Petrobras teve prejuízo de R$ 21,587 bi em 2014



  

Estatal teve prejuízo de R$ 6,194 bilhões com corrupção e de R$ 44,345 bilhões com reavaliação de ativos em 2014.

Foi divulgado o balanço auditado oficial da Petrobras e, conforme o esperado, a empresa teve prejuízo de cerca de R$ 21,587 bilhões com os escândalos da corrupção e reavaliação de ativos no ano de 2014, contra o lucro de R$ 23,6 bilhões em 2013. Apenas com a corrupção, a estatal perdeu R$ 6,194 bilhões e com a reavaliação de ativos, R$ 44,345 bilhões.

Segundo a Economatica, empresa de consultoria, em entrevista ao Jornal Folha de São Paulo, desde o ano de 1991 que a Petrobras não apresentava prejuízos anuais, ou seja, foram mais de 20 anos sem que a petroleira tivesse prejuízo.

Para o presidente da empresa, Aldemir Bendine, o que fica no momento é um sentimento de vergonha, por parte de todos os funcionários da estatal. Porém, ainda não há clareza sobre como a corrupção foi feita, não podendo identificar de forma especifica como e quais os valores de cada pagamento indevido efetuado.

Do total de perdas com a corrupção, 55% ocorreu apenas na área de Abastecimento, que era liderada por Paulo Roberto Costa, condenado na última quarta-feira, 22, por lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Outras áreas afetadas da petroleira são a de Gás e Energia, com prejuízo de R$ 637 milhões, a de Distribuição e Internacional, que somam R$ 46 milhões, e Corporativo com R$ 99 milhões. Ainda, há R$ 150 milhões desviados que não correspondem a áreas específicas da estatal, e sim, a pagamentos para empresas não citadas no processo da Lava Jato.





Veja também:  Britvic pode comprar Bela Ischia Alimentos

Com o grande prejuízo, a Petrobras não pagará a parcela de lucro destinada aos acionistas da empresa este ano. A medida será tomada para preservar o caixa da empresa.

De acordo com parecer de Bendine no balanço, a estatal tem capacidade de superar os desafios que estão por vir. Ainda, foi criado um novo plano de negócios que visa priorizar a produção e exploração de petróleo e gás.

Por Andréa Corneli Ortis

Petrobras



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *