcas, com uma valorização de 21,14%, liderou as altas desta terça-feira. A valorização foi reflexo do acordo apreçado em R$ 3,8 bilhões para vender a divisão de cosméticos para a Coty.

A CSN ON superou a queda de 11,8% da semana passada e avançou com mais de 16% de aumento.

A Petrobras também finalizou o dia com uma considerável alta. O aumento nos preços do combustível contribui para o momento positivo, mesmo com as notícias sobre a possibilidade de paralisação dos trabalhadores e os consequentes impactos na produção.

Outro destaque do dia foi a alta da BM&FBovespa, que chegou a uma valorização de aproximadamente de 9%, após divulgar que está negociando a fusão das operações com a Cetip.

Outra ação que chegou a subir foi a do Itaú Unibanco, aumentando mais de 6% após informação sobre o lucro líquido de R$ 5,945 bilhões no terceiro trimestre.

Com relação às piores baixas registradas, as ações da JBS  e BRF lideraram com mais de 2% de queda.

Apesar de fechar o dia com forte alta, a bolsa brasileira concentra uma perda de 3,91% no ano.

Por Bruna Rocha Rodrigues

Bovespa


Saldo do fluxo cambial ficou positivo em cerca de US$ 13,1 bilhões em abril de 2015. Esse fato ocorreu pela melhora na economia internacional, pela certa acomodação do dólar e proximidade ou fim do ciclo de juros elevados realizado pelo Bacen.

Depois de passarmos por momentos onde a  moeda norte-americana estava sendo muito valorizada nos últimos meses,  onde  chegou a ser  cotada  em R$ 3,30, abril fechou com fluxo cambial positivo.

De  acordo com o fluxo cambial a entrada e saída de dólar do país fechou abril positivo em cerca de 13,1 bilhões de  dólares.

Essa é a maior entrada líquida  no país desde  julho de  2011, quando  a  entrada  chegou em 15,825 bilhões de  dólares.

A notícia foi dada pelo Banco Central (BC), onde revelou que o acúmulo do ano, ou seja, o saldo está em 17,87 bilhões de dólares.

De acordo com o Banco Central, o fluxo positivo se deve a  entrada de dólares no país ser maior do que a saída.

Esse saldo é composto por resultados das transações dos segmentos financeiros tais como os investimentos de  títulos, remessas de lucros, dividendos ao exterior  e os investimentos estrangeiros diretos, e também  as transações no segmento  comercial como operações de câmbio relacionadas à  exportação  e à importação.

Os saldos nos segmentos financeiros fecharam positivos em 9,995 bilhões de dólares e no comercial fechou em 3,112 bilhões, respectivamente.

De acordo com os economistas, essa melhora se deve a uma boa evolução da economia internacional, e também a certa acomodação do dólar, bem como a proximidade ou o fim do ciclo de juros elevados realizados pelo Banco Central desde outubro de 2014.

O Banco Central ainda informou que o fluxo cambial do ano de 2015 ficou negativo apenas no mês de fevereiro, enquanto os meses de  janeiro, março e  abril ficaram positivos.

Agora é ver como a economia se comporta nos meses  seguintes, e  torcer  para que o fluxo cambial continue em alta com a  entrada  de  dólares no  país, pois de  momento parece que o dólar está dando uma  recuada. Acredita-se que este  seja o momento oportuno para que tenhamos novamente alta nas  transações financeiras e comerciais durante o mês de maio. 

Por André Escobar

Fluxo cambial

Foto: Divulgação





CONTINUE NAVEGANDO: