Poupança é o pior investimento de 2015



  

Rentabilidade da poupança é menor que a inflação pelo 7º mês seguido, o que faz dela o pior investimento deste ano.

A poupança conseguiu pelo sétimo mês seguido render menos que a inflação e, com isso, amarga a marca do pior investimento neste ano de 2015.

A poupança sempre foi uma forma considerada pela população simples e segura para guardar o dinheiro e com isso garantir o futuro através dos juros e sem ter que pagar o Imposto de Renda, mas atualmente ela apresenta um rendimento de 6% ao ano mais a TR (Taxa Referencial), enquanto que a inflação em 12 meses tem acumulado uma alta que chegou a 8,89% somente no mês de junho e com isso temos uma população que a cada dia tem o seu poder de compra diminuindo significantemente.

Veja também:  Melhores Cidades para Empreender no Brasil

Esses dados foram levantados pela consultoria Economatica e ela ressalta que esse tipo de cálculo de rendimento negativo é muito preocupante e não pode ser resolvido em um piscar de olhos, realizando simplesmente a subtração das porcentagens para chegar ao tão esperado resultado final.

A poupança, infelizmente, é considerada o pior investimento neste ano, pois o seu rendimento mensal, menos a inflação do período, é negativo desde o último mês de dezembro.

Em junho de 2015 ela teve uma perda de 0,11% e, com isso, manteve-se bem distante dos outros tipos de investimentos, onde podemos destacar que o Ouro chegou a ficar em 10,43%, o Dólar Ptax Venda na marca de 10,02%, o Ibovespa em -0,02%, o CDI em -0,23% e a Poupança somente registrou -2,26%.

Veja também:  BTG Pactual - Indicação de Ações para Investir em Março 2017




A Poupança é um dos piores investimentos atualmente, ela conseguiu este ano uma diferença negativa quando se trata de depósitos e saques, pois realizada a retirada de R$ 6,261 bilhões a mais do que foi depositado no último mês de junho.

Quais os motivos levaram a toda essa retirada do dinheiro da poupança?

Podemos classificar que a população fez tudo isso diante dos seguintes fatos:

  • Aumento do desemprego;
  • Alta do endividamento;
  • Taxas de juros mais altas, direcionando para outros investimentos.

Agora devemos investir em outros meios como o CDB, os Fundos de Renda Fixa, as Letras de Crédito Imobiliário (LCI) e Letras de Crédito do Agronegócio (LCA), a Previdência Privada e o Tesouro Direto para garantir um futuro bem mais tranquilo.

Veja também:  Recuperação Judicial da PDG Realty

Por Fernanda de Godoi

Poupança



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *