IPC-S desacelerou em abril



  

Indicador desacelerou, mas acumulou alta de 5,30% no ano.

A Fundação Getúlio Vargas (FGV) informou que diante do menor reajuste da energia do mês de março para abril a inflação da baixa renda sofreu desaceleração.

Foram divulgados também alguns índices do IPC-C1 – Índice de Preços ao Consumidor – Classe 1. O índice fechou com avanço de 0,74%, contra 1,64% no mês atual. O indicador acumulou uma alta de 5,30% no ano. Nos últimos 12 meses a alta representa 8,57%.

Para esclarecer, vamos expor algumas características do IPC-S para que seja possível entender mais sobre esse índice.

A Fundação Getúlio Vargas (FGV) esclarece que o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) indica a variação de preços dos produtos e serviços que são comercializados em sete capitais do país. O índice é calculado pela Fundação Getúlio Vargas e o início do índice ocorreu no ano de 2003.

Veja também:  Compra do LinkedIn pela Microsot - União Europeia aprova Negócio

O IPC-S é calculado a partir da evolução dos preços em um período quadrissemanal. Os fechamentos ocorrem nos dias 7, 15, 22 e 30 de cada mês.

A taxa registrada para a baixa renda fechou acima da taxa registrada para o conjunto da população: Índice de Preços ao Consumidor – Brasil, representada pela sigla IPC-BR. O índice atingiu 8,41% no mês de abril, comparado a março. Houve uma variação de 0,61%.

Dentre oito classes avaliadas de despesa que completam o cálculo do referido indicador, abaixaram as seguintes classes: despesas diversas (0,56% para 0,36%), educação, leitura e recreação (0,52% para 0,22%), transportes (0,72% para 0,18%), alimentação (1,12% para 0,82%) e taxas de  habitação (4,14% para 0,64%).

Veja também:  PIS 2017 - Consultar o Saldo, Quem tem Direito

Contudo, fizeram o caminho inverso as seguintes classes: comunicação (-0,44% para -0,24%), vestuário (-0,27% para 0,99%) e saúde e cuidados pessoais (0,64% para 1,80%).

Destacam-se também as variações dos seguintes itens:

– Serviço religioso e funerário (1,17% para 0,52%);





– Passagem aérea (de 12,24% para -1,73%);

– Roupas (de -0,48% para 1,32%);

– Tarifa de eletricidade residencial (de 21,13% para 1,26%);

– Gasolina (de 1,72% para -0,75%);

– Tarifa de telefone residencial (de -1,13% para -0,64%);

– Medicamentos em geral (de 0,01% para 3,59%);

– Hortaliças e legumes (de 4,08% para 1,39%).

Por André César

IPC-S

Foto: Divulgação



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *