Dólar fechou em queda em 31 de março



  

Moeda norte-americana fechou no vermelho no último dia do mês de março, mas teve um aumento de 11,7% no acumulado mensal

No dia 31 de março, o dólar fechou no vermelho, mas no período todo, março foi um dos meses em que o dólar apresentou maior alta. No dia 31, a moeda americana apresentou um recuo de 1,26%, mas em todo o mês de março, o aumento foi de 11,7%.

O dólar iniciou a terça-feira em alta e todos já esperavam que fosse mais um dia de valorização da moeda norte-americana, mas o quadro foi mudando no decorrer do dia, fazendo com que o dólar terminasse em baixa.
Se analisarmos o primeiro trimestre de 2015, iremos constatar que o dólar teve uma alta acumulada de 20% em relação à moeda brasileira, o real. Esta valorização do dólar foi a maior de um primeiro trimestre, desde o ano de 1999. Foi nesta época que o Brasil optou pela desvalorização do real e passou a adotar o regime de "Câmbio Flutuante".

Veja também:  Britvic pode comprar Bela Ischia Alimentos

Um dos motivos que fez o dólar cair no último dia de março foi o depoimento de Joaquim Levy, Ministro da Fazenda, que informou sobre os dados fiscais do Governo, apresentando um déficit acima dos R$ 7 bilhões, sendo este o pior de todos os resultados para um mês de fevereiro, desde 1997. E pouco depois, foi a vez do Banco Central informar que o setor público contou em fevereiro com um déficit primário acima dos R$ 2,3 bilhões.

E, principalmente, por causa destas duas notícias, o dólar sofreu uma desvalorização no dia 31 e se a moeda começou em alta, acabou fechando o dia 31 de março com uma queda de 1,26% frente ao real, sendo cotada a R$ 3,1909 na venda.

Veja também:  Petrobras anuncia Venda de Complexo Químico-Têxtil para Alpek




Com o avanço de 11,7% em março, a moeda norte-americana já acumula uma valorização de 20% neste primeiro trimestre de 2015.

Especialistas no assunto garantem que o mercado está vendo a atuação do ministro Levy, de forma positiva, pelas mudanças feitas para a economia. O ministro afirmou no Senado que para a economia brasileira se recuperar, todos precisarão colaborar, principalmente os estados e os municípios.

Por Russel

Dólar



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *