FMI elogia Economia da América Latina e África



  

Com base nos recentes dados sobre a economia européia e, em especial, a norte-americana, Dominique Strauss-Kahn, diretor-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), teceu comentários positivos em relação ao bloco latino-americano e ao continente africano, que muito fizeram, segundo ele, para amortecer o impacto da crise econômica global e superá-la.

Em discurso proferido no dia 29 de março, segunda-feira, Strauss-Kahn relatou que a América Latina é um local onde sempre se constatou inúmeros problemas, mas que na crise iniciada em 2008, as instituições bancárias estavam bem protegidas, tanto que não sofreram os mesmo encalços percebidos em outros lugares do planeta.





Além desses bons comentários, o diretor-geral do FMI avalia que, diferentemente do que se possa supor, os dois blocos aludidos anteriormente foram, sim, atingidos pela crise financeira, mas que a recuperação atual é bem rápida.

Veja também:  Economia brasileira em 2017

No caso brasileiro, em específico, é possível avaliar positivamente as medidas rápidas e eficazes adotadas pelo governo, pelo menos aos petistas e simpatizantes do PT (pois a oposição sempre terá algo a falar). Além disso, as retiradas de cada subsídio acontecem gradualmente, de modo a não permitir que o país sofra a tão temida bolha-econômica. Uma lição ao mundo!

Por Luiz Felipe T. Erdei



1 comentário em “FMI elogia Economia da América Latina e África

  • Tenho uma tese de que se a exigência(conselho?) do FMI fosse baseada na profunda análise sobre cultura brasileira,o índice de criminalidade do Brasil não estaria nessa atual situação.
    O Brasil,antes da drástica privatização de estatais era possível obter carona facilmente nem que seja uma distância mais de 100km.Hoje,nem param para ajudar um carro que furou pneu porque isso seria perigo.
    Antes da exigência,o sistema latifundiário acolhia os pobres.Dependendo de donos da fazenda,recebiam educação.Maioria não recebiam educação,mas pelo menos acolhiam os pobres.
    Depois da privatização,aonde ir os pobres que não receberam educação?Deve ser favela.Ou…prisão.
    Outra tese:a educação pública arruinou porque o governo cortou o orçamento tais como salário de bons professores,manutenção de bibliotecas públicas.Se o FMI não exigiu,então,a culpa é dos políticos brasileiros,porque isso era fundamental para garantir futuro do país.
    O resultado dessa dose foi:ricos recebem educação qualificada facilitando emprego,e pobres,o contrário,dificultando emprego e facilitando formar favelas,facilitando ocorrência de violência tais como correr na droga,assalto,violência à proprias crianças,devido a frustração de não enxergar o futuro.
    Será que os missionários do FMI visitaram favelas,fazendas,casebres?
    Será que o modo de recuperar dinheiro não tem outra alternativa?
    Por que será que o modo de recuperar dinheiro depende dos membros influentes do FMI?

Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *