Economia brasileira registrou recuo de 0,2% no 1º trimestre



  

Resultado negativo foi consequência direita do desempenho abaixo da média do setor de serviços e da indústria.

A economia brasileira continua em queda e registrando resultados negativos. O último deles foi justamente o recuo de 0,2% no primeiro trimestre de 2015 quando a comparação é feita com o último trimestre de 2014. Além disso, vale destacar que também foi registrado um recuo do consumo das famílias, bem como dos investimentos. Tal resultado foi consequência direita do desempenho abaixo da média do setor de serviços e da indústria. Os resultados aqui divulgados são dados oficiais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

É importante ressaltar que quando a comparação é feita com o mesmo período em 2014 os resultados são ainda piores. Neste caso, o recuo registrado foi de 1,6% e o principal destaque foi a queda no consumo das famílias. Esse é um dos piores resultados desde o último trimestre de 2008. Vale ressaltar que em valores, a soma das riquezas produzidas no Brasil durante esse período foi de R$ 1,408 trilhão.

Veja também:  Localiza anuncia compra da Hertz Brasil

Como já foi destacado, um dos principais vilões para o recuo de 0,2% em nossa economia foi o setor de serviços. Tal setor registrou uma queda de nada menos que 0,7%. Além disso, é importante destacar que o setor de serviços representa mais de 60% do PIB do Brasil, por isso, um recuo nesta área representa perdas significativas para nossa economia. O recuo da indústria foi menor que o do setor de serviços, 0,3%. A boa notícia veio de setor da agropecuária, haja vista a alta de 4,7%.

Apesar dos resultados negativos, o recuo ainda está abaixo do que esperava o mercado financeiro. A previsão do IBC-Br, por exemplo, era de que o recuo da economia girava em torno de 0,81% no primeiro trimestre de 2015.

Veja também:  Banco do Brasil irá realizar Transações Financeiras por WhatsApp




Um resultado negativo já era esperando, haja vista Joaquim Levy, ministro da Fazenda, ter afirmado que o início do ano seria complicado, pois seria marcado por um ajuste fiscal bastante forte.

Por Bruno Henrique

Economia brasileira

Foto: Divulgação



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *