Senado deve realizar Audiência Pública sobre a Crise na Venezuela



  

De acordo com a CRE (Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional) vai existir uma audiência pública no Senado para discutir a posição do Brasil sobre os conflitos que acontecem na Venezuela. Integrantes do colegiado aprovaram a matéria apresentada por Ricardo Ferraço, senador do PMDB que representa o Espírito Santo.

Conforme o requerimento aprovado no dia 20 de março, deve ser convidado para o encontro Ruy Carlos Pereira, embaixador do Brasil na Venezuela, em Caracas, talvez a melhor fonte de informação que pode existir para explicar aos senadores o que acontece em terras venezuelanas. O encontro tem expectativa inclusive por parte da imprensa especialista em temas políticos.

Para explicar as razões da importância do encontro, o requerimento de Ferraço observou que na fronteira do Brasil com a Venezuela há distância que se equivale em dois mil quilômetros. Também alegou que venezuelanos acabaram de ingressar no MERCOSUL e trazem períodos de protestos contra o governo atual. Cerca de 22 pessoas morreram desde o começo de fevereiro.

Veja também:  Economia brasileira em 2017

Ricardo Ferraço e parte dos senadores verificaram que a Venezuela se desmorona de forma econômica. As reservas cambiais não possuem força para sanar a dívida externa. Por conta da economia em baixa, existem produtos básicos que começam a fazer falta nas prateleiras dos supermercados. A inflação está quase na casa dos sessenta por cento ao ano.





O aumento da insegurança também foi apontado como ponto crítico da Venezuela nos dias atuais. A criminalidade cresce junto com o ato de milícias armadas contra o povo, que não se encontra em favor do governo atual. Ferraço indica que a democracia venezuelana perde para a censura e à supressão das liberdades básicas.

Durante o evento também acontece o debate da previsão das quatro mensagens da presidente da República para indicar embaixadores em Laos, Reino de Tonga, Burkina Faso e Eslovênia.

Veja também:  Salário Mínimo em 2017

Por Renato Duarte Plantier



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *